Dilma e PT viram alvo em festa de Cunha com baixo clero

Por Bruno Boghossian

“Foi um fracasso retumbante do time do Freddie Mercury e do Pepe Legal”, dizia aos risos um cacique do PMDB na mansão do Lago Sul, em Brasília, que recebeu a festa da vitória de Eduardo Cunha (RJ) na eleição para a presidência da Câmara. O esporte preferido dos peemedebistas na noite de domingo (1) foi fazer piada com a articulação política de Dilma Rousseff.

Os alvos eram os dois principais ministros da cozinha do Palácio do Planalto, que trabalharam pela candidatura de Arlindo Chinaglia (PT-SP) –segundo colocado, com quase metade dos votos de Cunha. Aloizio Mercadante (Casa Civil) era Freddie Mercury, vocalista bigodudo da banda Queen. Pepe Vargas (Relações Institucionais) virou Pepe Legal, desenho animado estrelado por um cavalo atrapalhado, que às vezes atirava no próprio pé.

O novo presidente da Câmara foi saudado por colegas de legenda e outros aliados, mas Michel Temer (PMDB) não apareceu. “Achamos que não era o momento”, disse um amigo do vice-presidente, em referência à rusga entre Cunha e o poder Executivo.

Mas cinco dirigentes de partidos estiveram por lá, quase todos pequenos. Os maiores caciques eram Marcos Pereira, do PRB de 21 deputados e do Ministério do Esporte, e Pastor Everaldo, comandante dos 12 parlamentares do PSC. Coincidência ou não, ambos são líderes evangélicos –assim como Cunha.

Everaldo se sentou em uma mesa perto da família de Cunha. No fundo do salão, estavam Levy Fidelix (PRTB), Daniel Tourinho (PTC) e Renata Abreu (PTN). As três siglas têm, juntas, sete deputados na Câmara.

Enquanto circulava, o presidente da Câmara dedicou um bom tempo às queixas dos partidos nanicos. Copo de uísque na mão direita, Levy Fidelix vociferava contra o líder do também diminuto PT do B, o ausente Luis Tibé.

“Ele é traíra! Queria f… a gente, vá pra China! A gente queria fazer um grupo para apoiar o Eduardo e ele tentou vender a gente pro governo em troca de carguinho!”, reclamava o ex-presidenciável.

Fidelix carregava no bolso do paletó um documento que provava que ele havia tentado aderir à candidatura de Cunha. O presidente do PRTB quer formar um bloco com outros partidos nanicos e conquistar o comando de uma comissão da Câmara.

No jardim, dois tucanos ficaram a noite toda em silêncio –duas aves de bico amarelo, presas em uma gaiola. Aécio Neves e seus correligionários nem chegaram perto da festa, apesar de dirigentes do PSDB terem comemorado a vitória de Cunha como gol em Copa do Mundo.

“É o início do fim do ciclo do PT”, disparava o deputado Danilo Forte (CE), candidato a líder do PMDB.

“O Pepe achou que era o cozinheiro do Congresso, mas vai ter que servir cafezinho”, disse outro peemedebista. “A grife do PT não anda muito vendável na praça”, completou um cacique.

Cunha adotava um ar republicano. “Eu não impus derrota nenhuma ao governo. Foram eles que se derrotaram”, afirmou.

Até o início da madrugada, o presidente dizia não saber se o Palácio do Planalto havia telefonado para comentar o resultado da eleição. “Fiquei sem bateria no celular. Não sei se alguém ligou.” Arlindo Chinaglia o procurou por volta das 22h. Telefonou para o gabinete, que transferiu a ligação para o celular do motorista de Cunha.

Depois de circular pelo salão por mais de uma hora, o novo presidente só conseguiu jantar à meia-noite. Dono da festa, não precisou pegar a fila: por trás da mesa do bufê, pediu que lhe servissem um pouco de talharim com tiras de filé mignon. “Eu vou tomar um vinhozinho, mas ali na mesa”, avisou ao garçom, que correu para providenciar uma taça de tinto.

Nem assim conseguiu jantar em paz. Enquanto comia com a família, ouvia cochichos de Geddel Vieira Lima (PMDB-BA), ex-ministro de Lula, que se sentou na cadeira ao lado e se curvava para falar em seu ouvido.

Cunha foi embora depois de 1h da manhã. Às 10h, teria seu primeiro compromisso institucional como chefe de poder, ao lado de Ricardo Lewandowski na abertura do ano judiciário no Supremo Tribunal Federal.