Preocupado com desgaste, Lula pede que PT amenize críticas a Dilma

Por Painel

Meia volta, volver Em conversas recentes, Lula pediu que aliados trabalhem para amenizar o tom dos ataques públicos feitos por petistas ao governo Dilma Rousseff. Preocupado com o desgaste da imagem do PT, o ex-presidente tem ponderado que o partido não vai se recuperar se o governo permanecer sob artilharia e que seria um erro ampliar o afastamento entre as duas instâncias. Lula faz críticas reservadas à condução da política econômica, mas desencorajou a pancadaria do PT em Joaquim Levy.

Autocontrole O ex-presidente afirmou que, se Dilma vetar a mudança no fator previdenciário, ele próprio fará críticas internas, mas tende a evitar ataques abertos.

Alívio Interlocutores de Lula dizem que seu humor em relação ao governo mudou com a melhora da articulação política e as aprovações do ajuste fiscal e de Edson Fachin para o Supremo.

Estica Joaquim Levy, Michel Temer e Leonardo Picciani (PMDB-RJ) se reúnem no início da semana para tratar das desonerações. O governo crê em acordo para que as novas alíquotas passem a valer em outubro, sem escalonamento, desde que setores sejam aliviados.

Consulte… A onda de hostilidade a petistas tem feito dirigentes da sigla recorrer a conselhos inusitados.
apode0306painnel

… um profissional Em maio, um dirigente do PT encontrou Jesse Ribeiro, fiel escudeiro de Paulo Maluf (PP). Lembrou as crises que abalaram a imagem do deputado e pediu opinião sobre como lidar com a situação.

Despojada O Planalto quer marcar a entrevista de Dilma a Jô Soares no sofá do estúdio do apresentador, diante de plateia. As últimas participações da presidente na TV foram gravadas em Brasília, no Alvorada.

Tombo Dilma é alvo de campanha do sindicato de trabalhadores da Zona Franca de Manaus por ter usado bicicleta importada em seus passeios. “Pedala servidor!”, diz post nas redes sociais.

Cota… A única nomeação já confirmada no pacote de mudanças no secretariado que Fernando Haddad prepara para estruturar sua aliança reeleitoral não tem nada a ver com partidos.

… pessoal Leonardo Barchini Rosa, que assessora o prefeito desde o MEC, deixa a Secretaria de Relações Internacionais e assume a chefia de seu gabinete. Vicente Trevas assume a secretaria internacional interinamente.

Lado Apesar do apoio popular à redução da maioridade penal, aliados de Haddad acham que um referendo sobre o tema junto com a eleição em 2016 ajudará a aproximar o prefeito das bases do PT, contrárias à mudança.

Cavalo de pau Dirigentes petistas acreditam que o debate sobre a proibição de financiamento privado aos diretórios pode ter reviravolta no congresso do partido.

Xeque-mate Se a proibição às doações empresariais para candidatos for confirmada no Legislativo, tanto os postulantes do PT quanto os diretórios do partido ficariam impedidos de receber recursos de empresas, o que poderia inviabilizar candidaturas.

Incêndio Aliados de Geraldo Alckmin procuraram o PRB para pôr panos quentes na fala do novo presidente paulistano do PSDB, Mario Covas Neto, de que Celso Russomanno é o rival direto da sigla na disputa municipal.

Juntos “A fala dele não fez sentido. Somos da base de Alckmin. O prefeito é o nosso adversário”, reclama Marcos Pereira, presidente do PRB.

Água no chope Depois do fracasso da fusão de DEM e PTB, as tratativas entre PSB e PPS vão pelo mesmo caminho. O congresso que homologaria a junção, no dia 20, pode não ocorrer. A seção pernambucana, forte no PSB, se opõe ao plano.


TIROTEIO

Valcke disse que o Brasil precisaria de um chute no traseiro. Concordo: para que nunca mais canalhas como ele ditem regras aqui.

DO DEPUTADO HUGO MOTTA (PMDB-PB), sobre cobrança feita pelo secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke, para que o país acelerasse obras da Copa em 2012.


CONTRAPONTO

Voz da experiência

Envolta em crises, a presidente Dilma Rousseff anunciou nesta terça-feira um crédito bilionário para produtores rurais em tentativa de fugir da agenda negativa. Ao final do evento, entretanto, foi questionada sobre o projeto que transfere ao Legislativo a palavra final sobre a escolha de presidente de estatais. Em sua resposta, disse apenas que “a nomeação é prerrogativa do Executivo”.

—Eu vou me despedir, porque se eu falar muito vocês botam todos os outros assuntos, e não o assunto que eu acabei de lançar! —disse, para justificar a brevidade.

E completou aos jornalistas:

—Estou ficando muito esperta. Tchau para vocês.