Escândalo na Petrobras é recebido como ‘péssima notícia’ por petistas

Por Painel

Só faltava essa As novas revelações sobre o escândalo na Petrobras foram recebidas como “péssima notícia” por dirigentes da campanha de Dilma Rousseff. Aliados admitem que o desgaste é inevitável, mas farão o possível para tentar blindar a presidente até o dia da eleição. A ordem no PT é reforçar o discurso de que não tolera a corrupção e já cobrou providências. Além disso, o partido sustentará que seu tesoureiro João Vaccari Neto, citado nas delações, não tem ligação com a campanha e o governo

Podia ser pior Ontem à noite, um ministro se dizia preparado para um cenário ainda mais adverso, com Aécio Neves (PSDB) isolado na liderança das pesquisas. Além disso, estavam prontos para vê-lo com Marina Silva, que voltou a adiar seu apoio.

Foi o morto A cúpula do PP vai tentar restringir ao ex-deputado José Janene, que morreu em 2010, a responsabilidade por qualquer envolvimento do partido com a corrupção na Petrobras. “É um passado que queremos esquecer”, diz um dirigente.

Casa do adversário O comando do PT pediu ajuda ao governador eleito de Minas, Fernando Pimentel, para buscar dados contra as gestões do PSDB no Estado. A ideia é achar números que mostrem “fracassos” na segurança pública e na educação.

Não deu Na terça-feira, dirigentes do PT telefonaram para o ainda presidente do PSB, Roberto Amaral, em uma última tentativa de evitar a adesão do partido a Aécio. O ex-ministro do governo Lula prometeu se esforçar, mas respondeu que a tarefa seria “muito difícil”.

Baixa a bola dele Dirigentes do PSB no Sudeste barraram a indicação de Beto Albuquerque para o lugar de Amaral. Temiam que o ex-vice de Marina passasse a dominar sozinho a legenda.

Que rei sou eu O escolhido, Carlos Siqueira, diz que foi surpreendido e ainda resiste a receber parabéns pelo cargo: “Vai que até segunda aparece outro consenso…”

Socialista e tímido Discreto, Siqueira se diz pouco animado com a projeção que ganhará: “Prefiro o anonimato. É um privilégio”. E como vai lidar com a timidez? “Prefiro nem pensar!”, responde.

Nossa líder Apesar de só 16% dos entrevistados pelo Datafolha admitirem que o apoio de Marina pode influenciar seu voto, o índice sobe para 40% entre quem diz ter escolhido ela no dia 5.

Melhor para ele Quase dois terços (65%) dos eleitores da terceira colocada afirmam que não votarão em Dilma “de jeito nenhum” no segundo turno. Apenas 18% dizem o mesmo sobre Aécio.

Turma do muro Entre quem votou em branco ou nulo, 55% admitem escolher Aécio, e 35%, Dilma.

No limite Aecistas estão perdendo a paciência com a demora de Marina para declarar apoio ao tucano. Eles reclamam de “arrogância” do grupo da ex-senadora nas negociações.

O que ela quer? Os tucanos se irritaram com os sucessivos pedidos do grupo da ex-senadora. “Ela colocou tantos bodes que parece querer deixar a sala intransponível”, diz um aliado.

Só se for a dois As equipes de marketing de PT e PSDB fecharam acordo para vetar perguntas de jornalistas nos últimos debates de TV entre os presidenciáveis.
apode1010painell
Guloso Do deputado aecista Lucio Vieira Lima (PMDB-BA): “O governo diz que a população deve trocar carne por ovo contra a inflação. Vejo solução melhor: trocar Dilma por Aécio. É uma dieta mais saudável”.


TIROTEIO

“A triste declaração de FHC é típica daqueles que nunca deram um ‘bom dia’ aos garçons e flanelinhas que os servem em Higienópolis.”

DO EX-MINISTRO ALEXANDRE PADILHA (PT), sobre fala de que o PT tem o voto dos “menos informados”. O tucano vive em Higienópolis, bairro nobre de SP.


CONTRAPONTO

O tucanato e as massas

O ato de apoio ao tucano Aécio Neves atraiu tanta gente ao Memorial JK de Brasília, na quarta-feira, que muitos aliados não conseguiram nem chegar perto do presidenciável. O senador eleito Tasso Jereissati (PSDB-CE) foi um dos que sofreram para dar um recado ao candidato. Apesar do aperto, saiu comemorando a confusão:
—Isso é melhor que qualquer pesquisa!
O prefeito de Manaus, Arthur Virgílio (PSDB), quase não conseguiu cumprimentar Aécio pessoalmente.
—Se eu não tivesse discursado, ele nem saberia que estou aqui… —brincou o ex-senador.