Tucanos criticam pedido para auditar urnas e falam em ‘burrada’

Por Painel

Tiro no pé O pedido de investigação das urnas eletrônicas gerou constrangimento entre políticos que apoiaram Aécio Neves. “Isso não ajuda a fortalecer as instituições. É preciso analisar com prudência o que é boato e o que é evidência”, reclama o presidente da Assembleia Legislativa de São Paulo, Samuel Moreira (PSDB). Sob anonimato, outros integrantes da oposição se referem ao pedido como “absurdo” e “burrada”. Eles dizem temer que a ideia fique carimbada como choro de perdedor.

Confiança Presidente do TSE quando a urna eletrônica foi estreada, em 1996, o ministro Marco Aurélio Mello diz acreditar no sistema. “Até aqui, confio plenamente. Se surgir prova de fraude, darei a mão à palmatória”, afirma.

Desconfiança O ministro ressalva que não vê problema no pedido de auditoria feito pelo PSDB. “Não dá para se entender que não cabe contestação em absoluto. Nada é infalível nesse mundo”.

Bico fechado Lula disse a amigos que ainda não trocou uma palavra com Dilma Rousseff sobre seu novo ministério. Aliados garantem que ele está disposto a opinar “apenas se for consultado”.

Mercado futuro Além do presidente do Bradesco, Luiz Trabuco, o economista-chefe do banco, Octavio de Barros, passou a ser cotado para a equipe econômica. Não como ministro da Fazenda, mas em algum posto forte da pasta ou do Banco Central.

Banco imobiliário Gilberto Kassab (PSD) está mesmo de olho no Ministério das Cidades. “Ele foi prefeito da maior cidade do país. Se a pasta é das Cidades, não há ninguém melhor”, diz um aliado.

 

Adolar

A volta do doutor Depois de ser cotado para ministro de Marina Silva e de Aécio Neves, Walter Feldman terminará o ano longe do poder. Sem mandato, promete tirar o jaleco do armário e voltar a atuar como médico. “Preciso sobreviver…”, conforma-se.

Ladeira abaixo Além da revisão da meta fiscal deste ano, o mau resultado das contas públicas já levou parte do governo a discutir a redução da previsão de superavit primário de 2015 —o que o Tesouro nega por enquanto.

Fio do bigode Ministros acreditam que será preciso anunciar uma meta mais baixa para dar um sinal claro ao mercado: o valor será cumprido e não haverá contabilidade criativa em 2015.

Segundo round Geraldo Alckmin (PSDB) rebate Luiz Fernando Pezão (PMDB). “A grande discussão sobre água não é São Paulo contra Rio, mas consumo humano contra produção de energia”, afirma. “Nós defendemos água para os dois Estados”.

Deixa comigo O governador paulista diz que a vazão do Paraíba do Sul para o Rio é três vezes maior que o necessário para o abastecimento. dos fluminenses. “Conversei ‘n’ vezes com o governo federal para que arbitre isso”.

Mão fechada Alckmin deve encerrar o mandato sem atingir sua meta inicial de R$ 80 bilhões em investimento ao longo dos quatro anos. O governo estima que terá gasto R$ 8 bilhões a menos.

Não deu De acordo com um secretário do governo tucano, o “salto” dos investimentos nos dois últimos anos não vai ser suficiente para compensar um início de mandato “travado”.

Agora pode Com a derrota de Tarso Genro (PT) no Rio Grande do Sul, sua filha Luciana Genro (PSOL), a ex-presidenciável, quer concorrer a prefeita ou vereadora de Porto Alegre em 2016. Há dois anos, ela não pôde se candidatar porque parentes de governadores são impedidos de disputar no mesmo território.


TIROTEIO

“O PSDB pediu auditoria da vitória de Dilma, mas não da estupenda virada de Aécio no primeiro turno. Dois pesos e duas medidas.”

DO DEPUTADO GUILHERME CAMPOS (PSD-SP), sobre o pedido de auditoria no resultado do segundo turno presidencial feito pelo PSDB à Justiça Eleitoral.


CONTRAPONTO

O João Alves do Conselho de Ética

Deputados costumam fugir da relatoria de processos de cassação de colegas na Câmara. Pelo regimento, três nomes são sorteados, e o presidente do Conselho de Ética escolhe um deles. Em 2012, o grupo sorteava quem comandaria processos contra dois deputados. Ao se ver na primeira lista, Sibá Machado (PT-AC) brincou:

—Ganhei na Mega-Sena, senhor presidente?

Todos deram risada. Quando Jorge Côrte Real (PTB-PE) foi sorteado pela segunda vez seguida, o presidente José Carlos Araújo (PSD-BA) não se conteve:

—Ganhar duas vezes na loteria é difícil, hein?