A CPI, tesoureiro do PT deve admitir encontros com delator e negar propina

Por Painel

Inimigo íntimo O tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, disse a aliados e advogados que pretende admitir em seu depoimento à CPI da Petrobras na quinta-feira que conhecia e se encontrava com o ex-gerente Pedro Barusco, que o acusou de receber dinheiro de corrupção para a campanha de Dilma Rousseff em 2010. Vaccari decidiu revelar suas relações com agentes públicos e empresários, mas reforçar que jamais tratou de contratos da estatal e que nunca solicitou repasses ilegais para o partido.

Mesa… Segundo Luiz Flávio D’Urso, advogado do petista, Barusco costumava participar de jantares entre Vaccari e o ex-diretor da Petrobras Renato Duque.

… para três “Vaccari tinha uma relação próxima com Duque. E Barusco era próximo de Duque. Mas nenhum deles frequentava a casa um do outro”, contemporiza.

Lado a lado A oposição quer explorar a proximidade entre Vaccari e Barusco para dar credibilidade ao depoimento em que o ex-gerente acusou o tesoureiro do PT. A defesa do petista, entretanto, acredita que não há provas que o comprometam.

Pede… A corrente Mensagem ao Partido vai levar na próxima semana ao presidente do PT, Rui Falcão, um pedido formal de afastamento de Vaccari da tesouraria da sigla. A ideia é fazer o movimento antes da ida do petista à CPI.

… pra sair Dirigentes querem evitar a medida por acreditar que o gesto reforçaria desconfianças contra Vaccari. Temem ainda o desgaste interno caso o pedido de afastamento seja levado a votação na cúpula da sigla.

Torneira A tensão tomou conta do PMDB desde que delatores da Camargo Corrêa deram informações sobre pagamento de propina no setor elétrico. Dirigentes se preparam para o vazamento de denúncias que comprometam caciques do partido.

Alvejante Aliados do jurista Luiz Edson Fachin na corrida pelo Supremo passaram a semana tentando reverter a imagem de que o paranaense tem vínculos com o PT e a CUT. Alvaro Dias (PSDB-PR) foi a Renan Calheiros (PMDB-AL) para chancelar o nome do advogado.

Aval “Não há conhecimento de qualquer vínculo oficial com qualquer partido”, pondera o tucano.

Próxima fase O presidente do PPS, Roberto Freire (SP), apresenta na terça-feira uma PEC para instalar o regime parlamentarista no Brasil após a gestão Dilma Rousseff. Conversou sobre o tema com Aécio Neves (PSDB), que ficou de analisar a proposta.

Prima-dona A filha do governador do Amapá, Waldez Góes (PDT), ganhou um cargo no gabinete do deputado Roberto Góes (PDT-AP), seu primo. Desde fevereiro, Luna Góes ganha R$ 12.940 para trabalhar com o parente.

Dourado O deputado Paulo Maluf (SP) se define como um “político em extinção”: diz que, apesar de “descontente”, não pretende deixar o PP. “Acho falta de caráter mudar de partido.”

Terceirize já Às vésperas de a Câmara votar o projeto de terceirização, o presidente da Fiesp, Paulo Skaf, divulga na segunda-feira pesquisa que revela apoio maciço do meio empresarial à regulamentação. Entre as empresas ouvidas, 81% tinham opinião sobre o tema –dessas, 92% eram favoráveis.

Turma FHC confirmou presença, ao lado dos ex-presidentes Álvaro Uribe (Colômbia), Jorge Quiroga (Bolívia), Luis Alberto Lacalle (Uruguai) e Vicente Fox (México), no 14º Fórum de Comandatuba. O evento acontece de 18 a 21 de abril.

Orelhão A CPI da Telefonia na Assembleia paulista aumentou seu escopo: além do serviço móvel, abrangerá linhas fixas, TV a cabo e banda larga. As teles são campeãs de reclamações no Procon.


TIROTEIO

A sociedade deu um cheque em branco para à presidente Dilma Rousseff, e ela nos devolveu um baita de um cheque sem fundo.

DE BETO ALBUQUERQUE, vice-presidente do PSB, sobre a rejeição ao governo Dilma que se seguiu à piora na economia e à crise com a base aliada.


CONTRAPONTO

Melhor amigo do homem

Thomaz Rodrigues Alckmin, o caçula do governador Geraldo Alckmin, era visto entre funcionários do Palácio dos Bandeirantes como o mais parecido com o pai entre os três filhos –a primogênita, Sophia, teria puxado mais à mãe, e Geraldinho seria o mais reservado.
Também tinha fama de tranquilo. É famosa a lembrança dele passeando de bermuda pelos corredores da residência oficial, com um filhote de pitbull na coleira.
A cena causava pânico entre funcionários do cerimonial paulista. A primeira-dama, Dona Lu, às vezes dava bronca, mas Thomaz acalmava os mais ressabiados:
–Não se assuste! Ladra, mas não morde, não…