TCU mostra uso de fundo de telecomunicações para fins estranhos

Por Painel

Telefone sem fio Um relatório do TCU sobre fundos federais para promover a área de telecomunicações (Fistel e Fust) mostra que o governo está desviando recursos para finalidades completamente estranhas ao setor, como pagar auxílio-alimentação de servidores públicos e até mesmo consertar aeronaves das Forças Armadas. No caso do Fistel, a lei proíbe o uso dos recursos para outros fins —desde 2010, R$ 11,47 bilhões do fundo foram gastos com objetivos distintos ao permitido pela legislação.

Conselho O TCU recomenda à Casa Civil e ao Ministério das Comunicações que repensem o funcionamento desses fundos, “dado o baixo valor dos recursos […] destinados aos fins para os quais foram constituídos”.

Rapidez O levantamento em relação ao Fistel e ao Fust foi realizado entre abril e maio deste ano. Técnicos do tribunal afirmam que o relator, ministro Bruno Dantas, se prepara para apresentar seu parecer já neste mês.

Órfã Danielle Fonteles, dona da Pepper, agência que trabalha para o PT desde meados de 2010 e que está no foco da Operação Acrônimo, da Polícia Federal, tem reclamado de abandono por parte do partido.

Aos leões Segundo interlocutores petistas, a empresária estaria convencida de que a Pepper teve a quebra de seu sigilo aprovada pela CPI do BNDES em troca de preservar, no âmbito da comissão, o sigilo de alvos politicamente mais protegidos.

Fantasma O troca-troca de cargos e a prática de desvios de função de funcionários da Câmara fizeram o deputado Fernando Giacobo (PR-PR) ceder 25 dos 33 cargos da segunda vice-presidência para colegas de dez partidos diferentes. “Não tenho nem onde pôr essa turma toda. Os gabinetes precisam mais do que a Mesa”, disse o congressista.

Assim mesmo Para ele, a decisão de emprestar a vaga é uma “coisa normal, de amizade, de ajudar um companheiro que precisa”. “O cara indica o nome, e você contrata. É absolutamente legal.”

Ecumênico Cunha cede 17 dos 56 cargos que a presidência da Câmara têm à disposição para líderes de sete legendas —DEM, PR, Pros, PSB, PSDB, PT e PTB— e para outros colegas da Mesa. É mais uma forma de exercer influência e poder na Casa.

Trocando as bolas O juiz Sergio Moro se confundiu no depoimento de Marcelo Odebrecht, nesta sexta. Chamou o empreiteiro preso de Norberto, nome de seu avô, que fundou a empresa.

Canibalismo A reforma ministerial provocará baixas no Planejamento. Esther Dweck, secretária de Orçamento Federal, foi convidada para atuar na Casa Civil. Claudio Puty, secretário de Assuntos Internacionais, será o número dois do ministro Miguel Rossetto (Trabalho e Previdência).

Visita… Registros da pista de pouso do hotel Kiaroa, obtidos pela Polícia Federal na Operação Acrônimo, mostram que o ex-ministro José Dirceu viajou, já condenado pelo mensalão, ao sítio do marqueteiro Duda Mendonça na Bahia, onde ficou entre os dias 9 e 11 de março de 2013.

… rápida Apesar de já ter sido condenado à época, Dirceu não precisava pedir autorização para viajar por ainda não ter sido preso. O ex-ministro foi à Bahia com um jatinho fretado —documentos da empresa dele anexados à Lava Jato mostram que ele gastou R$ 110 mil com aviões executivos só naquele mês.

São Nunca O secretário Eduardo Suplicy continua a saga por uma audiência com Dilma. No Congresso da CUT, a presidente disse a ele: “Sei que estou em falta com você. Deixa as coisas acalmarem que vou marcar nossa reunião”. Na semana passada, Suplicy enviou mais uma carta cobrando.

Ministro aliado “Em meu diálogo com o Ministro Joaquim Levy, quando o visitei no Palácio do Planalto em dezembro de 2014, ele me perguntou se seria possível estudar a substituição de formas de transferências pela Renda Básica de Cidadania, o que respondi afirmativamente”, diz o incansável Eduardo Suplicy na missiva.


TIROTEIO

É inacreditável, mas o Eduardo Cunha continua concluindo seu programa de rádio dizendo que “o povo merece respeito”.

DO DEPUTADO SILVIO COSTA (PSC-PE), ironizando o bordão utilizado pelo presidente da Câmara em seus programas na rádio Melodia, veiculados no Rio.


CONTRAPONTO

apode0211painell

Vou de táxi

O deputado Paulo Teixeira (PT-SP) esperava por um táxi na entrada principal da Câmara quando o deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP), que passava de carro pelo local, perguntar se o congressista gostaria de uma carona.

—Vai pra onde?—, indagou o tucano.

—Vou para o Ministério da Fazenda.

Depois de entrar no carro, Teixeira notou que o colega seguia, na verdade, para a Educação.

—Isso que dá ficar 13 anos na oposição—, brincou o petista gaiato.