Conselho fiscal pede acesso antecipado a balanço e alarma chefia da Petrobras

Por Painel

Complicação extra Um movimento de bastidor alarmou a direção da Petrobras nesta quinta-feira. O Conselho Fiscal da estatal apelou ao estatuto e reivindicou receber na segunda-feira (20) o balanço auditado da empresa em 2014, que só será divulgado na quarta-feira à noite, durante reunião do Conselho Administrativo. O presidente Aldemir Bendine e a CVM estavam empenhados em fazer no mesmo dia todas as reuniões para a aprovação das contas, cuja divulgação está cinco meses atrasada.

Show do bilhão A preocupação da cúpula da empresa é evitar a todo custo o vazamento de informações que podem valer bilhões a especuladores de ações. Terça-feira é feriado no Brasil, mas não nos mercados externos.

Pressa O Conselho Fiscal teria autonomia para questionar os números e até vetar o balanço na própria quarta-feira. Por isso o pedido de acesso prévio causou surpresa e temor na estatal.

Movediça A Procuradoria-Geral da República podou a autonomia da Polícia Federal nos procedimentos contra políticos da Lava Jato por temer que ações dos delegados pudessem levar à anulação de provas e depoimentos, como na Castelo de Areia.

Bala… Parte da oposição justifica a cautela ainda presente no discurso de Aécio Neves sobre o pedido de impeachment de Dilma Rousseff pelo peso político do tucano.

… de prata Para aliados, o presidente do PSDB não pode correr o risco de tomar a frente de um pedido que seja sumariamente recusado por Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

Em tempo Apesar de ter sido determinada sua condução coercitiva, a mulher do tesoureiro petista João Vaccari Neto, Giselda de Lima, negociou e foi ouvida em casa.

Bis A oposição colheu assinaturas para um novo requerimento de criação da CPI dos fundos de pensão, que o Planalto conseguiu barrar na semana passada. Já garantiu apoio de 24 senadores.

Sem fundo? Cássio Cunha Lima (PSDB-PB) tem promessa de mais três assinaturas (os tucanos Aloysio Nunes e Paulo Bauer e o peemedebista Luiz Henrique), o que permitiria a criação da CPI.

O troco 1 O “grito de independência” de Renan Calheiros (PMDB-AL), que recusou cargos para o afilhado Vinicius Lages —demitido por Dilma— e o acolheu em seu gabinete, se repetirá na definição da pauta do Senado.

O troco 2 Um aliado diz que ele dificilmente repetirá o esforço que da sessão que salvou a presidente do descumprimento do superavit primário, em 2014.

Band-aid A partilha de cargos de segundo e terceiro escalões que Michel Temer monta será usada para tentar compensar o estremecimento da relação entre o governo e o presidente do Senado.

Sem choro Com o auxílio de Aloizio Mercadante (Casa Civil) e Ricardo Berzoini (Comunicações), a equipe de articulação política vai tentar premiar o PT na distribuição de vagas. O governo quer evitar que a sigla volte a atacar pontos do ajuste fiscal.

Encolheu O PP, que pleiteava todos os postos do Ministério da Integração Nacional antes do estouro da lista de políticos envolvidos na Lava Jato, já foi avisado de que não terá todo esse quinhão.

Guichê ao lado 1 Líderes partidários que procuraram Temer para discutir cargos dizem ter sido orientados a procurar o ministro Eliseu Padilha (Aviação Civil).

Guichê ao lado 2 “Parece que o Temer aderiu à moda da terceirização”, brinca um dos parlamentares que deram com a cara na porta.

Visita à Folha Kunio Umeda, embaixador do Japão no Brasil, visitou ontem a Folha, onde foi recebido em almoço. Estava acompanhado de Jiro Takamoto, cônsul para assuntos políticos e gerais em São Paulo.


TIROTEIO

Um eleitor do PT pode vir a ser um bom juiz. Mas um simpatizante do MST dificilmente será um fiel defensor da nossa Constituição.

DO SENADOR ALOYSIO NUNES (PSDB-SP), sobre seu pé atrás com a decisão de Dilma Rousseff de indicar Luiz Edson Fachin para o Supremo Tribunal Federal.


CONTRAPONTO

O ministro e o trocadilho

APODE1704PAINEL

O ministro Celso de Mello, decano do Supremo Tribunal Federal, apareceu usando uma bengala na cerimônia de lançamento do Anuário da Justiça, na noite de terça-feira, em Brasília. Depois dos discursos de abertura, chegou mancando a uma roda de convidados.

Com a bengala em punho, arrancou risos ao brincar com a discussão da emenda constitucional que aumenta a idade de aposentadoria dos ministros da corte:

—Sabem qual é o nome da minha bengala? PEC!