PF quer investigar contratos do BNDES com Odebrecht e Andrade Gutierrez

Por Painel

Caixa de Pandora A Polícia Federal quer quebrar o sigilo de todos os contratos de financiamento do BNDES com a Odebrecht e a Andrade Gutierrez para apurar suspeitas de que o dinheiro emprestado pelo banco para obras no exterior também foi usado para o pagamento de propina. Delegados do caso pediram, na última fase da Operação Lava Jato, a quebra de sigilo das operações de financiamento internacional para obras no exterior nos últimos 20 anos. A Justiça não acatou o pedido.

Foco O argumento do juiz Sérgio Moro e do Ministério Público Federal foi o de que a quebra de sigilo dos empréstimos do BNDES deveria ser pedida em outro processo.

Aquiles Devassa nas operações do banco é um dos maiores temores dos aliados de Lula. Eles acusam procuradores e juízes de explorar as operações de crédito para atacar a relação do ex-presidente com empreiteiras.

Anêmica Advogados de outras empreiteiras investigadas na Lava Jato que se debruçaram sobre o despacho de Moro dizem que a justificativa para as prisões desta sexta é muito mais frágil que as de seus próprios clientes.

Ponto… No habeas corpus que impetrarão, os advogados da Odebrecht vão tentar desqualificar tanto o e-mail citado por Moro para implicar Marcelo Odebrecht quanto o suposto pagamento de propina de US$ 300 mil a Pedro Barusco na Suíça.

… a ponto A defesa dirá que o “sobrepreço” citado no e-mail é um termo técnico (não superfaturamento), e que Barusco teria comprado títulos (bonds) da empresa.

Herança Relatório da Polícia Federal que embasou as prisões sustenta que a Odebrecht se envolveu no esquema da Petrobras antes de Marcelo Odebrecht chegar à presidência da empresa.

Domínio Os agentes apontam no texto, porém, que “muitos pagamentos se sucederam” após Marcelo ter galgado o posto, “sendo certo que as atividades praticadas […] não poderiam passar ao largo do dirigente”.

220v Levado à superintendência da PF em São Paulo, Marcelo foi colocado num auditório com outros presos. Estava “inconformado”, “bufando”, “com raiva” e “muito agitado”, nas palavras de agentes que o escoltaram.

Furo… A lancha que o juiz Sergio Moro diz ter sido paga pelo lobista Fernando Baiano para o presidente da Andrade Gutierrez, Otávio Marques de Azevedo, pertencia a Rafael Paladino, processado pelo rombo bilionário no banco Panamericano.

APODE2006PAINEL (1)

‌… no casco A amigos que diziam que a lancha seria sua “Fiat Elba”, numa referência ao carro de Fernando Collor pago com cheque de um fantasma do esquema PC Farias, Azevedo respondia que o barco era “mal-assombrado”.

Chá de cadeira O ministro Gilberto Kassab (Cidades) esperou o prefeito Fernando Haddad (PT) por cerca de 40 minutos para inaugurar unidades do Minha Casa Minha Vida na periferia nesta sexta.

Replay Sem o prefeito, Kassab foi conhecer um dos apartamentos junto com a vice, Nádia Campeão. Após sua chegada repetiu a “vistoria”.

Gafe Habitué nas audiências da Câmara paulistana nos bairros, a senadora Marta Suplicy (sem partido) fez um discurso agradecendo o subprefeito de São Mateus e outras lideranças do bairro na semana passada. Detalhe: ela estava na Casa Verde.

Missa Padres da Igreja Católica comemoraram aos pulos a aprovação do plano municipal de educação em comissão da Câmara. “A família venceu”, disse um deles, depois que menções a diversidade sexual foram retiradas.

Visita à Folha Nabil Bonduki, secretário municipal de Cultura de São Paulo, visitou ontem a Folha.


TIROTEIO

Luiz Sérgio perdeu a condição de investigar qualquer um. Se não pedir para sair, terá de ser tirado da relatoria da CPI da Petrobras.

DO DEPUTADO AUGUSTO COUTINHO (SDD-PE), sobre reportagem da “IstoÉ” que aponta o deputado do PT como beneficiário de desvio em fundos de pensão.


CONTRAPONTO

Equilíbrio de forças

Em audiência pública no Supremo sobre ensino religioso na rede pública, líderes religiosos apresentaram diferentes pontos de vista sobre o assunto.
Ao concluir sua intervenção, o representante da Conamad (Convenção Nacional das Assembleias de Deus ““ Ministério Madureira) afirmou, sobre a divergência de as aulas focarem uma religião específica ou não:
–Tenho certeza de que, ao final de tudo, Deus vai estar do lado certo!
Relator do tema no STF, Luís Roberto Barroso brincou:
–Olha, se Deus assumisse a causa por um dos lados, o outro advogado estava frito!