Marco Aurélio Mello, do STF, defende renúncia de Dilma, Temer e Cunha

Por Painel

Renúncia coletiva O ministro Marco Aurélio Mello, do STF, defende uma forma “não traumática” para o país superar a crise: a “renúncia coletiva” da presidente Dilma Rousseff, do seu vice Michel Temer e do presidente da Câmara, Eduardo Cunha. “Falo isso como cidadão e em uma perspectiva utópica, já que seria algo impensável para os atuais detentores dos poderes”, diz ele. Para o ministro, “o mal maior, a crise econômica,” está sendo deixado “em segundo plano” por “interesses políticos”.

D16o peito Quem conhece o empresário José Carlos Bumlai, apontado pelo lobista Fernando Baiano como beneficiário de uma comissão de R$ 2 milhões em nome de uma nora de Lula, enaltece a fidelidade do empresário ao ex-presidente.

Espelho meu Líderes da oposição falavam em tentar levar Baiano à CPI da Petrobras para fustigar o petista, mas hesitavam em um ponto: dar credibilidade ao delator significa validar também as denúncias feitas por ele contra o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

Dobra a meta O governo jogou a toalha. Sem conseguir tirar as contas deste ano do vermelho, prepara a terceira revisão de sua meta fiscal de 2015, desta vez com um “inevitável” déficit.

Buraco Em reunião da equipe econômica nesta quinta, integrantes da Fazenda deram uma ideia inicial do rombo: R$ 20 bilhões. O número definitivo será decidido por Dilma em breve.

Queda livre O governo começou 2015 com uma meta de superavit primário de 1,1% do PIB. Teve de derrubá-la depois para 0,15% e pode terminar o ano com um saldo negativo perto de 0,3% do PIB.

Perigo O novo percentual ainda precisará ser aprovado no Congresso. Do contrário, o governo descumprirá a Lei de Responsabilidade Fiscal.

Ringue O debate sobre o déficit tem tudo para opor novamente os ministros Joaquim Levy (Fazenda) e Nelson Barbosa (Planejamento).

Na moita Escalado para falar sobre o rebaixamento da nota de crédito do Brasil pela agência Fitch, Levy fez que não era com ele. Coube ao Palácio do Planalto elaborar uma nota à imprensa. O gesto irritou o governo. Não é a primeira vez que o titular da Fazenda toma “chá de sumiço”.

Pauta bomba 1 O projeto que tipifica o crime de terrorismo se transformou em dor de cabeça para o Planalto. O governo foi avisado de que, se não aprovar logo a lei, pode ter problemas em sua “avaliação institucional” em agências de risco –um dos itens para a definição da nota de crédito do país.

Pauta bomba 2 Para que seja aprovado rapidamente, o projeto precisa passar pelo Senado da mesma maneira como foi votado na Câmara. Petistas avaliam que o texto original dá margem à criminalização de manifestantes e estão divididos sobre o apoio à proposta.

Do lado de lá O projeto também provocou mais um atrito na já difícil relação de Dilma com os movimentos sociais, que veem na proposta o cerceamento do direito a manifestações. Caso aprovado, prometem atos em frente ao Planalto pedindo o veto da presidente Dilma.

Publique-se Apesar da promessa de Geraldo Alckmin de rever os atos sigilosos, o PT apresentou requerimento na Assembleia paulista pedindo que o governo torne pública a lista de regiões no Estado que vêm “sofrendo interrupção no fornecimento de água”.O governo tem 30 dias para responder.

APODE1610PAINEL

Intercâmbio No encontro com Dilma, Daniel Scioli, candidato apoiado por Cristina Kirchner, disse querer aprender a falar português para estreitar as relações com o Brasil. Logo que foi informada, a Embaixada do Brasil na Argentina correu atrás de uma professora para indicar.


TIROTEIO

O ministro Joaquim Levy deveria se chamar David Copperfield, o mágico ilusionista das contas do governo federal.

DO DEPUTADO RICARDO TRIPOLI (PSDB-SP), sobre o chefe da Fazenda ter defendido em audiência na Câmara dos Deputados a volta da CPMF.


CONTRAPONTO

Uma coisa é uma coisa 

Durante o depoimento dos presidentes do Corinthians, Roberto de Andrade, e do Vasco, Eurico Miranda, na CPI do Futebol, nesta quarta-feira, Hélio José (PSD-DF) defendia o alto salário que o Fluminense pagava a Ronaldinho Gaúcho, dizendo que gênios do esporte, como foi Romário (PSB-RJ), devem ganhar bons salários. O senador foi interrompido pelo presidente do Vasco:
–Por favor, não compare Romário com Ronaldinho Gaúcho. Romário é muito melhor.
Depois de alguns segundos de silêncio constrangedor, Romário, presidente da comissão, soltou:
–Isso aí é verdade!