Pedaladas vão gerar novo atrito entre Renan e Cunha no Congresso

Por Painel

Faíscas A votação das contas do governo Dilma Rousseff na quarta-feira, no TCU, vai jogar gasolina na já conturbada relação entre os presidentes do Senado, Renan Calheiros, e da Câmara, Eduardo Cunha. O segundo quer submeter ao Congresso o mais rápido possível o parecer que virá do TCU, por ver aí uma janela a reforçar a tese do impeachment contra a presidente. Mas Renan, a quem cabe a decisão, já disse não ter a menor pressa para levar o tema a voto.

Onde pega 1 A pressa de Cunha se explica: se a Câmara votar pedido de afastamento de Dilma com base nas pedaladas fiscais sem que o Congresso também tenha apreciado as contas do governo, haverá brecha para contestação da votação no STF.

Onde pega 2 Isso porque o TCU é um órgão consultivo. E pela lei, a palavra final sobre contas cabe ao Congresso.

Vejo você… Há quem diga que o Ministério da Saúde não teria sido a única isca jogada pelo governo para atrair o líder do PMDB na Câmara, Leonardo Picciani (RJ), outrora principal aliado de Eduardo Cunha, à mesa de negociação.

…amanhã Interlocutores de Dilma teriam sugerido a possibilidade de o governo apoiá-lo caso Cunha seja defenestrado na Lava Jato e levado a deixar a presidência da Câmara dos Deputados.

Não é bem assim Resignados com a entrega do Ministério da Saúde ao baixo clero do PMDB, petistas ainda tentam convencer o governo a não dar a pasta ao partido de “porteira fechada”, ou seja, com todos os cargos comissionados à disposição.

image

Happy hour Nem a crise fez arrefecer o apetite da presidente por seriados. Dilma recentemente se encantou com “Grace and Frankie”. Na série, Jane Fonda (Grace) e Lily Tomlin (Frankie) enfrentam uma inusitada crise de terceira idade. Trocadas pelos maridos, que se assumem gays e decidem se casar, elas tentam se reinventar.

Nessa casa… Os sindicatos da indústria de construção civil planejam aprovar uma paralisação geral nacional na sexta (9). Há queixas de atraso nos pagamentos do Minha Casa Minha Vida no valor de R$ 1,5 bilhão.

… tem goteira O setor havia fechado acordo para reduzir o ritmo das obras em troca da pontualidade nos pagamentos, mas diz que o trato foi desrespeitado. Os empresários são os mesmos que vaiaram o ministro Gilberto Kassab (Cidades) em evento em setembro.

Com quem andas A turma de Joaquim Levy (Fazenda) ficou incomodada com o líder do PSD na Câmara, Rogério Rosso (DF), que na sexta apresentou requerimento para que o ministro vá ao plenário explicar a elevação da taxa de juros e o aumento do desemprego. A Fazenda viu fogo amigo na operação.

Contrariado Guilherme Afif Domingos (PSD), que perdeu o posto de ministro da Micro e Pequena Empresa, não ficou em Brasília para o anúncio da nova Esplanada, na sexta. Gilberto Kassab, presidente licenciado do PSD e ministro das Cidades, também não foi. Mas ligou para a presidente e a informou de uma consulta médica.

O infiltrado Apesar de ter deixado de auxiliar na articulação política, Eliseu Padilha (Aviação Civil) conservará parte da ascendência sobre os parlamentares. É dele o cronograma para liberar restos a pagar das emendas de 2014. E ele diz ter combinado com o governo que vai concluir o que começou.

Dois para trás Ministros remanescentes de Dilma dizem que, mais uma vez, a petista pagou dobrado por um erro: se desgastou ao ter ignorado conselhos para montar um ministério que lhe desse sustentação e por ter recuado e seguido as mesmas orientações dez meses depois.


TIROTEIO

O novo ministério de Dilma é como o padrão Fifa da Copa do Mundo: no começo é só alegria, depois é que chega a conta.

DE BRUNO ARAÚJO (PSDB-PE), líder da minoria na Câmara, sobre a presidente ter dado mais espaço ao PMDB no governo na tentativa de remontar sua base.


CONTRAPONTO

Que fase!

Ao deixar a Câmara dos Deputados por volta das 21h de quinta-feira, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) foi seguido por um religioso, que o cobrava por não ter sido recebido em seu gabinete. Antes de entrar no elevador para deixar o prédio, o peemedebista, com calma, disse ao homem que nada havia sido agendado e sugeriu que ele procurasse sua secretária para marcar uma audiência.
Alterado, o homem gritou repetidas vezes:
–Você está brincando com Deus!
Enquanto escutava os gritos, Cunha esperava dentro do elevador. Mas a porta não se fechou. O elevador acabara de quebrar e ele precisou descer de escada.