Sabesp quer tratar água do Pinheiros para combater crise de abastecimento

Por Painel

Alquimia Uma das apostas da chamada pública que a Sabesp lançou para ouvir projetos de empresas privadas para o combate à crise hídrica é retomar o plano de tratamento de água do rio Pinheiros e sua reversão para a represa Billings. A estatal quer que companhias ofereçam alternativas para tratar 5 m3/s do rio e revertê-los para o reservatório, em área próxima à barragem de Pedreira, para abastecimento público até maio. Outros 10 m3/s seriam destinados à geração de energia, até o fim do ano.

Tabu No passado, o grupo ambiental do Ministério Público contestou na Justiça a ideia do governo de despoluir o Pinheiros por flotação e revertê-lo para a Billings.

Arrependimento Jerson Kelman, presidente da Sabesp, tem dito que o governo deveria ter mantido o projeto, sustado em 2011.

Cilada Aliados de Fernando Haddad defendiam que o prefeito não fosse à reunião do comitê de crise hídrica, nesta sexta, com receio de que tivesse de dividir o ônus de decisões impopulares. O afastamento da possibilidade de racionamento imediato acalmou os petistas.

Quaresma Com a viagem de Rodrigo Janot aos EUA e o Carnaval, as denúncias e aberturas de inquérito do procurador-geral da República contra políticos citados na Operação Lava Jato devem ocorrer nos últimos dias de fevereiro ou início de março.

Diligente Luís Inácio Adams (Advocacia-Geral da União) se reuniu nesta quarta pela manhã com os ministros José Múcio e Vital do Rêgo, relatores no TCU de casos envolvendo a Petrobras. Horas depois, o tribunal concluiu a votação que bloqueou bens de ex-diretores da estatal, mas livrou Graça Foster.

Em família 1 O presidente da Abemi (associação de empreiteiras acusada de atuar no cartel da Petrobras) de 1996 a 2000 era Roberto Mendonça, irmão de Augusto Mendonça, da Toyo Setal, preso na Lava Jato que aderiu à delação premiada.

Em família 2 Augusto Mendonça disse no depoimento que os desvios na Petrobras começaram no governo FHC, justamente o período em que seu irmão mandava na entidade da construção.

Dois no tango Dilma Rousseff pretende privilegiar a CUT na hora de anunciar as inevitáveis concessões no bojo do ajuste fiscal em negociação no Congresso. Em detrimento do PT, se for preciso.

Negação O Palácio do Planalto decidiu não alimentar o embate com Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e trata as derrotas impostas pelo presidente da Câmara como tentativa de demonstração de poder.

Cinzas Aliados do peemedebista, entretanto, dizem que ele pretende dar novos recados após o feriado.

3D Em conversa informal no Ministério de Minas e Energia na terça-feira, os peemedebistas Renan Calheiros, Edison Lobão, Romero Jucá e Eduardo Braga se disseram surpresos com a força do debate sobre o impeachment de Dilma. Parece algo real, disse um deles.

A jato O relator da reforma política na Câmara, Marcelo Castro (PMDB-PI), vai priorizar a aprovação, antes de outubro, da coincidência de eleições. Prefeitos e vereadores eleitos em 2016 teriam mandatos de dois anos.

Bilateral O senador José Serra (PSDB-SP) apresentou nesta quarta a Michel Temer sua proposta de voto distrital para vereador em municípios com mais de 200 mil eleitores. O vice-presidente disse simpatizar com a ideia.

Visitas à Folha Joaquim Levy, ministro da Fazenda, visitou nesta quarta-feira (11) a Folha, a convite do jornal, onde foi recebido em almoço. Estava acompanhado de Fernando Thompson, assessor especial.

Carlos Rittl, secretário-executivo do Observatório do Clima, visitou nesta quarta-feira (11) a Folha. Estava acompanhado de Claudio Angelo, assessor.


TIROTEIO

O governo parte da ideia de que, quando um paciente está com dor de cabeça, o melhor tratamento é cortar a cabeça dele fora.

DE MIGUEL TORRES, presidente da Força Sindical, sobre proposta do governo de redução de despesas com programas relacionados à saúde do trabalho.


CONTRAPONTO

IMG_0954

Sai do chão

Convidado para ser um dos vice-líderes do governo, o deputado Silvio Costa (PSC-PE) brincou com o líder José Guimarães (PT-CE):

—Agora, quem vai ditar o ritmo das coisas é a oposição.

Em seguida, o pernambucano explicou sua tese para o petista em estilo pré-carnavalesco:

—Se vier com valsa ou uma música suave, a gente dança. Mas, se vier com arrocha, a gente vai arrochar!