Governo busca ‘base mínima’ de 200 deputados para frear impeachment

Por Painel

Time todo na zaga O núcleo palaciano do governo e o PT estão convencidos de que Eduardo Cunha (PMDB-RJ) vai instalar um processo de impeachment contra Dilma Rousseff. Mais: a conclusão do entorno da presidente é que a Lava Jato ainda vai gerar muita instabilidade no Congresso, o que impede que se recomponha a base ampla de antes da crise. Por isso, o plano é construir, a partir desta semana, uma “retaguarda mínima” de 200 deputados fiéis, que impeçam o avanço da tentativa de apear a presidente.

Xadrez Um ministro cita, entre as dificuldades de recompor a governabilidade, que a toda hora aparece um fato nas investigações que atinge uma liderança estratégica, o que faz o governo voltar várias casas.

Timing O Planalto não enxerga saída da crise no curto prazo. A avaliação é que, enquanto a Lava Jato não entrar na fase de julgamentos, será difícil estabelecer o mínimo de estabilidade política.

apode1008painell

Miss Simpatia Se a ordem é restabelecer a popularidade, Dilma deve começar “em casa”: os ministros convocados para a reunião noturna em pleno Dia dos Pais se queixavam da presidente enquanto deixavam as famílias para embarcar para Brasília.

Conta outra Eduardo Cunha ironiza a versão segundo a qual Renan Calheiros (PMDB-AL) agora será o salvador do governo no Legislativo: “Não fui eu quem devolveu a medida provisória das desonerações, o maior revés para o ajuste até agora”.

Favorito O presidente da Câmara acredita que a tentativa de contrapô-lo ao colega de partido seja política: “Me escolheram para ser o vilão”.

Colenda… Cunha deve contestar na terça-feira o mandado de segurança da senadora Rose de Freitas (PMDB-ES) no STF contra a votação de contas de governos no plenário da Casa.

… corte Ele diz que as votações seguiram resoluções do Congresso e acredita que o STF não vá interferir em assuntos internos da Câmara.

Campo… Dilma preferiu começar pelo Maranhão, com inaugurações do Minha Casa, Minha Vida sua tentativa de recuperar o apoio perdido na região Nordeste.

… minado Com isso, a petista não irá à homenagem que o PSB promove nesta segunda-feira a Eduardo Campos no Recife, que reunirá Aécio Neves (PSDB) e Marina Silva (PSB), seus ex-adversários na campanha. Lula também não confirmou presença.

Suspense Auxiliares de Rodrigo Janot são evasivos sobre a probabilidade de o procurador-geral da República apresentar já nesta semana a primeira leva de denúncias contra parlamentares investigados na Lava Jato.

Calendário Procuradores dizem que é “possível” que Janot apresente ao STF algumas peças ainda antes dos protestos do dia 16, mas o mais provável é que as denúncias sejam na semana que vem. Argumentam que a semana é “curta” com o feriado da Justiça na terça.

Pé na porta Auditores fiscais da Receita Federal prometem uma “grande invasão” no Congresso nesta terça para pressionar os deputados a incluírem a categoria na PEC 443, que equipara os salários de algumas carreiras do Executivo aos vencimentos do Judiciário.

Logo ele 1 O movimento de Delcídio Amaral (PT-MS) a favor da proposta de José Serra (PSDB-SP) para mudança do marco regulatório do pré-sal e mexe no sistema de partilha para a exploração dos blocos tem irritado senadores do PMDB no Senado.

Logo ele 2 Os peemedebistas dizem que, enquanto são cobrados a garantir governabilidade em contraposição à Câmara, o líder do governo articula proposta contrária ao Planalto, de um dos principais nomes da oposição.


TIROTEIO

A honestidade pessoal de Dilma é irrelevante. Como beneficiária, por incompetência ou omissão ela está no centro da crise ética.

DO DEPUTADO MARCUS PESTANA (PSDB-MG), sobre FHC ter dito em entrevista que a presidente é “honrada” e não está envolvida nos desvios na Petrobras.


CONTRAPONTO

Tabuada do Janot

Na semana passada, Chico Alencar (PSOL-RJ) comunicou em plenário que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, havia sido o primeiro colocado na eleição interna do Ministério Público, com 80,28% dos votos.
Rodrigo Maia (DEM-RJ) contestou a informação:
–Não sei que matemática é essa, pois os outros da lista tiveram ainda mais votos, somados.
–É a que aprendemos nos bons colégios do Rio, pois cada procurador vota em três nomes –retrucou Alencar.
Como vários deputados são investigados na Lava Jato, o deputado do PSOL alfinetou:
–Mas não é a matemática que agrada a vários aqui…