Dilma é aconselhada a procurar FHC e Serra para aprovar medidas anticrise

Por Painel

Construindo pontes Conselheiros de Dilma Rousseff recomendaram que a presidente procure imediatamente o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e o senador José Serra (SP), considerados as vozes mais moderadas no PSDB, e os convide para uma conversa. A sugestão é que Dilma tente apoio para medidas que mitiguem a crise econômica, tema ao qual ambos seriam sensíveis. Mas nem os petistas têm expectativa de contar com os tucanos para barrar um eventual processo de impeachment.

Aprovado Embora tenha chamado de impopular o pacote de ajuste fiscal, a nota divulgada nesta quinta pelo PT teve o aval de Dilma e de Lula.

Pelo telefone Logo depois da reunião da Executiva, Rui Falcão interrompeu a coletiva para atender uma ligação. A presidente e o antecessor, que estavam juntos, ouviram e aprovaram o texto.

Orelha vermelha Antes de Falcão dizer publicamente que Aloizio Mercadante deve se ater às tarefas técnicas da Casa Civil, sem se meter na articulação política, o ministro foi alvo de ironias durante a parte fechada da reunião.

Segundo time O ataque especulativo do PT contra Joaquim Levy inclui martelar que o titular da Fazenda não seria uma estrela nem entre os economistas ortodoxos. “Levy é mais um tesoureiro”, ouviu a coluna de dois ministros e um senador petista.

Ouvido aberto A fórmula discutida por Dilma com assessores mais próximos para a reforma administrativa prevê que as bancadas da Câmara –e não mais as direções dos partidos– escolham os ministros políticos.

APODE1809PAINEL

Tocha Assessores de Dilma definiram a Olimpíada de 2016 como o tema que a petista deveria abraçar, inclusive em viagens internacionais, para recompor a popularidade e a imagem do Brasil.

W.O. O problema detectado é que o prefeito do Rio, Eduardo Paes, não estaria fazendo força para ter a presidente em eventos e inaugurações ligadas aos Jogos.

Timing 1 Líderes do movimento anti-Dilma esperam para a primeira semana de outubro –às vésperas do julgamento das contas da presidente no TCU– a decisão de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) sobre o pedido de impeachment entregue nesta quinta.

Timing 2 No cronograma imaginado pelo grupo, Cunha responde na próxima semana a questão de ordem da oposição sobre o rito que vai seguir e, duas semanas depois, anuncia a decisão sobre a abertura do processo.

Sanado A oposição diz que um dos principais objetivos das informações adicionadas ao parecer é rechaçar a tese, ainda defendida por Cunha, de que fatos de mandatos anteriores não podem ser usados para pedir o afastamento no mandato seguinte.

Que hora 1 O Planalto tem um motivo a mais para se preocupar com a análise dos vetos a itens da pauta-bomba, na próxima terça-feira: a sessão será às 19h.

Que hora 2 O horário torna a sessão muito mais difícil de ser derrubada por falta de quorum, caso não haja certeza sobre a manutenção dos vetos –como o Planalto articulou das últimas vezes, com a sessão às 11h, quando o Congresso está mais vazio.

Nem aí Dilma não esboçou reação, na reunião com líderes na Câmara, quando foi informada por deputados que, hoje, a aprovação da CPMF não tem mais que 200 dos 308 votos necessários.

Humilde A presidente prometeu aos deputados consultá-los caso decida vetar algum item da reforma eleitoral aprovada na Câmara.

Visita à Folha Romero Jucá, senador pelo PMDB de Roraima, visitou ontem a Folha, a convite do jornal, onde foi recebido em almoço. Estava com Camila Matias, assessora de imprensa.


TIROTEIO

A cadeira do Supremo Tribunal Federal, a corte maior do país, não comporta apaixonados. Ela é para magistrados.

DE JAQUES WAGNER, ministro da Defesa, sobre o voto de Gilmar Mendes, do STF, na ação sobre doações eleitorais de empresas, cheio de críticas ao PT.


CONTRAPONTO

Casa que falta pão 

A caminho de Presidente Prudente, no interior de São Paulo, onde a Dilma Rousseff participaria de um evento na última quarta-feira, deputados discutiam, na presença da petista, a situação da base no Congresso e a distribuição de cargos para os aliados.
Insatisfeito com a situação do PC do B, que tem uma bancada de 13 deputados e controla o Ministério de Ciência e Tecnologia, o vice-líder do governo e ex-ministro do Esporte Orlando Silva (SP) cantarolou um samba de Elton Medeiros, arrancando risos de colegas da Câmara.
–Uns com tanto, outros tantos com algum, mas a maioria sem nenhum!