Planalto promete ajudar o Congresso a ‘modernizar’ o futebol

Por Painel

Leite derramado Depois do vexame da seleção, o Planalto agora promete usar sua força política no Congresso para aprovar medidas de “modernização” do futebol. A ideia é aceitar um novo parcelamento das dívidas de clubes e federações, reivindicação da bancada da bola. Em troca, exigir a criação de mecanismos para punir dirigentes e clubes que se endividarem ou não pagarem os jogadores em dia. Apesar das promessas, o governo não apoiará a instalação de uma CPI para investigar a CBF.

Escalado Dilma Rousseff pedirá ao ministro Aldo Rebelo (Esporte) que se reúna com cartolas e representantes de atletas para negociar um pacote de consenso. Ontem ela sinalizou que voltará a receber o grupo Bom Senso FC.

Entalado Além da derrota para a Alemanha, a presidente ainda não engoliu dois gols contra: a vaia no Itaquerão, na abertura da Copa, e as declarações do ministro Gilberto Carvalho (Secretaria-Geral) de que não foi “só a elite” quem a hostilizou.

Camarote Em entrevista à jornalista Renata Lo Prete, que vai ao ar hoje na Globo News, ela disse que “o ministro Gilberto Carvalho tem a opinião dele”, mas que bastava olhar o estádio para ver que os torcedores eram gente de maior poder aquisitivo.

Nações Unidas Os encontros bilaterais de Dilma com chefes de Estado dos Brics começam segunda-feira, quando ela recebe Vladimir Putin (Rússia). Na quinta, será a vez de Narendra Modi (Índia) e Xi Jinping (China).

Agora pode A presidente marcou reunião com sindicalistas no início de agosto. Dirigentes de centrais reclamam que ela evitava recebê-los antes do período eleitoral.

Virando a esquina Três dias depois de receber o tucano Aécio Neves, o presidente da Convenção Geral das Assembleias de Deus, pastor José Wellington, viajou ontem com Pastor Everaldo, do PSC. Os dois reuniram cerca de 5.000 fiéis em Cacoal (RO).

Divulgação/PSC
Pastor José Wellington, da Assembleia de Deus, reúne 5.000 fiéis para orar por Pastor Everaldo (PSC)

Irmãos de fé Everaldo ainda se reuniu ontem com o pastor Silas Malafaia, que bateu duro em Dilma em 2010, e com o senador Magno Malta (PR-ES), que também queria concorrer ao Planalto. Garante que os dois vão apoiá-lo.

O dobro ou nada Aliados de Aécio estimam que sua estrutura de campanha será até duas vezes maior que a de José Serra em 2010.

Abre o cofre Os planos se baseiam na esperança de que o empresariado estará mais disposto a ajudar o mineiro do que o paulista. Por isso, o teto de despesas declarado pelo PSDB à Justiça Eleitoral decolou, alcançando os R$ 290 milhões.

Pororoca A Polícia Federal abriu 46 inquéritos para apurar as relações do doleiro Alberto Youssef, preso na Operação Lava Jato. Parte das investigações foca empreiteiras, agentes públicos e superfaturamento de obras.

Haja colchão O deputado Chiquinho Escórcio (PMDB-MA), que já foi “faz-tudo” da família Sarney, declarou à Justiça Eleitoral ter R$ 1 milhão em dinheiro vivo. Em 2010, ele declarou guardar R$ 270 mil em espécie.

Alves

Velho Oeste A declaração de bens do senador Roberto Requião, que disputa o governo do Paraná pelo PMDB, inclui uma “coleção de armas”. Seu valor foi estimado em R$ 10.000.

Visitas à Folha O deputado Alfredo Sirkis (PSB-RJ) visitou ontem a Folha.

Julio Semeghini, secretário de Planejamento do Estado de São Paulo, visitou ontem a Folha. Estava com Marcos Michelini e Flávia Goiriz, assessores de imprensa.


 

TIROTEIO

“Parece que o exercício do poder presidencial abafou aquele Lula de grande sensibilidade humana que conhecemos, em priscas eras.”

DO DEPUTADO CHICO ALENCAR (PSOL-RJ), sobre a ausência do ex-presidente Lula no velório de Plínio de Arruda Sampaio, que dedicou quase 25 anos ao PT.


 

CONTRAPONTO

Leitura comentada

Em junho de 2010, auxiliares de Carlos Ayres Britto discutiam com o então presidente do Tribunal Superior Eleitoral o impasse sobre a implantação do voto impresso nas urnas eletrônicas. Bolavam estratégia para barrar a proposta, mas o ministro só olhava o laptop.

—Presidente, os líderes dos partidos no Congresso não estão convencidos… —comentou um auxiliar.

O ministro assentia com a cabeça, disperso, e continuava digitando. Finalmente, ergueu a cabeça:

—Pronto, consegui! Estava há horas terminando um artigo sobre o aniversário da morte do Michael Jackson…