Em contraposição a Cunha, Renan quer evitar conflito com Supremo

Por Painel

Velho marinheiro A decisão de Renan Calheiros (PMDB-AL) de não incluir na pauta desta quarta-feira a apreciação do veto ao financiamento empresarial foi vista como estratégia para se contrapor a Eduardo Cunha (PMDB-RJ). O presidente do Senado vislumbrou o risco de uma “crise entre Poderes” caso colocasse em votação o tema declarado inconstitucional pelo Supremo. Para ele, o presidente da Câmara daria um tiro no pé, quando boa parte do Congresso está nas mãos da corte por causa da Lava Jato.

Leva o barco De um aliado de Renan sobre a conversa marcada com o presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Ricardo Lewandowski, para tratar do financiamento privado de campanhas eleitorais: “Foi fazer política, coisa que Cunha não sabe fazer”.

Cada um… A articulação de Cunha, que condicionou a votação dos vetos à pauta bomba à análise do veto sobre o financiamento eleitoral, revoltou os senadores.

… no seu quadrado Na reunião de líderes do Senado com Renan, o presidente da Câmara foi chamado de “sequestrador” e “chantagista”.

Cara crachá O clima belicoso entre Renan e Cunha se estendeu. Seguranças da Câmara impediram a entrada de servidores do Senado e barraram Luiz Fernando Bandeira, secretário-geral da Mesa.

Nem vem No encontro com Temer para tratar do financiamento de campanhas, líderes da oposição tentaram pôr na conversa a relação com Dilma. O vice cortou: “Me deixem parar por aqui”, disse, segundo relatos.

E agora? A investigação contra Cunha na Suíça deixou, pela primeira vez, peemedebistas aliados e líderes do PSDB preocupados com a sustentação do presidente da Câmara. “Se aparecer um extrato, aí não tem o que fazer”, diz um tucano.

7575C417-4561-4B48-B57E-B896B7F0828E

Devolve O deputado Carlos Marun (PMDB-MS), que ficou com prejuízo de R$ 800 por ter organizado o aniversário de Cunha, passou a quarta-feira atrás dos devedores.

Solucionado está Governadores do PSB garantiram a Dilma a posição contrária do partido ao impeachment, mas disseram ser “fundamental dar fim a esta pauta” –nem que o processo tenha que ser levado à votação no Congresso.

Ser ou… Em meio à oferta para que o PSB fique com o Ministério da Ciência e Tecnologia, a direção nacional se mantém irredutível. Entende que a sigla deve assumir que está na oposição.

… não ser Para evitar o anúncio precoce, integrantes do partido dizem que é preciso esperar a decisão do TCU sobre as contas de Dilma para ter “argumentos concretos”.

Mesma praça O comando do PC do B ficou insatisfeito por perder a Ciência e Tecnologia. Além de não ter sido informado com antecedência da mudança, já tinha comunicado ao governo que não queria trocar de posto.

Mesmo banco Os comunistas dizem que a pasta atual tem mais capilaridade e contato com governadores do que o Ministério da Defesa, para onde migrarão.

Esquerda, volver Caciques petistas acreditam que as críticas que se dirigiam a Aloizio Mercadante agora devem se voltar a José Eduardo Cardozo, que permanece no Ministério da Justiça. “O Cardozo é o novo Mercadante.”

Parceria Guido Mantega, ex-ministro da Fazenda, não assinou o manifesto da Fundação Perseu Abramo com críticas a Joaquim Levy. Petistas viram sinal de apoio à política econômica do sucessor.

Visita à Folha Henrique Meirelles, presidente do Conselho da J&F Investimentos, visitou ontem a Folha, a convite do jornal, onde foi recebido em almoço. Estava acompanhado de Sergio Malbergier, consultor de comunicação.


TIROTEIO

Quem diria, o Ministério da Educação da Pátria Educadora será onde o Mercadante passará sua temporada de lay-off.

DE JOSÉ CARLOS ALELUIA (DEM-BA), sobre Dilma ter cedido à pressão do PMDB e de parte do PT para tirar Aloizio Mercadante do comando da Casa Civil.


CONTRAPONTO 

Vingança é prato frio

Na posse do potiguar Marcelo Navarro no Superior Tribunal de Justiça, nesta quarta, o presidente Francisco Falcão usou de fina ironia ao saudar o novo ministro.
Seu candidato era o desembargador alagoano Paulo Roberto de Oliveira Lima, que desistiu ao saber que seria vetado pelo ministro do STJ Humberto Martins, conterrâneo ligado ao senador Renan Calheiros (PMDB-AL).
Ao mencionar o TRF-5, onde Navarro exerceu todos os cargos, Falcão aproveitou para alfinetar Martins:
–O tribunal teve e tem em seus quadros dentre tantos juristas consagrados nacionalmente um Paulo Roberto de Oliveira Lima, alagoano de boa cepa!