Cunha vai receber cúpula do Judiciário para debater pauta indigesta a Dilma

Por Painel

Boa vizinhança Eduardo Cunha (PMDB-RJ) vai receber presidentes de tribunais superiores em um jantar na residência oficial na próxima terça-feira para debater projetos de interesse do Judiciário. No topo da lista está a PEC da Bengala, que eleva a idade de aposentadoria compulsória nos tribunais de 70 para 75 anos e que o presidente da Câmara se empenha em aprovar. O projeto deve entrar na pauta da Câmara na quarta-feira. São esperados ministros do STF e do STJ e os presidentes do TCU, TST e TSE.

Na ferida No dia seguinte, Cunha terá um café da manhã com as grandes centrais sindicais —à exceção da CUT, ligada ao PT— para discutir o pacote que altera benefícios trabalhistas e previdenciários, que ainda precisa ser aprovado no Congresso.

Brother Os dois encontros foram organizados com ajuda de Paulinho da Força (SDD-SP), um dos deputados mais próximos de Cunha hoje.

Acelera… Jaques Wagner (Defesa) usou metáforas automobilísticas para analisar, no Twitter, as dificuldades do governo em política e economia: “Numa corrida de muitas voltas, não basta o piloto ser bom. Precisa ter uma estratégia para vencer”.

APODE2002PAINEL (1)

‌… Dilma “Agora precisamos fazer um pit stop e acertar a máquina para arrancar de novo. Isso é o ajuste fiscal e assim precisa ser compreendido por todos”, concluiu o ministro na rede social.

Realpolitik O chefe de gabinete de Miguel Rossetto (Secretaria-Geral), Jeferson Miola, escreveu artigo na revista “Carta Maior” antes de assumir em que diz que, “em nome da estabilidade”, o governo cedeu a partidos aliados “além do que poderia desejar o mais radical aliancista”.

Veneno “Em contrapartida, recebeu a doce dose de traição parlamentar”, completou o assessor, em referência à eleição de Eduardo Cunha para comandar a Câmara contra a vontade do Planalto.

Conta-gotas O governo de São Paulo acertou com agências federais a redução da vazão da represa Billings para geração de energia na usina Henry Borden. A ideia é assegurar água para transferência a represas que contribuem com abastecimento.

Na rua O MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto) fará uma marcha na quinta-feira até o Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista, para protestar contra a falta dágua em bairros da periferia e municípios da Grande São Paulo.

Pressão A entidade convocou 10 mil pessoas e quer fechar avenidas importantes no fim da tarde. O grupo exige ações como a doação de caixas dágua a comunidades de baixa renda.

Umbigo Prefeitos do interior paulista que não sofrem com a crise hídrica têm se queixado de um efeito que deveria ser positivo: seus habitantes também aderiram à economia de água, o que reduz a receita das empresas municipais de saneamento.

Bilhete único Alckmin passou a considerar a possibilidade de Clodoaldo Pelissioni, secretário dos Transportes Metropolitanos, acumular a presidência do Metrô.

Do zero O governo paulista considera remota a chance de que o segundo colocado na licitação da linha 4-Amarela assuma as obras, caso a rescisão do contrato se confirme. O desconto dado é considerado insustentável.

Visita à Folha Guilherme Afif Domingos, ministro da Micro e Pequena Empresa, visitou ontem a Folha. Estava acompanhado de Samuel Claudio, assessor, e de Vinícius Prado de Moraes, assessor de imprensa da Associação Comercial de São Paulo.


TIROTEIO

No aperto, Dilma sempre procura o colo de Lula. Danado é que esse colo já não dá o conforto que dava. É um abraço de afogados.

DO SENADOR JOSÉ AGRIPINO (DEM-RN), presidente nacional da sigla, sobre Dilma Rousseff ter recorrido a Lula dias depois da queda de sua popularidade.


CONTRAPONTO

Jogando fora de casa

Em encontro com instituições de ensino privadas, o secretário-executivo do Ministério da Educação, Luiz Cláudio Costa, ouviu críticas sobre mudanças no Fies e enfrentou reações da plateia ao defender as medidas. Após sua fala, José Roberto Covac, consultor de uma associação do setor, expôs os questionamentos e recebeu o aval do público. Costa notou a reação:

—Eu senti que o Covac foi mais aplaudido que eu… —ironizou, gerando gargalhadas do público.

—Com certeza! respondeu o assessor.

—Então já decidi: a próxima reunião é no MEC!