Cunha pautará na volta do recesso votações contra interesses do governo

Por Painel

NATUZA NERY (interina)

Sem perder tempo Apesar do ajuste no tom de seus ataques ao governo, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) vai pautar para o primeiro dia de votações após o recesso, em 4 de agosto, o projeto que dobra a correção do FGTS. Antes do rompimento de Cunha com o Planalto, Dilma Rousseff havia pedido pessoalmente o adiamento da tramitação do texto. Na mesma sessão, Cunha pretende votar cinco contas de ex-presidentes para abrir caminho para a apreciação do balanço apresentado por Dilma em 2014.

Minha… Preocupado com a aprovação de novas bombas fiscais, o governo apostará em um discurso de apelo social para convencer a base aliada a rejeitar projetos que resultem em novos gastos.

… vida Ainda durante o recesso, o Planalto vai procurar congressistas para dizer que cada centavo extra de despesas significará menos investimentos em saúde, educação e habitação popular.

Guerra é guerra De um cacique petista sobre a necessidade de acelerar nomeações para fidelizar a base aliada no Congresso: “Ou o Planalto avança agora sobre esse terreno, ou o segundo semestre vai ser um inferno”.

Discutindo… Dilma determinou que seus auxiliares passem a dar “atenção permanente” ao TCU (Tribunal de Contas da União) para evitar novas derrotas e até reverter o clima no plenário da corte sobre o julgamento de suas contas do ano passado.

… a relação Na última semana, quatro ministros passaram horas nos gabinetes do tribunal para explicar detalhes dos próximos leilões do pacote de concessões. “Fomos mostrar que não somos donos da verdade”, resume um auxiliar da presidente.

Padrinho O governo também quer colocar Michel Temer na linha de frente das articulações com o TCU. Petistas reconhecem a ascendência do PMDB sobre o tribunal, que tem três de seus nove ministros indicados pela sigla.

Amigo… Aliados de Aécio Neves (PSDB-MG) querem aproveitar as acusações de corrupção contra Cunha para minar a aproximação de outros tucanos com o PMDB.

… oculto A ideia é explorar a fragilidade do presidente da Câmara para determinar que o PSDB fique longe de um eventual governo Temer, em caso de impeachment.

Na rua Até os senadores do PT terão de gastar sola de sapato para tentar reverter a impopularidade do governo. O partido vai definir uma agenda e cobrar que seus congressistas rodem o país “fazendo o enfrentamento”. A ordem saiu da reunião entre Dilma e Lula na terça-feira.

Interior Nas viagens para “vender o governo”, o Palácio do Planalto quer explorar a chamada mídia regional, considerada mais permeável que a imprensa nacional pelos petistas.

Linha branca Para mostrar que ainda é possível crescer pela via do consumo, Lula usa uma informação atribuída à empresária Luiza Trajano, dona do Magazine Luiza, segundo quem só 30% das famílias brasileiras têm máquina de lavar em casa.

Charutos Detido em Curitiba, o ex-tesoureiro petista João Vaccari Neto ganhou de presente do presidente do PT, Rui Falcão, uma caixa de charutos em homenagem ao nascimento de seu neto, também João, há cerca de um mês.

Civismo O Planalto abriu licitação para a montagem da estrutura do desfile de 7 de setembro, em Brasília. O custo estimado para as arquibancadas, tribunas de autoridades e grades de segurança é de R$ 2,1 milhões.

Veja bem Celso Pansera (PMDB-RJ) esclarece que não apresentou requerimento formal à CPI da Petrobras para obter nomes dos investigadores da Lava Jato. Ele falou do assunto diretamente com o ministro da Justiça, a quem a PF está subordinada.


TIROTEIO

Concordo que é preciso fazer esforço fiscal, mas é preciso alterar a meta agora. O número que o governo fixou não será atingido.

DO SENADOR ROMERO JUCÁ (PMDB-RR), sobre a oposição do ministro Joaquim Levy (Fazenda) a sua emenda que altera a meta de superávit para 0,4% do PIB.


CONTRAPONTO

Questão de tempo

Em reunião da Comissão de Assuntos Econômicos do Senado no início do mês, Walter Pinheiro (PT-BA) fez reparos a um projeto que disciplinava a cobrança de estacionamento em shoppings:

–O relator propõe 15 minutos de tolerância, mas na Bahia já há tolerância de 30 minutos. Seria prejudicial!

–São 15 minutos só para colocar o carro na vaga e começar a se deslocar. Tem que dar mais 15 minutos para fazer as compras –acrescentou Flexa Ribeiro (PSDB-PA).

Pinheiro brincou:

–Vocês vão lá em 15 minutos, mas o baiano vai curtir o shopping. É por isso que precisamos de meia hora!