Atônito com prisão de Dirceu, governo vê crise sobre a qual não tem controle

Por Painel

Mero espectador A velocidade das últimas fases da Operação Lava Jato e o ápice atingido com a nova prisão de José Dirceu causaram perplexidade no Palácio do Planalto. A equipe da articulação política de Dilma Rousseff relata dificuldade em lidar com uma crise política considerada “sem precedentes”. A constatação é que o principal agente –a Justiça Federal no Paraná– é “externo” e alheio aos recursos de que o governo normalmente dispõe para tentar conter danos à sua imagem.

Sem… O processo de cassação do registro de advogado de José Dirceu, que corre em sigilo, está pronto para ser julgado pelo Conselho da OAB em São Paulo.

… carteirinha Para que o ex-ministro perca a inscrição, dois terços dos 80 integrantes do conselho precisam aprovar a exclusão. O pedido foi apresentado à OAB nacional em novembro de 2013.

É bomba O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), vai designar Rodrigo Maia (DEM-RJ) para relatar o projeto de lei do FGTS, uma das pautas-bombas que preocupam o Planalto.

Em todas Além de presidir a CPI dos crimes cibernéticos, o PSDB ocupará a primeira vice-presidência das comissões que investigarão o BNDES e os fundos de pensão. Os tucanos têm o mesmo posto na CPI da Petrobras.

Voluntários O governo encontra dificuldade em reunir sua tropa de choque para as novas comissões. Precisou deixar claro aos líderes partidários que precisava de deputados afáveis para os postos.

apode0508painel

Enfim, sós Enquanto recusam encontros presenciais, Lula e FHC aparecerão nos prefácios para o livro de 50 anos do Sindicato dos Metalúrgicos de Osasco, que será lançado ainda este ano.

Psiu! Organizadores de ato “contra o ódio e a intolerância” ao PT, na sexta, pedem que os participantes evitem barulho e deem um “abraço silencioso” no Instituto Lula. Não querem ter problemas com o hospital vizinho.

Que hora 1 Articuladores do Planalto lamentam que o governo tenha escolhido revisar a meta de superavit antes da volta do recesso, o que antecipou o contingenciamento e reduziu o valor liberado para emendas.

Que hora 2 A avaliação é que a indisposição de deputados e senadores terá impacto na conclusão da votação do ajuste fiscal.

Alerta máximo Em reunião do secretariado paulista, Renato Vilela (Fazenda) e Marco Monteiro (Planejamento) relataram que o Estado está próximo ao limite prudencial de gastos da Lei de Responsabilidade Fiscal.

Jejum Gastos com funcionalismo preocupam. A ordem é rever nomeações e cortar cargos de confiança. Diante de frustração expectativa de receita de quase R$ 9 bilhões, Monteiro chamou o Orçamento de “irreal”.

Torneira Geraldo Alckmin disse que o risco de falta d’água voltou e pediu que secretários deem o exemplo economizando e alertando a população. Linamara Battistella (Pessoa com Deficiência) foi elogiada como quem mais reduziu o consumo.

Pito O secretário de Educação, Herman Voorwald recebeu as maiores críticas do governador. Alckmin se queixou de não ter inaugurado nenhum equipamento da pasta neste novo mandato.

Pressão A Executiva Estadual do PMDB encaminhou na segunda-feira ao vice-presidente Michel Temer pedido para que o partido tenha candidato próprio na disputa pela capital paulista, em 2016.

Juiz Temer desembarca em São Paulo no fim da semana para discutir a sucessão. O secretário Gabriel Chalita (Educação), cotado para vice na chapa de Fernando Haddad, tenta assegurar a aliança do partido com o PT.


TIROTEIO

A sintonia da gestão de Fernando Haddad com a nossa cidade é tão grande que ele anda esquecendo do trivial: ouvir os paulistanos.

DE RICARDO TRIPOLI (PSDB-SP), deputado, sobre o prefeito ter dito que tratou com o conselho de trânsito as ciclovias e a nova velocidade nas marginais.


CONTRAPONTO

Dez, nota dez!

Vistos como recordistas nas queixas ao governo federal, prefeitos participaram em peso nesta terça-feira da cerimônia de dois anos do “Mais Médicos”.
Ao lembrar que a iniciativa ganhou corpo com a campanha “Cadê o Médico?”, da Frente Nacional de Prefeitos, Maguito Vilela (PMDB), de Aparecida de Goiânia (GO), disse que precisaria contestar pesquisa feita com os usuários do SUS, que deram nota 9 ao programa.
Assessores do governo se entreolharam, imaginando que viria uma crítica. Mas foram surpreendidos:
–Presidente Dilma, para os prefeitos a nota do ‘Mais Médicos’ não é 9. É dez!