PT admite que delação de ex-diretor da Petrobras causará danos à campanha

Por Painel

Tensão no Planalto Dirigentes do PT admitiam ontem à noite que as novas revelações sobre desvios na Petrobras jogarão Dilma Rousseff na defensiva pelos próximos dias. Mesmo sem conhecer o teor completo da delação de Paulo Roberto Costa, o comitê petista estava certo de que o envolvimento de mais políticos no escândalo causará danos à campanha. A torcida dos aliados da presidente é para que o impacto da denúncia se dilua entre os parlamentares citados pelo ex-diretor da estatal.

E agora? Dilma tentará, segundo auxiliares, retomar o discurso de combate à corrupção. A depender do estrago, pode evocar a “faxina ética” do início do governo, quando afastou seis ministros.

Pânico Muitos deputados reagiram com desespero quando as notícias sobre a delação começaram a circular. À noite, os mais afoitos ligavam para integrantes do governo na tentativa de confirmar se haviam sido citados nos depoimentos.

Esperança O comitê de Aécio Neves (PSDB) se animou com a possibilidade de os danos se estenderem à candidatura de Marina Silva. A razão era o rumor sobre o eventual envolvimento de políticos do PSB no escândalo.

Zoológico O vice Aloysio Nunes (PSDB) estava ansioso para conhecer os nomes guardados na cartola do ex-diretor da Petrobras. “Espero que saia tudo: coelho, barata, rato, jacaré…”

Irritação Marina se diz “indignada” com os ataques do PT. Em conversa com dirigentes da campanha, ontem à tarde, ela acusou petistas de adotarem “postura de aloprados” para desgastá-la. A referência é à tentativa de compra de dossiê contra José Serra (PSDB) em 2006.

Comparação A candidata diz ser alvo de “mentiras em escala” na discussão sobre o pré-sal. Segundo marineiros, ela se irritou mais com isso do que com a propaganda que a comparou a Jânio Quadros e Fernando Collor.

Antídoto À espera de mais ataques, a campanha de Marina começou a publicar mensagens na internet em que ela defende programas sociais do governo federal, como o Bolsa Família e o Minha Casa, Minha Vida.

Mistério Lula insinuou ontem que aliados receberam vantagens para apoiar Paulo Skaf (PMDB) na disputa pelo governo paulista. “Tem partidos que foram para lá não sei por que razão. Certamente porque você não é simpático”, disse a Alexandre Padilha (PT), em ato do partido.

Suplalckmin Geraldo Alckmin (PSDB) é o candidato ao governo preferido entre os eleitores de Eduardo Suplicy (PT). No grupo que declara voto no senador, 42% escolhem o governador tucano, mostra o Datafolha.

Sobrou Skaf recebe apoio de 30% dos eleitores de Suplicy. O petista Padilha tem a preferência de apenas 15%.

Puro sangue A dobradinha de Alckmin e José Serra é a mais consistente. Entre os eleitores do tucano para o Senado, 77% também declaram voto no governador.

Adolar

Guloso Duas semanas depois de ser internado com infecção no intestino, Alckmin voltou a atemorizar seu secretário de Saúde, David Uip. “O governador já está bebendo café e comendo pastel e pernil. Ele precisa de um mágico, não de um médico!”

Polarizou No Rio, Luiz Fernando Pezão (PMDB) é quem mais se beneficia da rejeição de 44% dos eleitores a Anthony Garotinho (PR). Neste grupo, 39% dizem votar no governador. Outros 25% escolhem Marcelo Crivella (PRB), e 16% optam por Lindberg Farias (PT).

TIROTEIO

“Dilma adotou a fórmula das montadoras para demitir seu ministro: colocou Mantega em lay-off antes de mandá-lo para a rua.”

DE MIGUEL TORRES, presidente da Força Sindical, sobre a sinalização emitida por Dilma Rousseff de que vai trocar o ministro da Fazenda se for reeleita.

CONTRAPONTO

Um freguês indesejado

Os tucanos Geraldo Alckmin e José Serra fizeram campanha ontem em uma feira livre na zona norte de São Paulo. Enquanto caminhavam pelas barracas, um vendedor espichou o pescoço para ver quem estava por lá. Ao identificar Serra, fez cara de decepção:

—Achei que era o Suplicy…

O ex-governador, que agora é candidato ao Senado, não se deu por vencido. Foi puxar assunto e se apresentou ao comerciante. A investida fracassou. O feirante fez sinal de negativo com a cabeça e devolveu:

—Eu sou petista de coração!