Articulação tenta garantir habeas corpus no STJ para empreiteiros

Por Painel

Operação HC Está avançada uma articulação de políticos de vários partidos, membros do governo, ministros do Superior Tribunal de Justiça e advogados da Operação Lava Jato para que o STJ conceda nas próximas semanas habeas corpus para os empreiteiros Marcelo Odebrecht e Otávio Azevedo, presidentes da Odebrecht e da Andrade Gutierrez, presos desde junho em Curitiba. A expectativa dos que costuram a saída é que o STJ também critique a manutenção de prisões provisórias por tanto tempo.

Todo mundo A coluna ouviu detalhes da operação —que inclui políticos de PMDB e PT e ministros do governo Dilma Rousseff e do STJ— de três fontes: um integrante do Palácio do Planalto, um senador e um ministro da Esplanada.

Deu errado Advogados haviam recebido garantia de que os habeas corpus seriam concedidos no recesso judiciário pelo STJ, mas a estratégia ruiu depois que o juiz Sergio Moro decretou novas prisões preventivas de Odebrecht e Azevedo em julho.

Garrote A mobilização para tirar o mais rápido possível os executivos da prisão se deve às ameaças, cada vez mais frequentes, de que podem dar detalhes sobre depósitos feitos no exterior para campanhas recentes.

É com ele O relator da Lava Jato no STF, Teori Zavascki, despachou na semana passada para o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, o pedido da Polícia Federal para ouvir o ex-presidente Lula num dos inquéritos derivados da investigação na Petrobras.

Batata quente Janot terá de decidir se as justificativas do delegado são cabíveis, uma vez que Lula seria ouvido como testemunha, e não como investigado.

LavaJatube O Ministério Público Federal se vale do fato de que os depoimentos de Julio Camargo foram todos gravados em vídeo para rebater a acusação da defesa de Eduardo Cunha de que o lobista foi coagido a acusar o presidente da Câmara de ter solicitado propina.

Proibidão Os depoimentos em vídeo de todos os delatores estão no STF, sob sigilo. Mas se tornarão disponíveis caso o tribunal decida receber as denúncias contra políticos apresentadas ao longo das investigações pela Procuradoria-Geral da República.

Meu umbigo 1 O recuo de Lula das críticas ao ajuste fiscal foi tratado entre petistas e peemedebistas como mostra do “instinto de sobrevivência” do ex-presidente.

Meu umbigo 2 Avaliam que ele percebeu que, convocando a ala do PT à esquerda a agir contra o programa, terminaria por emparedar Dilma e comprometeria o próprio projeto político e qualquer chance de resgatar o PT.

APODE2009PAINEL

Ainda lembro Demitido no fim de 2014 por Dilma, o ex-ministro Moreira Franco é considerado o “general” do impeachment no PMDB. Também coordena o congresso que deve definir o rompimento com o governo.

Outubro… Diante da possibilidade de o processo de impeachment avançar na Câmara, lideranças do MST, da CUT e do MTST decidiram organizar manifestações “contra o golpe” em várias cidades do país em 2 de outubro.

… vermelho Outros movimentos mais críticos ao governo formaram a frente “Povo Sem Medo”. Farão ato no dia 8 em defesa de uma “saída à esquerda” para a crise.

Fazendo amigos Representantes de entidades que participam do fórum da reforma da Previdência saíram furiosos da reunião da última quinta-feira. Nenhum ministro apareceu, e o encontro acabou um hora e meia antes.

Deixa estar Embora faça oposição a Dilma, o PSB decidiu se manter, por ora, longe do movimento pró-impeachment. Na terça-feira a bancada volta a discutir o assunto.


TIROTEIO

O governo começou a semana propondo ajuste via CPMF e terminou achando que o jogo do bicho é a solução para o Brasil.

DE GEDDEL VIEIRA LIMA (BA), da ala oposicionista do PMDB, sobre a discussão de legalizar os jogos de azar como forma de aumentar a arrecadação federal.


CONTRAPONTO

Há males que vêm para bem

Ao discursar em jantar no início do mês em defesa da candidatura de Andrea Matarazzo à Prefeitura de São Paulo pelo PSDB, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso disse que a maior virtude do vereador é “gostar e conhecer a minúcia de cada região de São Paulo”.
–Isso é essencial em uma candidatura a prefeito. Uma vez, quando disputei a prefeitura, me perguntaram onde ficava Sapopemba. Eu não sabia. O Janio usou isso a campanha inteira e me derrotou.
Em seguida, FHC completou:
–Pensando bem, isso foi sorte. Se tivesse vencido aquela eleição, jamais teria sido presidente!

Erramos: Articulação tenta garantir habeas corpus no STJ para empreiteiros