Governo e PT temem que Edinho e Mercadante sejam convocados em CPI

Por Painel

Sem goleiro nem zaga Uma das preocupações imediatas do Planalto e do PT é que a CPI da Petrobras aproveite a fragilidade do governo para convocar os ministros Aloizio Mercadante (Casa Civil) e Edinho Silva (Secom), citados na delação premiada do empreiteiro Ricardo Pessoa. Se votar, passa, disseram, em jogral, dois membros da cúpula da comissão nesta segunda-feira. Embora o alarme tenha soado, o governo ainda não acionou a tropa para evitar novo desastre após a inquirição de Paulo Okamotto.

Gasolina Na reunião de coordenação política, o núcleo do governo avaliou que a reação do PT e de ministros às investidas do PSDB pela queda de Dilma Rousseff apenas inflou a polêmica.

Bombeiros? Foi decidido que era preciso baixar o tom e não “morder a isca” da oposição —até a própria Dilma, em entrevista à Folha, desafiar a oposição a tirá-la do cargo.

Decibéis Petistas, na contramão do Planalto, se queixavam em reunião da Executiva estadual de São Paulo de “apatia” do governo e de líderes da sigla. Querem uma reação “muitos tons acima”.

Nota só “Parece que o Planalto não vê que a decisão de tirar Dilma já está tomada pela oposição. Lula continuar insistindo em pauta positiva não resolve”, diz um petista.

Voo solo Ainda sem uma orientação geral, o PT paulistano marcou um ato em defesa do governo e da democracia para a próxima terça-feira.

Bicameral 1 Renan Calheiros (PMDB-AL) já estuda a adoção de um parlamentarismo “à brasileira” se a crise piorar, dizem aliados. O modelo daria peso igual à Câmara e ao Senado, para evitar que Eduardo Cunha (PMDB-RJ) ganhe superpoderes.

Bicameral 2 O grupo de Renan rejeita frontalmente que Cunha vire o primeiro-ministro nesse cenário.

Produção Em meio à crise, o governo vê aumentar o mau humor do líder Eunício Oliveira (PMDB-CE): o Ministério do Desenvolvimento Agrário desistiu de negociar com os sem-terra que invadiram sua fazenda em Goiás.

Balcão Miriam Belchior foi “enquadrada” pelo Planalto por travar nomeações na Caixa. O governo determinou que as negociações fossem reabertas para evitar mais queixas entre aliados.

Vem pro… Pela primeira vez desde o início da crise, o PSDB decidiu tentar uma articulação direta com os movimentos de rua que convocaram a terceira onda de protestos para 16 de agosto.

… ninho Tucanos vão propor aos organizadores a mudança de bandeira: abandonar a defesa do impeachment e defender a realização de novas eleições caso o TSE casse o mandato da petista.

Tripartite A ideia foi discutida em reunião na casa de Tasso Jereissati (PSDB-CE) antes da convenção, mas ainda não tem adesão das alas de Geraldo Alckmin e José Serra.

Muita calma Em conversas antes da convenção, FHC alertou a cúpula tucana que a crise ficou “fora do controle” do PSDB e que caberá ao partido cobrar o cumprimento da Constituição e da lei.

Popstar Aliados de Alckmin viram excesso de personalismo de Aécio Neves no ato que o reconduziu à presidência da sigla, com a reedição do jingle da campanha e outras ações audiovisuais.

Lastro Alckmin e os demais governadores do Sudeste estarão com a presidente na quarta-feira que vem para discutir uma pauta regional. Aliados de Dilma querem que ela recorra aos governadores para tentar esfriar a crise.

apode0707painell

Bico doce Fernando Haddad cita o exemplo de Mario Covas para dizer que pode recuperar a popularidade no ano que vem. Em 1998, o governador tucano começou a campanha com 24% de aprovação, mas se reelegeu.


TIROTEIO

O isolamento do governo só faz aumentar. A sensação geral é a de que estão terminando os dias de Dilma à frente da Presidência.

DE ROBERTO FREIRE (PPS-SP), presidente do partido, sobre a crise instalada no Planalto e a disposição da oposição em trabalhar pela saída de Dilma do cargo.


CONTRAPONTO

Luzes, câmera, ação!

Às vésperas de estrear um programa no Canal Brasil baseado em seu livro sobre os pensadores brasileiros, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso comentava com tucanos, na convenção do último domingo, como é difícil gravar para a TV.

—Virei ator depois de velho. Mas sou canastrão!

Questionado sobre se a atração vai ao ar em breve, FHC disse que dependerá das gravações dos 13 episódios.

—Acha que estreia no segundo semestre? —interessou-se Aécio Neves, ao seu lado.

—Pelo ritmo que vai, quando estrear você já será presidente —brincou FHC.