Para PSDB, risco que Cunha impõe a Dilma compensa desgaste de apoiá-lo

Por Painel

Malvado favorito O PSDB faz uma conta pragmática ao não abandonar Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Na avaliação de tucanos, o peemedebista fica no cargo mesmo se for denunciado por Rodrigo Janot, pelo menos até o STF decidir se abre ou não ação penal. “Basta uma canetada dele para abrir o processo de impeachment”, diz um cacique. Para tucanos, o preço que o partido pode pagar por oferecer sustentação ao presidente da Câmara é menor que o desgaste que ele pode causar a Dilma Rousseff.

Álibi Em última instância, se a situação do peemedebista ficar insustentável, “vamos lembrar que o partido apoiou Julio Delgado e foi contra Cunha na eleição para a presidência da Câmara”, diz um deputado tucano.

Ansiolítico Enquanto Cunha rompia com o governo e arregimentava esforços contra delatores e advogados da Lava Jato, Renan Calheiros (PMDB-AL) usou o recesso para voltar algumas casas no confronto com o governo.

Espelho Aliados dizem que o presidente do Senado percebeu que, ao fazer um campeonato de bravatas com Cunha, Renan passava a impressão de que a situação de ambos nas investigações é parecida, o que não condiz com os fatos.

Contas a pagar Também contou para serenar o senador a situação financeira do governo de Alagoas, sob o comando de Renan Filho, que precisa da União para equacionar até a folha de pagamento do funcionalismo.

Abatido Chamou a atenção dos governadores durante a reunião com Dilma na quinta o silêncio do titular da Casa Civil, Aloizio Mercadante.

Na sombra Citado na delação de Ricardo Pessoa, da UTC, por conta de doações na campanha de 2010 ao governo de São Paulo, Mercadante atuou na organização do evento, mas ficou fora da lista de oradores.

Eloquente No extremo oposto, o comentário geral foi a ênfase com que o tucano Marconi Perillo (GO) defendeu a permanência de Dilma no cargo. “Ele foi bem mais enfático que o Flávio Dino, que é governista e o antecedeu”, notou um convidado.

Vem por aí Petistas passaram a sexta-feira em pânico com o teor da delação de Renato Duque, ex-diretor de Serviços da Petrobras.

Vamos conversar O PT quer usar a bomba lançada na sede do Instituto Lula como mote para discutir a intolerância ao partido nos eventos que programou para o mês de agosto. Os organizadores se reúnem na segunda-feira para tratar do assunto.

apode0108painell

Paladar Do cientista político Rubens Figueiredo, sobre a onda de protestos contra políticos em locais públicos: “A pesquisa de intenção de votos deveria ser substituída pelo teste do restaurante. Político que não é achincalhado é favorito”.

São Tomé O governo paulista trata com cautela as promessas de liberação dos empréstimos feita pelo Planalto nas reuniões de quinta-feira. Diz que nenhum cronograma foi colocado no papel.

Cofrinho O Palácio dos Bandeirantes aguarda o aval do Ministério da Fazenda para financiamentos de R$ 8,2 bilhões, uma PPP de hospitais e duas linhas de metrô. Os tucanos acham que os anúncios amenizariam o desgaste pela rescisão do contrato de parte da linha 4.

Visitas à Folha Armando Monteiro Neto, ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, visitou ontem a Folha, a convite do jornal, onde foi recebido em almoço. Estava com Gisela Mendonça, assessora de imprensa, e Mariana Polidoro Machado e Oswaldo Cândido, assessores especiais.

Miguel Torres, presidente da Força Sindical, visitou ontem a Folha. Estava acompanhado de Jorge Luís Pires, assessor de imprensa.


TIROTEIO

Os tucanos reclamam que o Haddad reduz a velocidade na marginal, mas as obras do governo deles andam a passos de tartaruga.

DO DEPUTADO ESTADUAL GERALDO CRUZ (PT), líder do partido na Assembleia, sobre rescisão do contrato da linha 4 do metrô do governo Geraldo Alckmin.


CONTRAPONTO

A sogra do prefeito

Mesmo acostumado a ouvir longas nominatas nos discursos dos eventos de que participa, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) se surpreendeu com a duração dos agradecimentos e saudações feitos pelo prefeito de Boraceia, Marcos Bilancieri (PSD).

Empolgado com a presença do tucano no palco e da família na plateia, o aliado que comanda uma pequena cidade no litoral paulista fez questão de citar todos os membros de sua família, com destaque para a sogra.

Aos risos, Alckmin brincou:

—Isso é que é discurso de prefeito aplicado! Não esqueceu nem da sogra…