PT e PSDB começam hoje esforços para se aproximar de PSB e Marina

Por Painel

Com quem será Caso Marina Silva fique mesmo fora do segundo turno, PT e PSDB já devem começar hoje o esforço para se aproximar dela e do PSB. Aliados de Dilma Rousseff sabem que a ex-senadora está magoada com os ataques e já ficarão satisfeitos se ela permanecer neutra, como fez em 2010. A equipe de Aécio Neves sonha com um apoio formal, em nome da retirada do PT do poder. O vice de Marina, Beto Albuquerque, e o coordenador da campanha, Walter Feldman, devem ser as pontes da conversa.

Pedido de ex Se a ultrapassagem se confirmar, Fernando Henrique Cardoso vai procurar Marina para pedir apoio a Aécio. Do lado do PT, um ministro diz que Lula será fundamental no esforço para evitar uma adesão ao tucano.

Ver para crer Para o mesmo ministro, “não é impossível” sonhar com um apoio de Marina a Dilma. “Mas é difícil, e a conversa não pode ser no dia seguinte. Temos que mandar sinais aos poucos”.

Mim amigo Na última terça, dois dias antes do empate técnico, Aécio já fazia aceno a Marina. “A única crítica que fiz, e a incomodou, foi de que ela era do PT na época do mensalão e não saiu do partido. Mas isso não é crítica, é história”, disse à coluna.

Nos limites Na conversa, o tucano afirmou não ter apelado nas horas difíceis. “No momento de maior angústia, não baixei a cabeça. Fiz a campanha defendendo o que acredito e não me escorei no falso conservadorismo.”

Aqui, não O PSB não deve seguir Marina caso ela decida não apoiar ninguém, como fez o PV em 2010. “Não temos a tradição de ficar em cima do muro”, diz o presidente Roberto Amaral. Ele é amigo de Lula e próximo ao PT.

Padre Cícero Os aecistas já contam com o apoio do PSB em São Paulo, devido à ligação com Geraldo Alckmin. Agora o alvo principal será o Nordeste, região em que Aécio tem seu pior desempenho, com 14% dos votos válidos.

Herança de Dudu O foco da ofensiva tucana será Pernambuco, onde o PSB deve eleger Paulo Câmara no primeiro turno. Aécio tentará o apoio da família de Eduardo Campos. Pelo Datafolha, o tucano tem apenas 6% dos votos válidos no Recife.

Olho no mar Walter Feldman diz acreditar em uma “última onda silenciosa de consciência” pró-Marina. “Foi a campanha do medo, do terror e da mentira. Mesmo assim, chegamos vivos”, diz.

Fé na virada O marineiro Pedro Ivo Batista também aposta em uma reação. “O eleitor de Marina não é de pesquisa, é de urna”, arrisca.

Muda comigo O slogan de Dilma no segundo turno vai repetir o mote de seu último programa de TV: “Governo novo, ideias novas”.

Telhados de vidro O PT acredita que Aécio apostará no discurso contra a corrupção se for ao segundo turno. Mas o tema que mais preocupa o partido é a economia.

Filha ingrata Em jantar em Milão, pouco antes da Copa, Lula desancou Dilma a empresários. Disse que ela “não o consulta para nada” e se queixou de sua inabilidade política e da dificuldade de tocar o governo. O relato está na revista “Piauí” que vai às bancas amanhã.

Acelera, Ayrton Favorito à reeleição em São Paulo, Alckmin pediu a aliados que não estourem o champanhe antes da hora. “Estamos levando o carro na ponta dos dedos, como diz o Galvão Bueno”, brinca um aliado.

Quem diria No Rio, Tarcísio Motta (PSOL) aparece numericamente à frente de Lindberg Farias (PT) na capital: 10% a 9% no Datafolha.


TIROTEIO

“Aécio é o mais forte para derrotar o PT, ainda mais se Marina o apoiar. Espero que ela não repita o erro de 2010 se formos ao 2º turno.”

DO SENADOR ALOYSIO NUNES (PSDB-SP), vice de Aécio Neves, em resposta a Beto Albuquerque, vice de Marina Silva, que previu derrota tucana no 2º turno.


CONTRAPONTO

Não abre a mão nem para dar tchau

Depois de votar no segundo turno das eleições de 2010, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso foi questionado por repórteres sobre a relação com Lula durante os oito anos do petista no Palácio do Planalto.

Incomodado com os ataques da campanha de Dilma Rousseff, o tucano não pestanejou:

—Teria sido melhor se ele fosse um pouco mais humilde!

FHC disse que tentou estabelecer contato com o sucessor depois de transmitir a faixa, mas não teve sucesso.

—Já o convidei para tomar um café. Mas um só, porque ele sabe que eu sou pão-duro…