Cunha usa mapa da véspera para virar votos pela redução da idade penal

Por Painel

Na prorrogação Com o mapa de votações em mãos, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) determinou que seus aliados trabalhassem para virar votos contrários à redução da maioridade penal desde a madrugada de quarta-feira, a fim de evitar nova derrota. Seu grupo consultou os deputados para calcular o “índice de reversão” de votos. A retirada do tráfico de drogas do projeto renderia 20 votos, alguns até no PT, estimavam. A pedido do presidente, eles negociaram outros dois itens para tentar garantir a vitória.

Sem censura Cunha respondeu ao senador Jader Barbalho (PA), seu correligionário, que disse que os trabalhos na Câmara são conduzidos por um ditador: “Jader não tem, pelo seu passado de algemado, condição moral de atacar quem quer que seja”.

Seguro O vice Michel Temer vai cobrar uma ordem dura de Dilma Rousseff para que o governo garanta a execução das promessas que ele tem feito para tentar garantir a fidelidade da base aliada.

Por um fio A equipe de Temer argumentava em jantar na noite de terça-feira que o vice estava se desgastando porque a equipe econômica e outros setores do governo não entregavam os pagamentos de emendas antigas para negociar com deputados e senadores. Temer assentiu.

Fora Após reuniões internas, o PSDB decidiu que vai passar a cobrar publicamente a renúncia de Dilma –discurso que só estava sendo adotado pelo DEM. Aécio Neves autorizou o novo tom, mas por ora não deve embarcar nessa.

UFC da UTC O PSDB vai apostar todas as fichas nas suspeitas levantadas pela delação de Ricardo Pessoa, da UTC, sobre as doações da última campanha de Dilma.

Fantasia Tucanos exaltados esperam que o TCU recomende a cassação de Dilma, além da rejeição das contas.

Realidade Os ministros descartam a medida extrema, mas apontam que o placar pró-governo, antes estimado em três votos, minguou e a rejeição pode ser até unânime.

Aqui agora Parecer da Secretaria de Recursos do TCU recomenda que o ministro Vital do Rêgo conceda medida cautelar para tirar o efeito suspensivo do recurso da União no caso das pedaladas. Se ele acatar a recomendação, o governo terá de cessar o expediente já.

Bagagem A equipe do secretário Nacional de Justiça, Beto Vasconcelos, receberá nesta quinta-feira com autoridades suíças todos os dados referentes aos correntistas brasileiros do HSBC na investigação do SwissLeaks.

Compartilhar? A missão brasileira aproveitará para reiterar o pedido da CPI do HSBC para ter acesso às informações, o que a Suíça ainda não autorizou.

Joio e trigo Serão entregues os dados brutos e os já processados. A partir daí, será feita a análise para identificar casos de crimes fiscais e financeiros de brasileiros.

Global Aliados de Geraldo Alckmin esperam que seu discurso na convenção do PSDB, no domingo, seja menos “paulista” do que o adotado nas últimas propagandas da sigla, quando o governador enalteceu a “liderança” do Estado no país.

Para dentro Diante da disputa velada com Aécio pela candidatura do partido ao Planalto em 2018, Alckmin deve pedir a união do partido durante a crise nacional.

Chuta e defende Romário (PSB-RJ) avisou ao PMDB que, se a sigla tirar dele a relatoria da CPI da CBF, vai apresentar relatório paralelo como presidente da comissão.

APODE0207PAINEL

Arretado No jantar com Dilma, Barack Obama perguntou a Jaques Wagner (Defesa), que conhecera em viagem ao Brasil em 2011, sobre a culinária da Bahia. Animado, o ministro fez uma ode à pimenta baiana e suas qualidades antioxidantes.


TIROTEIO

A oposição tem de saber que, se chegar ao poder, herdará o que está ajudando a criar. Temos de ter distância do populismo grego.

DE PAULO HARTUNG (PMDB), governador do Espírito Santo, sobre as votações que colocam em risco o ajuste fiscal, apoiadas pela base e pela oposição.


CONTRAPONTO

Direto do pé

Na discussão sobre coligações partidárias na comissão especial do Senado que trata da reforma política, o desafio era como proibir novamente as coligações proporcionais, restabelecidas pela Câmara.
Romero Jucá (PMDB-RR), chamado de “relator geral da República”, por sua criatividade, deu o caminho:
–Trago aqui um projeto de lei que permite a coligação proporcional, mas cada partido computa seus votos e elege seus candidatos!
–Mas isso é uma jabuticaba –replicou outro senador
–Uma boa jabuticaba –admitiu o peemedebista.
A proposta foi aprovada.