Petistas dizem que Barbosa tem até janeiro para mostrar a que veio na Fazenda

Por Painel

Prazo de validade Embora seja visto como “um dos nossos” pelo PT, Nelson Barbosa terá pouco tempo de lua de mel com o partido do governo. Petistas afirmam que, em janeiro, cobrarão do novo ministro da Fazenda “alguma novidade” para reanimar a economia. Caso Barbosa não entregue a encomenda, a pressão será pública. Integrantes da legenda e do Instituto Lula se queixam de que o Palácio do Planalto ainda não deixou claro o que Dilma Rousseff pretende fazer em 2016 para ressuscitar o PIB.

Errou rude Petistas reprovaram a fala de Barbosa sobre a reforma da Previdência na sua estreia como ministro. “Tem de sinalizar para o nosso povo, não contra nós. É um erro achar que ele vai agradar ao mercado”, diz um veterano da sigla.

Timing O PT conseguiu na Justiça Eleitoral adiar para fevereiro a veiculação de seu programa partidário, inicialmente marcado para 14 de janeiro. As águas estão turvas demais neste momento para levar uma peça à TV.

Substituição Dedicado a atividades fora do Brasil, João Santana pulou fora do programa. A legenda acabou contratando Edinho Barbosa, que foi marqueteiro de Eduardo Campos, para criar a peça publicitária.

Em boa hora Espera-se, ainda, que o governo apresente propostas mais claras para a economia e ajude a legenda a ter o que dizer no comercial.

Deixa comigo Animado com a abertura de diálogo após a saída de Joaquim Levy, o PSD de Gilberto Kassab promete entregar ao governo sua própria “Agenda Brasil”. Quer levar as propostas à Fazenda em janeiro.

Vingança? Arthur Lira (PP-AL), presidente da CCJ e aliado de Eduardo Cunha, apresentou pedido para convocar Helder Barbalho (Portos) para falar na comissão. A pedido de Dilma, a mãe e a madrasta do ministro assinaram a lista de recondução de Leonardo Picciani à liderança do PMDB.

Classificados Eliseu Padilha, ex-ministro da Aviação, irritou-se com peemedebistas que o tacharam de “desempregado”: “Nunca fui empregado do governo”.

Tenho dito “Cumpri missão partidária enquanto servia ao PMDB e ao governo. Quando ficou inviável, pedi exoneração”, desabafa.

Não deu A Fazenda desistiu de vender ao setor privado um lote de R$ 3,3 bilhões em financiamentos não pagos que estão em posse da Emgea, estatal criada para recuperar créditos de devedores.

Só isso? Das 12 ofertas, nenhuma alcançou o valor esperado. A ideia era testar o apetite do mercado. Se vingasse, a iniciativa poderia ajudar a engordar o caixa federal. O governo já decidiu que esse lote não voltará ao mercado.

Recado No jantar com ministros e líderes da base, Dilma deu uma indireta a Alexandre Tombini: “Equipe econômica é Ministério da Fazenda, do Planejamento e do Banco Central”. Em seguida, tascou um “não é, Tombini?”. Ela já avisou que deseja um time coeso.

Ritmo de festa A anfitriã se permitiu tomar “duas ou três” taças de vinho.

Chá de cadeira Aliados de Cunha se queixam de o presidente da Câmara ter esperado três dias por uma audiência no STF. O pedido foi feito na segunda, e só nesta quarta ele vai à corte.

apode2312painel

Durou pouco A agência de classificação de risco Fitch retirou da cidade de São Paulo o selo internacional de bom pagador. A decisão foi tomada após o governo federal perder o chamado grau de investimento, o que empurrou este e outros municípios para a mesma vala.

Mas já? Em novembro, a administração Haddad comemorou a conquista do status como “marco” histórico.


TIROTEIO

Mais um ano sem avanços. O Mercosul precisa ter uma agenda clara e de longo prazo. O crescimento do Brasil depende disso. 

DE CARLOS ABIJAODI, diretor da CNI, sobre a dificuldade do bloco em negociar acordos comerciais ambiciosos, como a área de livre comércio com os europeus.


CONTRAPONTO

Meu eu predileto

Num seminário na Casa das Garças, no Rio, com a presença do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e do senador tucano Aécio Neves, um economista da plateia perguntou se não é ruim o PSDB se dividir entre tantos possíveis candidatos à Presidência em 2018 enquanto o PT mostra mais unidade por ter apenas um, o ex-presidente Lula.
Ao ouvir o comentário, FHC fitou o senador e disse:

— Você sabe qual a minha preferência.

Aécio então devolveu sem pestanejar:

— Sua preferência é você mesmo!

— Está tão na cara assim? — reagiu FHC.