Marina perde mais eleitores na região Sul e entre os mais jovens

Por Painel

Ladeira abaixo O derretimento de Marina Silva (PSB) é mais intenso no Sul do país. Ela perdeu 14 pontos na região desde o início de setembro, apesar de ter escolhido o gaúcho Beto Albuquerque como vice. Aécio Neves (PSDB) ganhou dez pontos, e Dilma Rousseff (PT), outros seis. Marina também teve queda superior a dez pontos entre os eleitores mais jovens, os mais ricos e os mais escolarizados. Na faixa de até 24 anos, que engrossou as manifestações do ano passado, recuou de 39% para 28%.

Quem saiu Marina perdeu 11 pontos entre os católicos. Tinha 31% no início de setembro e recuou para 20%. Dilma e Aécio cresceram sete pontos cada no grupo. Têm 46% e 22%, respectivamente.

Quem ficou Os evangélicos pentecostais se mantêm firmes ao lado da ex-senadora, que é fiel da Assembleia de Deus. Ela perdeu apenas dois pontos no segmento. Dilma ganhou três, e Aécio, quatro.

Desânimo verde Os marineiros buscam argumentos para disfarçar o desânimo. Um dirigente do comitê diz que a situação poderia ser pior, caso Dilma tivesse continuado subindo rumo a uma vitória no primeiro turno.

Tapete azul Acuada pelos ataques, Marina tem tentado explicar individualmente a aliados sua posição na época em que o Senado aprovou a CPMF. Ela se diz “indignada” com Dilma, que a acusa de mentir sobre a votação.

Bate ou sopra? O PT quer analisar o derretimento da rival com lupa para decidir se continuará a atacá-la até domingo. Petistas prometem que o programa de TV que vai ao ar amanhã será leve e “100% propositivo”. Muitos dilmistas já acreditam que enfrentar Aécio pode ser pior.

Ela começou O ministro Miguel Rossetto, coordenador da campanha de Dilma, culpa Marina pela escalada de ataques: “Ninguém foi mais agressivo do que ela contra nós. Diz que o PT pôs um diretor para roubar a Petrobras e depois vem com essa vitimização dissimulada”.

Eu, não Rossetto diz que a campanha petista contra a candidata do PSB não foi agressiva “em hipótese alguma”. “Foi esclarecedora”, sustenta o ministro licenciado do Desenvolvimento Agrário.

Euforia tucana Antes da divulgação do Datafolha, Aécio já estava animado com pesquisas internas: “Há um mês, meu telefone quase não tocava mais. Agora estou andando com três celulares…”

Funcionou O vice Aloysio Nunes (PSDB-SP) diz que a tática de lembrar o passado petista de Marina deu certo. “Ser do PT é uma segunda pele. Não sai nunca”, diz o senador. Apesar da animação, os tucanos também devem concentrar os ataques em Dilma até domingo.

Alves

‌‌Haja coração Quando o cardiologista Sérgio Timerman foi chamado a discursar ontem em evento do PSB, Marina brincou: “É bom, porque se eu tenho um piripaque o Serginho me socorre…”

Entendeu? De Dilma, em ato com atletas no Rio: “O Cafu, como outros aqui que eu vou falar, o Cafu faz com que 203, 202 milhões de brasileiros hoje, mas nos jogos que ele participou, todos os brasileiros da época, tivéssemos uma reação única de unidade porque cada vez que ele ganhava uma medalha, a gente ganhava junto. É o jeito de nós, não esportistas, ganhar uma medalha.”

Acaba, juiz! Antes do debate entre os candidatos ao governo paulista, ontem à noite, um diretor da TV Globo disse à equipe de Geraldo Alckmin (PSDB) que o programa começaria com 30 pontos de audiência. “Para nós, era melhor que desse traço”, murmurou um tucano.

TIROTEIO

“No 2º turno, Dilma perderá o monopólio da televisão para nos agredir. Vamos passar a ter armas para lutar de igual para igual.”

DO DEPUTADO ALFREDO SIRKIS (PSB-RJ), aliado de Marina Silva, sobre a equiparação dos tempos de TV entre os dois candidatos que forem ao 2º turno.

CONTRAPONTO

Um aerotrem para a floresta

Com Marina Silva (PSB) sob ameaça de ficar fora do segundo turno, seus aliados passaram a se esfalfar por cada voto. Pedro Ivo Batista, da coordenação de campanha, tem investido nos funcionários de uma padaria próxima ao hotel em que fica hospedado, em São Paulo.

—Consegui trazer todos, menos um —conta.

O “rebelde” se encantou com o aerotrem de Levy Fidelix (PRTB) e pretende votar no nanico para chegar mais rápido ao trabalho. O marineiro não se dá por vencido:

—Se estivermos precisando de um votinho, farei pressão para incluir o aerotrem no nosso programa!