Para se contrapor a Dilma, Aécio visita opositores presos na Venezuela

Por Painel

In loco O presidente nacional do PSDB, Aécio Neves (MG), vai liderar uma comissão externa do Senado que desembarca em Caracas no dia 17 para verificar a situação dos opositores do regime de Nicolás Maduro presos desde o ano passado. Aécio comunicou a ida a Lilian Tintori, mulher de Leopoldo Lopez, que está em greve de fome. “Vamos suprir a omissão vergonhosa do governo da presidente Dilma diante da escalada autoritária na Venezuela”, afirma o ex-presidenciável tucano.

Em casa Aécio também deve intensificar as viagens políticas pelo país –que anunciou logo depois que perdeu a eleição, mas ainda não executou– durante o recesso. A primeira será no dia 26, a Manaus e Parintins.

Nos ares A volta à ativa do mineiro coincide com o sinal verde dado por Geraldo Alckmin, o outro postulante à candidatura presidencial pelo PSDB em 2018, a apoiadores para que montem uma agenda nacional para ele cumprir nos fins de semana.

Troca… Dilma desautorizou auxiliares que defendiam expulsar o PDT da base como punição pela infidelidade da sigla nas votações do ajuste fiscal. A presidente quer promover a participação maior dos deputados da sigla no Ministério do Trabalho.

… da guarda Interlocutores da presidente afirmam que a operação pode culminar na substituição do ministro Manoel Dias por um nome indicado pela bancada, e não pelo presidente Carlos Lupi.

Plano B Caso Lupi resista, o núcleo do Planalto pretende trabalhar para que deputados façam indicações para o segundo escalão e postos regionais da pasta.

Água mole Dilma ordenou que os ministros da equipe de coordenação política se reaproximem dos parlamentares de outras siglas que deram trabalho para o governo no ajuste, em especial PC do B e PRB, além do PDT.

Pedra dura A presidente quer promover encontros e jantares com deputados e senadores para atender pedidos e mantê-los informados sobre as ações do governo.

Pedregoso A partilha de cargos no governo ainda deve levar pelo menos um mês, no cálculo do Planalto. A demora gera incerteza sobre o sucesso nas próximas votações polêmicas no Congresso.

Rachando… O coquetel de posse de Edson Fachin no Supremo, dia 16, será bancado pelos convidados, e não por entidades como AMB (Associação dos Magistrados Brasileiros) e OAB (Ordem dos Advogados do Brasil).

APODE0706PAINEL

… a conta Cada convite para a festa custará R$ 100. O novo ministro espera até 800 pessoas no bufê Villa Rizza, em Brasília. Ele pediu ao cerimonial um evento “sóbrio”.

Mais um Passou batido na sabatina o fato de Fachin ter advogado em ação referente a perdas com os planos econômicos, o que levanta a dúvida se poderá julgar ação sobre o tema que aguarda para voltar à pauta do Supremo.

Quase W.O. Luiz Fux, Luis Roberto Barroso e Cármen Lúcia já se declararam impedidos de participar do julgamento, um dos mais importantes do STF. Esse tipo de ação exige no mínimo oito ministros para ser apreciado.

Histórico Fachin representou Cristiane Toledo Martins Zorzi no STF e no STJ contra o antigo Banestado, adquirido pelo Itaú, para pedir correção de perdas com pacotes. Os recursos foram rejeitados pelo Supremo.

Em aberto A assessoria do ministro informou que ele só vai decidir sobre o eventual impedimento no julgamento após tomar posse.

Lento O PT estuda pedir ao Conselho Nacional do Ministério Público que retire da promotoria de São Paulo as investigações sobre o cartel do metrô e as passe para o Ministério Público Federal.


TIROTEIO

Imagino o que faria Cristo, que expulsou os vendilhões do templo, com aqueles que hoje viajam à terra santa com dinheiro público.

DO SENADOR RANDOLFE RODRIGUES (PSOL-AP), sobre a viagem de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e outros líderes da Câmara a Israel durante o feriado.


CONTRAPONTO

Não agrada nunca

Na turbulenta votação da reforma política, o vice-líder do governo Silvio Costa (PSC-PE) pediu a palavra para defender o financiamento de eleições por empresas –concordando com o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), seu desafeto, e divergindo dos petistas que faziam campanha contra a medida no plenário.
–Eu estou com o deputado Eduardo Cunha nessa. Nessa estamos pensando juntos.
Quando o tempo de Costa terminou, Cunha pediu que o parlamentar concluísse. O pernambucano brincou:
–Eu vou concluir. Peço mais um minuto, por favor. Até quando eu o elogio V.Exa. quer me cortar o som?!