Renan vai cobrar de Dilma reação a agressão a senadores em Caracas

Por Bruno Boghossian

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), conversou por telefone na tarde desta quinta-feira com senadores brasileiros que estão em Caracas em missão oficial da Casa e foram agredidos por militantes favoráveis ao regime de Nicolas Maduro. Renan disse que vai cobrar da presidente Dilma Rousseff uma posição de repúdio do governo brasileiro às agressões.

O senador Ronaldo Caiado (DEM-GO), que integra a missão, postou em sua conta no Twitter que os senadores brasileiros teriam sido atingidos por pedras e que tiveram o ônibus que deveria transportá-los do aerporto para compromissos na capital venezuelana cerecado.

Integram a missão, além de Caiado, os senadores Aécio Neves (PSDB-MG), Aloysio Nunes (PSDB-SP), Cássio Cunha Lima (PSDB-PB) e José Agripino (DEM-RN).

Caiado disse que eles foram recebidos pelo embaixador brasileiro, que, em seguida, teria deixado os senadores no aeroporto e se retirado.

O correspondente da Folha em Caracas, Samy Adghirni, relata que não houve pedradas na comitiva.