Reforma fiscal pode enfrentar mais obstáculos do que esperava o governo federal

Por Painel

Todo dia uma agonia O governo antecipa mais uma dificuldade no plano de ajuste fiscal. A proposta de definir um teto para o gasto público, uma das armas para retomar a confiança dos investidores, deve dar mais trabalho do que parece. Técnicos alertam que, como atinge despesas obrigatórias, muitas constitucionais, a mudança não poderia ser feita por projeto de lei. Teria de ser feita por uma emenda à Constituição, o que exige quorum altíssimo no Congresso, hoje artigo de luxo no Planalto.

Tragam a banda O ministro Nelson Barbosa tem repetido que implementar um sistema de superavit primário flexível será essencial para cobrir o rombo que Estados e municípios inevitavelmente deixarão nas contas públicas.

Ou a festa acaba A equipe econômica quer contingenciar cerca de R$ 24 bilhões para cumprir a meta fiscal da União. Mas sabe que Estados e municípios, muitos em crise, não conseguirão fazer o superavit exigido, de R$ 6,5 bilhões. O governo não terá de onde tirar esse dinheiro.

Esqueceram de nós Ministros do Tribunal Superior Eleitoral notaram que, nos últimos 15 dias, diminuiu a pressão para acelerar o julgamento contra Dilma Rousseff na corte. Tentam entender se é sinal de recuo ou reflexo do Carnaval.

Quero não O comando do PSDB promete voltar a centrar fogo na “solução TSE”. A sigla está cada vez menos engajada no impeachment.

Terceiro turno A defesa de novas eleições, porém, oferece riscos ao PSDB. Enquanto petistas e tucanos se engalfinham com acusações de envolvimento na Lava Jato, Marina Silva segue sem um arranhão.

apode1402painell (1)
Passa o repelente Deputados rivais mandaram fazer dez fantasias de Aedes aegypti para recepcionar Marcelo Castro (Saúde) caso ele reassuma o mandato para votar em Leonardo Picciani (RJ). “Levaremos repelente!”, promete um dos mentores da peraltice contra o colega.

Explosão Enquanto o desemprego aumenta, o número de trabalhadores sindicalizados, misteriosamente, sobe. Segundo a Força Sindical, 4,6 milhões de pessoas decidiram se sindicalizar — contribuindo mensalmente com as entidades — entre 2013 e 2015, alta superior a 50%.

Nunca antes Prévia feita pelo Ministério do Trabalho indicou que 2015 terminou com 12,6 milhões de pessoas vinculadas a sindicatos. O número oficial ainda será divulgado.

Tá estranho A Força Sindical considera o número suspeito. Pressiona o governo para melhorar aferição e evitar fraudes.

Reforço O chamado de última hora de Dilma para que Michel Temer participasse do mutirão do governo contra o avanço do Aedes aegypti, no sábado (13), irritou o vice. “Vão dar uma raquetinha de choque para ele e proibi-lo de passar repelente!”, ironizou um aliado.

Você na frente A Vice-Presidência precisou correr para casar a agenda com a de autoridades paranaen- ses, como o prefeito da ca- pital, Gustavo Fruet (PDT) — mas, apesar dos esforços, o peemedebista acabou sem a companhia do governa- dor Beto Richa (PSDB).

Estamos nessa Apesar da ansiedade de empresários, o governo garante que o país não ficará de fora da abertura do mercado iraniano. Uma missão comercial, com empresas do setor médico-hospitalar, irá ao país neste ano. O roteiro deve se repetir em 2017.

Vamos, novatas O ministro Armando Monteiro (Mdic) e o presidente do Sebrae, Guilherme Afif, assinarão na quarta (17) um acordo de cooperação técnica para expandir o programa federal de incentivo e capacitação de startups.


TIROTEIO

No lugar de responder às acusações, o PT prefere apagar a luz e fingir que todos são iguais. O PSDB não é igual e vai reagir a isso.

DO SENADOR CÁSSIO CUNHA LIMA (PSDB-PB), sobre as críticas de dirigentes petistas de que tucanos também são citados em delações da Lava Jato.


CONTRAPONTO

A voz da experiência

Durante a maratona de sessões do Congresso no final do ano passado — quando o governo ainda batalhava para aprovar a manutenção de vetos de Dilma Rousseff — o jovem deputado tucano Caio Nárcio (MG), nascido em 1986, se envolveu em um pequeno desentendimento regimental com o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), que está no Legislativo desde 1983.
Vice-líder do governo na Câmara, Silvio Costa (PSC-PE) brincou sobre a diferença de tempo dos dois no Congresso, arrancando risos dos colegas à sua volta:
—Eu já vi muita coisa na minha vida, mas nunca tinha visto um sacristão tentando ensinar a Bíblia ao papa!