Governo vai usar cargos para tentar acordo após derrota na Câmara

Por Painel

Vão-se os dedos O governo sabe que terá de presentear os partidos aliados com cargos de segundo e terceiro escalões para amenizar o impacto da vitória de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) em primeiro turno para presidir a Câmara. O bloco liderado pelo PMDB terá de ser agraciado para evitar que essas siglas se posicionem contra Dilma Rousseff e reeditem a rebelião de 2014. O Planalto está convencido, ainda, de que terá de ampliar o espaço do próprio Cunha para tentar um acordo na pauta da Casa.

Ressaca O PT ficou furioso com PP e PRB, que têm ministérios, mas aderiram formalmente a Cunha. Caciques querem que eles percam espaço no governo, na contramão do que o Planalto deve fazer.

Mea… O comando da campanha de Arlindo Chinaglia (PT-SP) já mapeava os erros de manhã e lamentava que o partido não tivesse tentado um acordo com o PMDB, como queria Lula.

… culpa Coordenadores do petista se arrependem ainda de terem vetado a criação de um bloco avulso de PP, PR e PRB, que teria reduzido o blocão de Cunha e evitado a exclusão do PT da Mesa.

Morte anunciada Já o núcleo político do Planalto, responsabilizado pela bancada, concluiu que Cunha construiu “ascendência irreversível” sobre o plenário.

Troco Dirigentes ao PP explicaram que a decisão pró-Cunha foi porque deputados do Sul e Sudeste não se sentem representados pelo Ministério da Integração, que atende sobretudo o Nordeste.

Delivery O estafe de Cunha se espantou com os 100 votos de Julio Delgado (PSB) –achava que ele não chegaria a 80. Calcula que, no fim, Aécio Neves entregou 52 dos 54 votos do PSDB ao mineiro.

Na mosca Aécio comemorou o resultado. Defendeu sua estratégia dizendo que, sem que o PSDB tivesse garantido a terceira via, Chinaglia teria desidratado antes, o que forçaria o acordo do governo com o PMDB.

Pijama Fora da Câmara depois de 44 anos, o ex-presidente Henrique Alves (PMDB) não foi a Brasília para a posse. Ficou em Natal, mas monitorou a votação por telefone e atuou na negociação.

katiaabreuLouca para casar De volta ao Senado para a posse, a ministra Kátia Abreu (Agricultura) esperava impaciente para votar em Renan Calheiros (PMDB-AL). Como se casaria dali a duas horas, foi autorizada a furar a fila.

Previsão… Governistas e oposicionistas preveem que o Planalto terá dificuldade também no Senado. Os 31 votos de Luiz Henrique (PMDB-SC) revelaram a formação de um bloco disposto a barrar iniciativas de Dilma na Casa.

… do tempo Tucanos e aliados acreditam que conseguiram aglutinar um grupo mais forte de dissidentes da base e que terão mais facilidade para derrotar o governo no plenário e criar CPIs.

Fiador Já o Planalto espera ter “crédito” pela vitória de Renan com apoio maciço do PT. A expectativa é que o presidente da Casa seja, mais uma vez, o salvador do governo Dilma no Congresso.

Artilharia A assessoria técnica do PSDB coletou assinaturas de deputados novatos para as CPIs da Petrobras e do setor elétrico. Os tucanos querem protocolar os pedidos já nesta segunda-feira.
Falta pão A recondução de Mendonça Filho (PE) à liderança do DEM na Câmara foi precedida de briga. Onyx Lorenzoni (RS) ameaçou fazer uma devassa nas contas do partido e acusou o pernambucano de trabalhar pela fusão do DEM com outra sigla.


TIROTEIO

Você viu que eu ganhei esta eleição mesmo com tudo que o governo fez para me derrotar, né?

DE EDUARDO CUNHA (PMDB-RJ), novo presidente da Câmara, num desabafo para um colega que foi cumprimentá-lo após a vitória em primeiro turno.


CONTRAPONTO

#prontofalei

Na reunião dos líderes partidários para definir o espaço que cada bloco teria na Mesa Diretora da Câmara, Vicentinho (PT-SP) se apressou e disse antes da hora que seu partido cederia a vaga na 2ª vice-presidência para recompensar um aliado de Arlindo Chinaglia (PT-SP):
–A vaga que cabe ao bloco do PT será do PR –avisou, sem ser questionado.
Jandira Feghali (PC do B-RJ) o repreendeu:
–Não é pra contar isso agora, Vicentinho!
–Bom, agora eu já falei… –retrucou o petista, algo constrangido, provocando risos.