PT reage a ação do PMDB e da oposição para atingir Lula em CPIs

Por Painel

Joia da Coroa A cúpula do PT e ministros do partido determinaram que deputados e senadores reforcem a atuação no Congresso para evitar novos movimentos que atinjam especialmente Lula. Dirigentes da legenda temem uma articulação, com apoio de parlamentares do PMDB, para fragilizar o ex-presidente e desarticular o PT diante das dificuldades da gestão Dilma Rousseff. A aprovação da convocação para a CPI da Petrobras do presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto, fez disparar o alerta.

Poupança Caciques petistas querem blindar a CPI do BNDES, que foi protocolada no Senado, e evitar que a oposição explore a relação de Lula com empresas que obtiveram empréstimos do banco.

Nevrálgico Membros da cúpula da CPI da Petrobras relataram a outros integrantes que receberam pressão do governo para frear a votação dos requerimentos que atinjam Okamotto e José Dirceu, além de algumas acareações.

Sincronia Enquanto o PT aplaudia de pé o nome de João Vaccari nesta quinta-feira em Salvador, o ex-tesoureiro do partido prestava mais um depoimento na sede da Polícia Federal em Curitiba por seu envolvimento na Operação Lava Jato.

Salomão Ministros petistas temem que o mal-estar entre Aloizio Mercadante (Casa Civil) e Michel Temer esta semana dê novo fôlego à ideia de extinguir a Secretaria de Relações Institucionais. No passado, Dilma chegou a cogitar o assunto.

Script Petista paulista analisa a tentativa de Mercadante de enfraquecer Temer como um aceno à militância do PT, dias antes do congresso do partido.

Resultado “Como teve reação, ele falou de colocar o Eliseu Padilha, que já tinha recusado o posto. Conclusão: brigou com Temer, o PMDB e todo o PT. Incrível”, resume o companheiro do ministro.

Redução de danos O advogado-geral da União, Luís Inácio Adams, percorre os gabinetes dos ministros do TCU tentando garantir a aprovação das contas de Dilma em 2014, na próxima quarta, ainda que com ressalvas.

Preleção O relator das contas, Augusto Nardes, deve reunir os colegas na segunda-feira à noite para indicar como vai votar. Pelo menos dois ministros devem segui-lo.

Gota a gota Depois das campanhas contra a CPMF e o IPTU da capital, o presidente da Fiesp, Paulo Skaf, ingressa nesta sexta-feira com ação contra a Sabesp e a Arsesp (agência de saneamento) para tentar sustar o reajuste da água em São Paulo.

Dupla jornada O PSDB definiu que o novo tesoureiro estadual em São Paulo será Marcos Monteiro. Secretário de Planejamento de Geraldo Alckmin, Monteiro ficará responsável por controlar os caixas do Estado e da sigla.

Sem surpresa A presidência deve mesmo ficar com o deputado estadual Pedro Tobias. Bruno Covas será mantido na secretaria-geral.

APODE1206PAINEL (1)

Casa da Noca Já no diretório tucano da capital, segue o arranca-rabo. Nesta quinta, o grupo opositor ao novo presidente, Mario Covas Neto, tentou se reunir, mas encontrou a sede trancada. As fechaduras foram trocadas e os funcionários, dispensados.

Largada Depois de Luiz Antonio Medeiros assumir nesta sexta a Secretaria de Subprefeituras, Fernando Haddad empossa Tadeu Candelária, da cota do PR, na pasta do Verde na segunda.

Currículo Candelária foi citado por Lucio Funaro no mensalão. O doleiro disse ter entregue ao então tesoureiro do PL R$ 6 milhões destinados a Valdemar Costa Neto.

Visita à Folha Raul Cutait, professor da Faculdade de Medicina da USP, visitou ontem a Folha, a convite do jornal, onde foi recebido em almoço.


TIROTEIO

Quem quer criminalizar a juventude mostrou que não sabe falar com ela. O discurso do gás de pimenta arde, mas não convence.

DE MARGARIDA SALOMÃO (PT-MG), deputada federal, sobre o uso do gás de pimenta em sessão da comissão que discute a redução da maioridade penal.


CONTRAPONTO

Tudo menos isso!

Conhecido nos meios jurídicos e sociais de Brasília pela irreverência, o advogado Antonio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, atuou no julgamento no STF sobre a liberação de biografias defendendo o instituto Amigo, ligado ao cantor Roberto Carlos, que pedia que o Supremo assegurasse o direito à privacidade e à intimidade das pessoas ao decidir sobre a questão.
Para defender a tese, disse que o biógrafo tem de estudar a vida do biografado e ser fiel ao que apurou –caso contrário, cabe ação. Cruzeirense fanático, exemplificou:
–Se fizerem minha biografia e disserem que sou atleticano, me sentirei injuriado!