Câmara mantém bancada da bola em votações que afetam a CBF

Por Painel

Bola murcha O presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), negou pedido do deputado Romário (PSB-RJ) para afastar a chamada bancada da bola de votações que envolvem interesses da CBF. O ex-craque queria anular os votos de sete colegas que, em maio, livraram a entidade de ter que prestar contas de seus gastos e reservar 5% da receita para a formação de novos atletas. Alves arquivou o recurso do tetracampeão na segunda-feira, um dia antes de o Brasil ser eliminado da Copa.

A regra é clara O regimento interno da Câmara afirma que o deputado deve se declarar impedido de participar de qualquer votação “tratando-se de causa própria ou de assunto em que tenha interesse individual”.

O apito do juiz Na resposta ao Baixinho, Alves disse que o congressista só pode ficar impedido por “decisão pessoal”. Para ele, exigir afastamentos significaria “violação a uma das mais importantes prerrogativas do mandato, o voto parlamentar”.

7 a 1 Romário batizou de “deputados alemães” os sete colegas que votaram a favor da CBF: Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP), Guilherme Campos (PSD-SP), José Rocha (PR-BA), Jovair Arantes (PTB-GO), Rodrigo Maia (DEM -RJ), Valdivino de Oliveira (PSDB-GO) e Vicente Cândido (PT-SP).

Cartola FC Além de dirigentes de clubes, a lista inclui dois vice-presidentes regionais da Federação Paulista de Futebol: Campos e Cândido. Ambos são amigos do peito de Marco Polo del Nero, presidente eleito da CBF.

Vai começar O senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP) iniciará a coleta de assinaturas para instalar uma CPI da Fifa e da CBF. O deputado Otavio Leite (PSDB-RJ) quer votar projeto que endurece regras para os clubes.

Apareceu Ricardo Teixeira, o ex-presidente da CBF, andava sumido da Copa. Não anda mais: seu nome ressurgiu nas páginas policiais, em reportagens sobre o desvio de ingressos para cambistas.

Sumiu O ex-presidente Lula, que não perde uma chance para falar de futebol, ainda não deu uma palavra sobre o fiasco do Brasil. Antes do jogo, divulgou foto segurando a camisa da seleção.

Ponha-se na rua Gilberto Carvalho (Secretaria-Geral) anunciará hoje que 35.653 pessoas foram removidas de suas casas nas 12 cidades-sede da Copa. Cerca de 70% das famílias teriam renda de até três salários mínimos.

Outro lado O governo diz que a maior parte dos atingidos já foi realocada ou recebeu indenização. ONGs que acompanharam as obras contestam os números e estimam em 250 mil o número de pessoas removidas.

apode1007painel

Chá de cadeira Lula fez o aliado Eduardo Suplicy (PT-SP) esperar mais de um ano pela foto de segunda-feira. O senador pedia o encontro desde maio de 2013.

Sai pra lá Eduardo Campos (PSB) não gostou de ser listado como testemunha por Paulo Roberto Costa, preso pela PF: “Não recebi qualquer notificação oficial, mas acredito que quem está mais capacitado para falar da atuação dele na Petrobras são as pessoas que o nomearam e o mantiveram no cargo”.

Veja bem A cúpula da Convenção Geral das Assembleias de Deus diz que Aécio Neves (PSDB) é bem-vindo em seus templos. “Conhecemos e aprovamos sua capacidade e seriedade. É um candidato visto com bons olhos pela igreja”, afirma, em nota.

Bola pra frente E como escreveu o poeta Sérgio Vaz: o maior vexame da história do Brasil foi a escravidão.


TIROTEIO

“A eliminação da Copa era uma tragédia anunciada. Não podemos mais deixar nosso futebol nas mãos de um zumbi da ditadura”

DO SENADOR RANDOLFE RODRIGUES (PSOL-AP), sobre o presidente da CBF, José Maria Marin, que governou São Paulo por dez meses no regime militar.


CONTRAPONTO

Clandestino e cabeludo

De volta ao Brasil na clandestinidade, quase um ano depois do golpe de 1964, o líder estudantil José Serra improvisou um disfarce para não ser reconhecido pela repressão. Cultivou um “vasto bigode” e armou um topete.

—Por mais que hoje pareça implausível, eu tinha cabelo. O conjunto me dava uma aparência um tanto estranha —conta, no novo livro “Cinquenta Anos Esta Noite”.

A cara nova espantou um casal de amigos a quem ele fez uma visita surpresa. Serra se deu por vencido:

—Na mesma noite, desisti do disfarce. Raspei o bigode, penteei o cabelo para trás e voltei a ser eu mesmo.