Senado deve aceitar acordo proposto por Levy para dívidas com a União

Por Painel

Bom para todos? Renan Calheiros (PMDB-AL) ficou de consultar os líderes, mas o Senado deve aceitar nesta terça-feira o acordo proposto por Joaquim Levy (Fazenda) para o impasse na renegociação das dívidas de Estados e municípios. Levy acenou com a eventual devolução de valor pago a mais ainda no fim deste ano, mas os senadores presentes à reunião sabem que a prioridade do ministro será cumprir o superávit primário de 1,2% do PIB —para, só em 2016, encontrar uma solução definitiva.

Bairrista? Primeiramente, Levy acenou com um acordo que atendesse só a Prefeitura do Rio, mas foi alertado pelos senadores de que isso não resolveria a crise com os demais Estados e municípios.

Arauto A saída-tampão será apresentada pelo próprio ministro nesta terça em sessão da CAE (Comissão de Assuntos Econômicos).

apode3103painell

DNA Além de louvar quatro vezes a Lei de Responsabilidade Fiscal em almoço nesta segunda-feira com empresários em São Paulo, Levy em dado momento soltou: Uma das coisas que aprendi com o ministro Malan, ao citar o czar da economia de FHC.

Queimado 1 Ministros do STF e senadores fazem coro para reclamar da escolha de Sigmaringa Seixas como mensageiro dos nomes cogitados por Dilma Rousseff para a vaga aberta há oito meses no Supremo Tribunal Federal.

Queimado 2 Membros da corte dizem que Seixas, como advogado, defende clientes com interesses no STF, e a ele interessa ficar com a fama de credor de indicados. Como o papel tem sido recorrente, passou a incomodar.

Trincheira Com cinco nomes na bolsa de apostas para o STF, o STJ virou um campo minado. Basta um nome subir na bolsa de apostas para ser bombardeado pelos colegas. O clima ali não será bom para o governo depois desse processo, se preocupa um auxiliar da presidente.

Quebradeira 1 O presidente da Petrobras, Aldemir Bendine, mandou mensagem aos líderes na Câmara dizendo que a aprovação do projeto que susta o regime diferenciado de contratação da estatal quebraria a empresa. Conseguiu a retirada do texto da pauta do plenário.

Quebradeira 2 O governo paulista, por sua vez, acionou a bancada tucana para tentar impedir a validação de benefícios fiscais aprovados sem unanimidade no Confaz, conselho de secretários de Fazenda. José Serra também entrou na articulação.

Bola de neve O PSDB quer explorar no depoimento de Glauco Legatti à CPI da Petrobras nesta terça os 151 aditivos da obra da refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco. São R$ 7 bilhões, parte deles já depois da saída de Paulo Roberto Costa da estatal.

Coelhinha… Em mais uma aparição nas sessões da Câmara paulistana na periferia da cidade, Marta Suplicy, pré-candidata à prefeitura, prometeu verba de emendas.

… da Páscoa A senadora criticou Fernando Haddad e Gilberto Kassab e ainda assegurou que a renegociação da dívida passaria no Senado.

Ops! No início do evento, Nelo Rodolfo (PMDB) se confundiu ao cumprimentá-la. Queria saudar a nossa senadora Eduardo Suplicy… Nossa senadora Marta Suplicy!

Com lupa Dirigentes do PT paulistano se reúnem nesta semana com representantes da Polícia Federal para discutir o ataque à sede do diretório. Vão pedir que o órgão apure possível relação com o ataque ocorrido em Jundiaí.

Visita à Folha Geraldo Alckmin, governador de São Paulo, visitou ontem a Folha.


TIROTEIO

Com o regime mantido, a possibilidade de roubo na Petrobras continua. E, agora, o Congresso passa a ser responsável também.

DO DEPUTADO FÉLIX MENDONÇA JR. (PDT-BA), sobre adiamento da mudança nas contratações da estatal; ele pedirá à CPI que fiscalize os novos contratos.


CONTRAPONTO

Tradução simultânea

A divulgação de trechos da palestra de Joaquim Levy (Fazenda) a ex-alunos da Universidade de Chicago, na semana passada, ainda ecoava nesta segunda-feira durante almoço em São Paulo do qual o ministro participou com cerca de 600 empresários, promovido pelo Lide.

—Estamos ao vivo na TV Lide. O Palácio do Planalto pode acompanhar em tempo real disse João Doria Jr.

Diante das risadas no auditório, o anfitrião concluiu:

—O que é bom, porque ajuda a evitar misunderstanding [mal-entendido]. Aqui é a palavra direta e reta do ministro da Fazenda.