Executivos da Odebrecht devem seguir defesa da empreiteira e evitar delação

Por Painel

Demissão voluntária Alexandrino Ramos de Alencar e os demais executivos presos da Odebrecht não devem aderir à delação premiada, mesmo tendo pedido afastamento de seus cargos na empreiteira. As demissões —uma praxe para tentar reverter as prisões— levaram temor ao meio político de que eles planejassem se desvincular da defesa da empresa, mas o depoimento de Alencar na segunda-feira mostra consonância com a estratégia de negar envolvimento no esquema de corrupção na Petrobras.

apode2406painel

GPS A Polícia Federal relatou dificuldade em localizar a casa de Marcelo Odebrecht para prendê-lo, porque o condomínio em que o empreiteiro mora “possui diversas ferramentas de segurança”.

Drone A PF precisou usar imagens aéreas e criar uma lógica de numeração para as casas para chegar ao alvo.

Ostentação O imóvel identificado pela PF chamou a atenção por apresentar “diferença significativa” em relação aos vizinhos. “A casa em questão possui três terrenos incorporados, sendo que em um deles existe um pequeno campo de futebol.”

Queima-roupa A PF apreendeu na casa de Marcelo um revólver calibre 38, com um registro de posse em seu nome. A arma estava no closet do quarto do casal, onde havia ainda quatro celulares e mais de 30 pendrives.

Das Arábias Na sala do executivo em um dos escritórios da Odebrecht, foram encontradas três apostilas com o título Empresas estrangeiras citadas na Operação Lava Jato, com referência à embaixada brasileira em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes.

Tabuleiro de… Os investigadores apreenderam na sede da Odebrecht Latin Finance 42 contratos de financiamento entre o BNDES e países estrangeiros, com participação da construtora.

… War Entre eles, havia 21 de Angola, 8 da República Dominicana e 4 de Cuba, além de documentos sobre as obras do porto de Mariel.

Armadura 1 Aliados de Lula e parte da cúpula do PT articulam reação enérgica a desdobramentos da Lava Jato para blindar o ex-presidente. Preocupado, o grupo quer que parlamentares e ministros questionem abertamente a legitimidade de algumas decisões ligadas à operação.

Armadura 2 Insatisfeito com a inércia do Planalto, um dirigente do PT disse a um ministro que, caso Lula seja preso, tem dúvidas se a cúpula do partido e a militância da sigla teriam energia para sair às ruas e defendê-lo.

Alvo… Fernando Collor (PTB-AL) propôs a Renan Calheiros (PMDB-AL) uma emenda à reforma política para obrigar juízes, promotores e policiais a cumprir quarentena de até quatro anos antes de disputar eleições.

… certeiro Eunício Oliveira (PMDB-CE) brincou com o ex-presidente: É a emenda Sérgio Moro.

Meia-volta O recuo do Ministério do Planejamento numa medida para faciliar a liberação de emendas para deputados novos irritou a articulação política do Planalto.

Volver A pasta não garantiu a implantação de um mecanismo para os parlamentares cadastrarem as emendas.

Pra já Se o problema não for solucionado na manhã desta quarta, a equipe de Michel Temer (PMDB) vê risco de derrota do governo no projeto que revê desonerações.

Pelas pontas Os lugares atrás de Dilma foram pouco disputados no evento desta terça, no Rio. O prefeito Eduardo Paes se posicionou na extrema esquerda, longe do foco das câmeras.

Arrastado O PSDB paulista designou o deputado Carlão Pignatari para arbitrar a disputa pela Executiva paulistana da sigla. Ele deve apresentar parecer em dez dias.


TIROTEIO

O Greenpeace decidiu fazer política partidária no lugar de política ambiental. Seu nome é maior que os interesses que o movem.

DO DEPUTADO PEDRO TOBIAS, presidente do PSDB paulista, sobre ação feita pela ONG contra a gestão da crise hídrica pelo governo Geraldo Alckmin.


CONTRAPONTO

Cuidado para não se queimar

Durante o lançamento do plano da agricultura familiar, na segunda-feira, o senador José Pimentel (PT-CE), líder do governo no Congresso, foi questionado se achava que haveria quórum no Senado nesta semana, na qual se concentram as festas juninas no Nordeste.

O também senador Telmário Mota (PDT-RR), que acompanhava a conversa, se antecipou:

—É claro que não!

Pimentel, precavido, disse que não era bem assim:

—Na Câmara você está certo. Os deputados vão para a festa, mas os senadores fogem. Se forem têm de dançar… —disse, se referindo à faixa etária mais elevada da Casa.