Temer atuou pela saída de Picciani da liderança do PMDB na Câmara

Por Painel

Rei morto A deposição de Leonardo Picciani do posto de líder do PMDB na Câmara foi diretamente articulada pelo Palácio do Jaburu, que fechou o cerco sobre a ala da bancada contrária ao impeachment. Michel Temer chamou deputados para conversas individuais e deu telefonemas pedindo a saída de Picciani. A articulação tem componente pessoal em virtude dos ataques dirigidos pelo líder deposto ao vice, mas o movimento se mistura com a própria articulação pela saída de Dilma Rousseff.

Ponte Na noite seguinte à fatídica carta, o vice jantou com o presidente nacional do PRB, Marcos Pereira, partido que controla o Ministério do Esporte.

Recados A sigla, com 20 deputados, ameaça deixar o governo. Reclama de “ter a caneta, mas não a tinta”

Inspiração Após o jantar, Marcos Pereira disparou a seguinte mensagem pelo celular: “Amigos, escrevo para dizer que estamos juntos rumo a um Brasil melhor!”

Jogo duplo O Planalto está tendo dificuldade para radiografar a Câmara. Deputados governistas aparecem, de manhã, jurando fidelidade à presidente da República e, de tarde, entregam o ouro para Eduardo Cunha.

Maquiavel Simone Morgado, mulher de Jader Barbalho, e Elcione Barbalho, ex-mulher do senador e mãe do ministro Helder (Portos), assinaram a lista pela saída do governista Picciani do comando da bancada.

Muita mágoa Na conversa com deputados depois de Leonardo Quintão ter assumido a liderança, Temer se queixou de Picciani. Disse que nunca tinha sido tão hostilizado por um colega.

Vale tudo Articuladores do Planalto avaliam que Picciani pode exercer uma espécie de “liderança do B”, para que o governo negocie com os 30 deputados que não apoiaram Quintão.

O Infiltrado Líderes que participam das reuniões no Planalto se dizem desconfortáveis em traçar estratégias na frente de Quintão.

Brecha A aprovação da janela para troca partidária em primeiro turno no Senado deu esperança ao Planalto. Se a proposta vingar, o governo agirá para inocular deputados da base no PMDB e restabelecer Picciani como líder.

Privilégio O TCU decidiu que todos os integrantes de Ministério Público do país inteiro terão de devolver verbas de cargos de chefia e assessoramento recebidas acima do teto constitucional nos últimos cinco anos.

Fora da lei Os ministros entenderam que uma regra que permitia esse pagamento, criada pelo Conselho Nacional do Ministério Público, em 2006, fere a Constituição Federal. A denúncia de pagamento irregular foi feita por um integrante do Ministério Público do TCU, Lucas Furtado.

No Horizonte O piloto do programa nacional do PMDB, que vai ao ar em fevereiro de 2016, tem como mote “O Brasil em uma nova direção”. A versão original trazia a expressão “novo governo”, mas foi vetada pela ala do partido ligada ao Planalto. Há pressão por um título mais neutro.

Plenos poderes De um importante senador peemedebista: “Se o STF não colocar um freio em Cunha, a Mesa Diretora da Câmara vai acabar decretando a prisão de Rodrigo Janot”, disse o hiperbólico parlamentar.

Se nada mudar… No calendário peemedebista, dias depois da exibição do programa em rede nacional de rádio e TV, o partido faz sua convenção para referendar a candidatura própria em 2018.

Ausência… O PMDB de São Paulo reuniu seu diretório municipal com Marta Suplicy, segunda-feira, para começar a discutir, segundo um dos dirigentes, propostas para a possível candidatura da senadora a prefeita de São Paulo.

… atrevida O encontro, no entanto, aconteceu sem a presença do presidente do diretório, Gabriel Chalita, que disputa com a Marta a indicação do partido para a eleição de 2016.


TIROTEIO

A Câmara foi transformada em um circo. Estamos vivendo uma situação degradante e humilhante. A instituição pede socorro.

DO DEPUTADO JULIO DELGADO (PSB-MG), sobre a manobra de Eduardo Cunha para atrasar o processo de cassação de seu mandato no Conselho de Ética.


CONTRAPONTO

Só desta vez

picciani

Ao sair da cabine de votação da tumultuada sessão na Câmara, que elegeu, nesta terça, a chapa oposicionista da comissão especial que analisará o pedido de impeachment de Dilma Rousseff, Clarissa Garotinho (PR) –rival de Eduardo Cunha (PMDB) no Rio– disse ao peemedebista Leonardo Picciani.
–Só assim para eu votar em você.
Picciani deu risada. Ela completou:
–No dilema da “escolha de Sofia”: entre Eduardo e Leonardo, fiquei com Leonardo.