Com troca de secretários, Haddad tenta criar barreira contra Marta

Por Painel

Barreira anti-Marta Lula costurou com o prefeito Fernando Haddad as mudanças em seu secretariado com dois objetivos principais: amarrar o PMDB para a eleição de 2016 e neutralizar o estrago que Marta Suplicy pode provocar se deixar o PT e se lançar candidata por outra legenda. A presença de Gabriel Chalita, Eduardo Suplicy e Alexandre Padilha no secretariado de Haddad ajudaria a criar um “cinturão” junto a movimentos sociais, entidades e partidos com os quais a senadora tem trânsito.

Homem novo Petistas viram com bons olhos a acomodação de Padilha e Suplicy no secretariado de Haddad. Trataram os convites como um indicativo de que o prefeito está mais aberto à política do dia a dia, à qual até agora não dedicava atenção.

Não curtiu Paulo Frateschi, que dará lugar a Padilha, soube pelo Facebook que perderia o lugar na Secretaria de Relações Governamentais.

RH Resolvidas as pendências com os dois derrotados nas eleições majoritárias de 2014, o partido se dedica agora a encontrar ocupação para os 14 deputados que não renovaram os mandatos na Câmara ou na Assembleia.

Divórcio Haddad suspendeu as negociações para levar o PSD ao primeiro escalão municipal. Após meses de indefinição, a equipe do prefeito se convenceu de que não há interesse do partido de Gilberto Kassab em uma “união estável” com os petistas.

Alô, Marta? O PT mandou os primeiros recados para Marta, depois da entrevista da ex-ministra com duras críticas à sigla. Os caciques querem saber se a senadora está disposta a conversar sobre se fica ou sai, antes de tentarem uma abordagem direta.

Pra quê? Petistas dispostos a trabalhar pela permanência da senadora não gostaram de Paulo Vannuchi, diretor do Instituto Lula, ter respondido duramente a ela.

Recordar… O programa que o PRB leva hoje à noite à TV antecipa a disputa da Prefeitura de São Paulo em 2016.

… é viver No filme, Celso Russomanno diz que foi atacado injustamente na campanha de 2012, enquanto recortes de jornais mostram críticas feitas por Haddad.

Cacique… Carlos Nobre, presidente do Inpe, virou o homem mais consultado da República. Ministros como Aloizio Mercadante (Casa Civil) e Eduardo Braga (Minas e Energia) adotaram linha direta com o órgão para saber da previsão de chuvas que melhorem a situação dos reservatórios do Sudeste.

… Cobra Coral Nesta quarta-feira, o Planalto comemorava a previsão do Inpe de que, a partir desta quinta e durante todo o fim de semana, choverá forte na região das cabeceiras dos rios que irrigam São Paulo e Minas.

IMG_0898

Sono dos justos A Câmara abriu licitação para comprar 24 camas “king size” para os apartamentos funcionais de deputados. Espera pagar R$ 1.529 em cada.

Beija-mão Além de Joaquim Levy (Fazenda), que remarcará visita cancelada esta semana, a Fiesp receberá dois ministros: Helder Barbalho (Pesca), nesta quinta, e Armando Monteiro (Desenvolvimento), em fevereiro.

Cachimbo da paz O vice Michel Temer visita na segunda-feira o presidente da entidade, Paulo Skaf, com quem se desentendeu durante a campanha de 2014.

Visita à Folha George Hilton, ministro do Esporte, visitou ontem a Folha. Estava acompanhado de Paulo Rossi, coordenador de Comunicação, Ugo Braga, assessor especial, e Lucielen Barbosa, chefe do cerimonial.


TIROTEIO

Dilma mantém o time do desastre, faz tarifaço e nomeia um ministro que brinca com Deus, mas se entrega à Argentina. Esquizofrenia?

DO DEPUTADO JOSÉ ANÍBAL (PSDB-SP), sobre frase do ministro Eduardo Braga e a notícia de que o país importou carga adicional de energia da Argentina.


CONTRAPONTO

Cabe mais um?

Desde que foi convidado para assumir a Secretaria de Direitos Humanos da prefeitura paulistana, na segunda-feira, o senador Eduardo Suplicy (PT) tem demonstrado desconforto com a situação de Rogério Sottilli, que perdeu o cargo com sua nomeação.

Ontem, depois de uma reunião entre a dupla, os dois almoçaram com o prefeito Fernando Haddad. Entre outros assuntos, o trio tratou do futuro de Sottilli. Ainda receoso, o senador sugeriu ao prefeito:

—Fernando, se pudéssemos ter dois secretários à frente da pasta, seria muito positivo!