Dilma reforça equipe para se defender no TSE e vasculhar contas de Aécio

Por Painel

Terceiro turno Preocupada com a ofensiva do PSDB pela anulação das eleições nacionais do ano passado, Dilma Rousseff instituiu uma tropa de choque de advogados para defender a chapa presidencial formada por ela e pelo vice Michel Temer. O grupo assume o trabalho com a missão de evitar, junto à Justiça Eleitoral, a reversão do resultado das urnas e, ainda, de fazer um pente fino em busca de irregularidades nas contas do rival Aécio Neves (PSDB-MG), ainda não analisadas pelo TSE.

Ponta de lança A banca será liderada por Flávio Caetano, coordenador jurídico da campanha de 2014. Ele deixou o Ministério da Justiça nesta segunda-feira para atuar exclusivamente no caso.

Em revista Dilma ficou irritada ao saber, pela Folha, que o doleiro Alberto Youssef disse ao Tribunal Superior Eleitoral ter sido procurado por emissários de sua campanha. Havia, porém, um advogado da presidente acompanhando o depoimento.

Aviso prévio Ministros tentam agendar reuniões no TCU para apresentar a defesa do governo em relação às pedaladas fiscais. O cenário ainda é desfavorável ao Planalto.

Fala comigo O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), pediu audiência com Geraldo Alckmin. Os dois se reúnem nesta terça na sede do governo paulista.

Foco Investigadores da Lava Jato analisaram boa parte das centenas de requerimentos aprovados pela CPI da Petrobras e chegaram à conclusão de que a comissão parece mais focada em desmantelar o caso do que em aprofundar a apuração.

Fica a dica Policiais qualificaram a condenação dos ex-executivos da Camargo Corrêa de “histórica” e “pedagógica”. A decisão deixou em pânico advogados de empreiteiros que ainda aguardam a sentença de Sergio Moro.

Banco… Caso o Senado rejeite a possível recondução do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, o nome mais forte hoje para o cargo é o de Mario Bonsaglia.

… de reserva A votação ocorrerá em 5 de agosto. A tendência atual é a de que Janot fique em primeiro e Bonsaglia, em segundo. Dilma indicará o primeiro da lista tríplice, não importa quem seja.

Derramado Com a abertura de investigação contra Lula, aliados que participaram da Constituinte de 1988 lamentaram ter deixado de incluir ex-presidentes da República no rol de autoridades com foro privilegiado.

Meta fica Integrantes da equipe econômica apostavam, nesta segunda, na manutenção da meta de superavit em 1,1% do PIB. Dilma, entretanto, ainda não bateu o martelo. O número será definido nesta terça. São grandes as chances de o Congresso reduzir o primário caso o governo não o faça.

Tríplice coroa A Petrobras trabalha com três opções para a abertura de capital da BR Distribuidora: oferta pública tradicional; oferta de ações de serviços específicos da rede de postos ou abertura de capital de um novo tipo de serviço, a ser sugerido por parceiros externos.

Escudo Apesar do ataque especulativo contra o ministro-chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante, auxiliares próximos da presidente avisam que ela não demonstra nenhuma intenção de tirar seu braço direito do cargo.

Recado Em reunião da coordenação de governo, Dilma disse que a missão de Mercadante e do vice Michel Temer no Congresso ficará ainda mais difícil após o rompimento com Eduardo Cunha. A mensagem foi interpretada como sinal de que o ministro fica onde está.

APODE2107PAINEL

Um brinde De Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA), sobre as comemorações do Dia do Amigo em Brasília: “Cunha e Dilma também têm o que celebrar! Mas, no caso deles, é o dia do amigo da onça…”.

Oi? Onze dos 63 deputados do PT apoiaram a criação da Frente em Defesa do Parlamentarismo —inclusive o ex-líder Vicentinho (SP).


TIROTEIO

Marcha lenta na administração, o prefeito Haddad quer que São Paulo ande na velocidade dele: devagar, quase parando.

DO VEREADOR ANDREA MATARAZZO (PSDB-SP), líder na Câmara, sobre a redução da velocidade máxima permitida nas marginais Tietê e Pinheiros.


CONTRAPONTO

Natural do Nordeste

Presidente da Comissão de Infraestrutura do Senado, Garibaldi Alves (PMDB-RN) dedicou boa parte de uma das últimas sessões antes do recesso a louvar o Nordeste.

O senador cometeu um ato falho, no entanto, ao dar a palavra ao diretor-geral do Departamento Nacional de Obras Contra as Secas, Walter Gomes de Sousa.

—É meu conterrâneo, se não me engano…

Ao ser advertido de que o executivo não nascera no Rio Grande do Norte, mas na Paraíba, Garibaldi tentou não perder o rebolado:

—Não? Graças a Deus! —afirmou, arrancando risos de todos.