Prioridade do Planalto é reverter percepção de que Dilma mentiu

Por Painel

Para sair das cordas O dado que mais preocupou o Palácio do Planalto na pesquisa Datafolha foi a noção de que Dilma Rousseff mentiu durante a campanha. A prioridade do governo será ampliar o debate sobre as medidas de ajuste econômico tomadas no início do mandato para recuperar a credibilidade da presidente. Outro foco será o Nordeste, onde a reprovação à petista disparou. Para reverter o quadro, Dilma vai retomar sua agenda de visitas e reforçar programas nos Estados da região.

Outro assunto O núcleo do Planalto teme “ficar refém” dos escândalos de corrupção e acredita que uma das saídas é recuperar a imagem de Dilma como gerente –bem aceita pela classe média no início do governo. Obras de infraestrutura e novos pacotes de concessões fazem parte desse remédio.

Prévia Levantamentos internos feitos pelo Planalto em janeiro já apontavam uma “queda brusca” na aprovação do governo. Além da corrupção na Petrobras, os entrevistados citavam como fatores negativos as mudanças no sistema de previdência e no seguro-desemprego.

Sem choro O governo ainda prevê mais desgaste com novas medidas de ajuste que devem ser tomadas pela equipe econômica, como o corte de desonerações e o fim de incentivos à indústria –mas não pretende recuar.

Nota vermelha “Se as contas não fecharem, nosso rating vai ser afetado. Não adianta nem reclamar”, diz um ministro de Dilma.

Em crise O desabamento da avaliação do governo aprofundou o distanciamento entre Dilma e a ala lulista do PT. Aliados do ex-presidente reclamam que os erros do Planalto colocam em risco “o projeto do partido” e a volta de Lula ao poder em 2018.

Sabe tudo A oposição quer aproveitar o ambiente para fortalecer os ataques ao governo na nova CPI da Petrobras. Mendonça Filho (DEM-PE) prepara a convocação do ex-gerente Pedro Barusco, delator do caso.

Castigo Oposicionistas também abriram campanha para derrubar o veto de Dilma à correção do imposto de renda, medida considerada impopular dentro do governo.

De mudança Beto Vasconcelos vai deixar a chefia de gabinete de Dilma para assumir a Secretaria Nacional de Justiça. A convite do ministro José Eduardo Cardozo, o advogado vai coordenar o pacto de combate à corrupção que a presidente prometeu após a campanha.

Timoneiro De perfil técnico e discreto, Vasconcelos vai articular políticas públicas e medidas para conter desvios em parceria com o Poder Judiciário, o Ministério Público e a Controladoria-Geral da União. A troca deve acontecer nos próximos dias.

Em campanha Edinho Silva (PT-SP), tesoureiro da candidatura de Dilma à reeleição, procurou parlamentares governistas e da oposição para discutir sua nomeação para a APO (Autoridade Pública Olímpica), que precisa da aprovação do Senado.

Do contra O Planalto se irritou com movimentos de Eduardo Paes (PMDB) contra a indicação de Edinho. Dilma disse a aliados que o prefeito carioca foi “desleal”.

Sem… Kátia Abreu (Agricultura) levou para seu novo gabinete um boneco do Sansão, coelho de pelúcia da Turma da Mônica –presente que ganhou de funcionários da CNA (Confederação Nacional da Agricultura) por seu temperamento forte.

… desaforo A ministra diz que Izabela Teixeira (Meio Ambiente) tem um boneco igual em sua sala.


TIROTEIO

Em apenas um mês de verdades após uma campanha cheia de mentiras, os brasileiros já decretaram o impeachment de Dilma.

DO LÍDER DO DEM NO SENADO, RONALDO CAIADO (GO), sobre a queda da avaliação da presidente Dilma Rousseff no início de seu segundo mandato.


CONTRAPONTO

Tribo socialista

Na audiência que o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), teve com índios caiapós na quarta-feira para discutir o projeto que altera a responsabilidade pela demarcação de terras indígenas, um líder tupi que não fazia parte do grupo chamou atenção dos demais. Filiado ao PSOL, ele se apresentou de maneira inusitada:
–Sou Paulo Apurinã, cacique do PSOL –disse.
Cunha aproveitou para brincar com o termo “cacique”, usado para designar dirigentes partidários.
–Ah, a presidência da Câmara já me deu a oportunidade de descobrir que no PSOL também tem cacique…