Ministros do TCU ameaçam atrasar acordos de leniência e punir funcionários do governo

Por Painel

Dedo no suspiro Ministros do TCU afirmam que, se o governo não devolver à corte o direito de apitar nos acordos de leniência com as empreiteiras do petrolão, não só irão se negar a aprovar os acertos como abrirão processos independentes para apurar as irregularidades, o que atrasará muito o processo. Ameaçam ainda punir servidores da CGU e da AGU, responsáveis pela costura dos acordos, caso entendam que a multa às empresas envolvidas está abaixo do calculado pelo tribunal.

Tá fazendo errado Segundo um ministro do TCU, na tentativa de dar celeridade aos acordos, o governo criou mais insegurança jurídica.

Baú da felicidade O celular de Léo Pinheiro, ex-presidente da OAS, segue fonte profícua de indícios da relação entre o então empreiteiro e Brahma, como o ex-presidente Lula era por ele chamado, segundo análise da PF.

Não se reprima Em 2014, Pinheiro escreve: “Ele vai estar num encontro político com o Brahma. Tem de aproveitar para pedir: solução para Porto Vida, solução para Porto Maravilha; BNDES; rolagem da dívida. É a hora de pedir. A oportunidade é única”.

Leozinho é pop Ainda em 2014, Pinheiro recebe uma mensagem de Carlos Borges, diretor da Funcef [fundo de pensão da Caixa]: “Não esqueça de me reservar uma vaga de office boy nesse arranjo político. Afinal, com sua influência junto ao Galego e a Lula, você é O CARA”.

Meu outro eu Em tempo: “Galego” é Jaques Wagner, hoje braço direito de Dilma.

Brahma pra toda obra Em setembro de 2012, Cesar Uzêda, então diretor da OAS, comenta com Pinheiro que um interlocutor em comum “esteve com o Brahma sobre Inambari”, hidrelétrica tocada pela empreiteira no Peru.

Pirou Em 2013, quando o PT discutia o fim do financiamento privado, Pinheiro reclamava: “Ele disse que tem que acabar com isso [doações privadas], pois as empresas acabam mandando no Legislativo e no Executivo. Ficou Louco. Isso é hora de demonizar empresários?”

Outro lado O Instituto Lula afirmou, por meio de nota, que não comenta “vazamentos ilegais, seletivos, parciais, com mensagens de terceiros fora de contexto”.

Peixe fora d’água O PSB nutre pouca esperança de que Romário (RJ) permaneça na sigla. O clima, que já não era bom, azedou de vez após ele ser sacado da presidência da legenda no Rio.

Meus direitos Eduardo Cunha vai processar a Receita Federal alegando vazamento de dados sigilosos. Ele acusa o governo de usar um órgão de Estado para perseguir adversários. “Venezuela é aqui”, dispara.

Também quero Cunha ficou indócil ao saber que o ministro José Eduardo Cardozo (Justiça) abriu investigação para apurar o vazamento de mensagens contra o colega Jaques Wagner (Casa Civil). “Ele não abriu inquérito para apurar o meu caso. Cardozo está prevaricando”, diz o presidente da Câmara.

APODE0801PAINEL

‌Lorde dos Pesadelos De um ministro de Dilma: “Quando achamos que Cunha está finalmente morto, ele ressurge urrando e nos dá outro susto. Parece um filme B de terror. É o Freddy Krueger da crise”.

Sem tostão Com a torneira do financiamento privado mais seca do que o sistema Cantareira, o PT avalia que terá de “reaprender a fazer campanha eleitoral”. O tempo da militância paga ficará para trás.

Quebra essa? “Será uma campanha menos na base do dinheiro e mais na troca de favores, de compromissos”, resume um petista graúdo. A promessa de cargos e de facilidades dará a tônica da relação com os apoiadores.

Visita à Folha O presidente do banco Santander no Brasil, Sergio Rial, visitou ontem a Folha, onde foi recebido em almoço. Estava acompanhado de Clau Duarte, superintendente-executiva de comunicação externa.


TIROTEIO

Por que Andrea Matarazzo é contra a eleição de subprefeito? Tendo sido o pior subprefeito da Sé, jamais voltaria ao cargo pelo voto.

DE CHICO MACENA (PT), secretário de Governo da cidade de SP, em resposta ao pré-candidato tucano à Prefeitura de SP, que criticou o projeto de Haddad.


CONTRAPONTO

O destino contra mim

O vice-presidente Michel Temer (PMDB) discursava na comissão especial criada na Câmara dos Deputados para debater a reforma política, quando lembrou-se de um exemplo classificado por ele como “curioso”:
— Lá, nos Estados Unidos… Vocês já viram um candidato à presidente que tenha sido deputado? Eu, pelo menos de memória, não tenho notícia. Os candidatos são sempre do Senado, onde o voto é majoritário.
— Frank Underwood, de House of Cards! — interrompeu o deputado Marcus Pestana (PSDB-MG).
— Ah, sim. Ele era deputado, mas isso é na ficção, não é verdade? — respondeu o vice, caindo no riso.