Para investigadores, Lava Jato, Zelotes e Acrônimo estão interligadas

Por Painel

Linha cruzada Investigadores que transitam pelas três principais apurações sobre corrupção em curso hoje no país –Lava Jato, Zelotes e Acrônimo– sustentam que, em algum momento, os casos se encontrarão. A participação de lobistas, doleiros e empresas não se restringe a um só esquema. “Alberto Youssef não é doleiro da Lava Jato. É doleiro de dinheiro sujo”, diz um agente com trânsito privilegiado, que aposta que o nome do delator ainda vai aparecer em outras investigações em curso.

Vem pra cá No fim de setembro, o Ministério Público Federal no DF, que apura suspeita de tráfico de influência de Lula, reforçou a necessidade de estabelecer contato com a força-tarefa da Lava Jato no Paraná para compartilhamento de informações.

Item de fábrica Habituado aos discursos de improviso em congressos e eventos do PT, Lula incluía um teleprompter como exigência contratual das palestras que vinha fazendo fora do Brasil.

Vai ficando A cúpula da CPI do BNDES recebeu sinais de que Eduardo Cunha (PMDB-RJ) vai prorrogar por 120 dias o funcionamento da comissão.

Vale este 1 Representante do Solidariedade, partido de Paulinho da Força no Conselho de Ética, Wladimir Costa (PA) avisou à direção da sigla que vai renunciar ao assento no colegiado, que deve começar a julgar em breve a representação contra Cunha.

Vale este 2 Fernando Francischini (PR), alinhado a Cunha, é um dos possíveis substitutos. Augusto Coutinho (PE) e Genecias Noronha (CE) também são cotados.

Fidagal Foi de Chico Alencar (PSOL-RJ) a representação que levou Paulinho da Força, então no PDT, ao Conselho de Ética em 2008. O aliado de Cunha estava com o caso entalado na garganta.

apode3110painell

Abençoa De Marco Feliciano (PSC-SP), ao saber que Lula almoçava na casa da vizinha Jandira Feghali (PC do B-RJ): “Senhor, coloque anjos ao redor deste prédio”.

Incêndio A exoneração do general Antônio Hamilton Martins Mourão do Comando Militar do Sul fez aumentar a insatisfação do Exército com o governo da presidente Dilma Rousseff, “jogando gasolina na fogueira”, segundo um interlocutor da caserna.

Afronta Os militares, que já demonstravam insatisfação com Jaques Wagner no comando da Defesa, dizem internamente que, ao entregar a pasta para o PC do B, a intenção do governo foi a de “desmoralizá-los de vez”.

Do lado de lá Repercutiu mal no Palácio dos Bandeirantes o fato de o líder do PSDB no Legislativo paulista, Carlão Pignatari, ter ajudado a coletar assinaturas para que a PEC do Orçamento Impositivo começasse a ser discutida na Assembleia.

Engessado Caso a proposta seja aprovada, o governo Geraldo Alckmin passa a ser obrigado a destinar 0,3% da receita líquida do Estado para as emendas parlamentares –ou R$ 4 milhões a cada um dos 94 deputados.

Come back O marqueteiro Duda Mendonça foi sondado por interlocutores de Celso Russomanno (PRB-SP) sobre a possibilidade de assumir sua campanha à Prefeitura de São Paulo em 2016.

Muda mais 1 Duda disse à coluna, no entanto, que tem pensando em tirar um ano sabático. E defendeu que está no momento de “virar o jogo” para tornar as eleições mais transparente e as campanhas menos caras. “O marqueteiro passa a ser um colaborador e não o dono da bola.”

Muda mais 2 Ele, que fez a campanha de Lula em 2002, defende a substituição dos programas eleitorais por debates temáticos semanais. “A função do marqueteiro diminui muito e o custo da campanha do candidato cai para um terno, que ele poderia até pegar emprestado.”


TIROTEIO

Ninguém é contra o discurso social. Mas será que Alckmin acha social o imposto que quebra o bar e tira milhares de empregos?

DE PAULO SOLMUCCI, presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes, sobre o aumento do ICMS para cerveja proposto pelo governo paulista.


CONTRAPONTO

Procura-se tradutor 

Um dia depois de o governo Alckmin anunciar propostas para reformulação do ensino paulista para 2016, que inclui o fechamento de 94 escolas em todo o Estado, o secretário de Educação, Herman Voorwald, enfrentou estudantes e professores em audiência pública, na terça-feira (27), na Assembleia Legislativa de São Paulo.
No debate sobre a proposta do governo para o Plano Estadual de Educação, Voorwald elencava as vantagens para alunos e professores, quando foi interrompido pelo deputado João Paulo Rillo (PT):
–Esta parte do plano que prevê melhorias deve estar escrita em alemão porque ninguém mais viu, secretário.