CGU soube de pagamento suspeito a lobista durante campanha de 2014

Por Painel

Aditivo suspeito Na campanha de 2014, a Controladoria-Geral da União recebeu do ex-funcionário da SBM Jonathan Taylor detalhes do pagamento de um aditivo de duas páginas, no valor de R$ 311 mil, assinado com o lobista Julio Faerman nas eleições de 2010. De acordo com a versão do ex-gerente da Petrobras Pedro Barusco, a SBM deu US$ 300 mil naquele mesmo período, a pedido do PT, para ajudar a campanha de Dilma Rousseff, dinheiro que não aparece na prestação de contas.

Planilha 1 O pagamento integra a tabela com os repasses de US$ 31 milhões para a conta da Bienfaire, empresa de Faerman nas Ilhas Virgens Britânicas (paraíso fiscal). O quadro mostra os valores, as datas de transferências e, ao lado, a data de cada fatura.

Planilha 2 No caso dos US$ 311 mil de 2010, está descrito como “taxa de sucesso” e “no invoice”, ou seja, sem fatura. Em entrevista à Folha, Taylor diz que a versão de Barusco é “muito provável”.

Dito pelo… Antonio Carlos de Almeida Castro, advogado de Roseana Sarney (PMDB-MA) e Edison Lobão (PMDB-MA), vai protocolar na próxima semana perícia no Supremo para reforçar seu pedido de anulação do inquérito contra os dois.

… não dito Kakay mandou transcrever depoimento do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa em 11 de fevereiro deste ano em que o delator desdiz, segundo ele, acusações contra os peemedebistas que havia feito em setembro do ano passado.

Artilheiro Luiz Edson Fachin, indicado por Dilma Rousseff para o Supremo, chegou a jogar futebol profissionalmente em sua juventude. Foi centroavante de um time pequeno do Paraná.

Enturmado Foi ainda professor de vários delegados e procuradores que atuam na Lava Jato, além de ser colega do juiz Sergio Moro na Universidade Federal do Paraná.

Presidente… Depois da contraofensiva de ministros aos pedidos de impeachment planejados pela oposição pelas “pedaladas” fiscais, o Planalto vai brigar para que a maquiagem das contas de 2014 fique longe do colo de Dilma. A ideia é restringir o debate à equipe econômica.

… teflon O objetivo é evitar que se repita a crise aberta quando, em março de 2014, a presidente tentou se defender da responsabilidade pela compra da refinaria de Pasadena pela Petrobras e ficou no centro das discussões.

Chateados A entrevista que o relator do caso, José Múcio, deu após a sessão no TCU deixou o governo “magoado”, segundo um ministro.

Publicidade Nas últimas reuniões do conselho político, ministros concordaram que o governo precisa dar nova carga à mensagem de que trabalha para combater a corrupção. A preocupação renasceu com a prisão do ex-tesoureiro João Vaccari Neto.

Garantia O grupo ainda não acredita que Renan Calheiros (PMDB-AL) romperá com o Planalto porque o estremecimento das relações poderia prejudicar seu filho, que governa Alagoas e depende de verbas federais.

Deixe estar Convencidos de que Marta Suplicy vai deixar o PT, dirigentes preferem que ela o faça logo. Acham que suas críticas ao governo Dilma e ao prefeito Fernando Haddad perderão força quando ela não for mais petista.

Vacas magras Secretários de Geraldo Alckmin (PSDB) receberam notícia da Fazenda paulista de que a previsão de arrecadação de ICMS pode ser novamente revisada para baixo. Queixam-se de insegurança e falta de recursos para investimentos.


TIROTEIO

Dilma cometeu crime com a pedalada fiscal e não pode terceirizar a responsabilidade, como fez com a economia e a política.

DE CÁSSIO CUNHA LIMA (PB), líder do PSDB no Senado, sobre a oposição usar a maquiagem das contas do governo como base para o impeachment da petista.


CONTRAPONTO

Façam o que eu digo

Durante o debate sobre a imposição de limite de vinte ministérios, o deputado Espiridião Amim (PP-SC) fez um apelo a Eduardo Cunha (PMDB-RJ), autor da proposta:

–Vá ao meu Estado, em sua cruzada de austeridade, para extinguir o legado do PMDB, de 59 secretarias!

Chico Alencar (PSOL-RJ) acrescentou:

–E que na volta passe no Rio, e convença o correligionário Pezão a extinguir 5 das 25 secretarias de Estado…

Lincoln Portela (PR-MG) lembrou:

–Mas antes os peemedebistas precisam ir à posse de Henrique Eduardo Alves no Ministério do Turismo!