Presidente do PP diz que convenção do partido vai confirmar apoio a Dilma

Por Painel

A vez do PP O presidente do PP, Ciro Nogueira, disse ao governo que o partido vai confirmar o apoio a Dilma Rousseff (PT) na convenção de amanhã. O Planalto chegou a temer pela aliança após a deserção do PTB, que surpreendeu os petistas ao migrar para o palanque do tucano Aécio Neves. “Não há nenhuma chance de não apoiarmos Dilma. Mesmo que todos os partidos desistam, vamos manter nossa coerência”, afirma Nogueira. Ele conta que já informou a decisão a Aécio, de quem se diz amigo.

Seguro-vaia Apesar das juras de apoio, o PP não convidou Dilma para seu ato político. O motivo foi o medo de ver a presidente constrangida por discursos contrários à aliança. “Mas podemos visitá-la depois da convenção”, diz Ciro Nogueira.

Resistência A ala aecista do PP contabiliza sete diretórios estaduais a favor de uma aliança com o tucano ou da neutralidade na eleição. Os focos da dissidência são Minas Gerais e Rio Grande do Sul, que têm as maiores bancadas do partido na Câmara.

Habeas corpus Dilma e Aécio cobiçam o tempo de TV da sigla, cerca de 1m20s por bloco. Para entregar a mercadoria ao Planalto, Nogueira promete não criar problemas aos Estados que escolherem apoiar o tucano localmente.

Revenda A cúpula do PP reclama do convite a Cesar Maia (DEM) para disputar o Senado na chapa do governador do Rio, Luiz Fernando Pezão (PMDB). O senador Francisco Dornelles (PP) havia desistido da reeleição para dar lugar a Sérgio Cabral (PMDB).

Bola nas costas Enquanto Aécio assistia ao jogo da seleção com a Força Sindical, em São Paulo, dirigentes da central articulavam uma dissidência pró-Dilma.

Bateu… O PSDB acionou Dilma e Aloizio Mercadante (Casa Civil) na Justiça Eleitoral por propaganda antecipada. Os tucanos alegam que o ministro usou a estrutura do governo no dia 15 para rebater declarações de Aécio na convenção tucana.

… levou A representação acusa Mercadante de ter repetido mote da propaganda do PT ao criticar o “governo tucano do passado”. O ministro usou a expressão em entrevista no Palácio do Planalto.

Apesar de você Embora Gilberto Kassab tenha sido vaiado na convenção do PT, o ministro Afif Domingos (Micro e Pequena Empresa) diz que não há chance de o PSD não confirmar amanhã o seu apoio à presidente. O ex-prefeito deixou o ato sem ouvir as falas de Lula e Dilma.

Dois patinhos… Na festa do PT, o presidente Rui Falcão pediu que os militantes resgatassem o espírito da eleição de 1989. Afif fez graça: “Eu estava lá…”

Adolar

… na lagoa Rival histórico do PT, o ministro foi candidato a presidente pelo PL (atual PR). Ficou em 6º lugar, mas ainda é lembrado pelo jingle de campanha. “Era um chiclete. Se as crianças votassem, eu teria sido eleito…”

No divã Kassab se esquivou do assédio de petistas que tentavam discutir a situação de seu partido em São Paulo. Disse que precisava de “um tempo para pensar”.

Vacina A campanha de Geraldo Alckmin prepara um slogan que neutralize o desgaste de 20 anos de PSDB no governo paulista. A ideia é repetir que ele promove uma “inovação permanente”.

Auxílio-bala Alckmin deve anunciar hoje um reajuste para as polícias Militar, Civil e Técnico-Científica. Para o deputado estadual Major Olímpio (PDT), não há mais tempo de aprovar o aumento com validade para este ano. “É safadeza do governador”, atacou, em carta a policiais.

 

TIROTEIO

“Dilma parece obcecada com a ideia de criador e criatura. Quer um plano de transformação para ver se o Brasil vira um Frankenstein.”

DO DEPUTADO JULIO DELGADO (PSB-MG), sobre o anúncio na convenção petista do lançamento de um plano de transformação nacional por Dilma Rousseff.


CONTRAPONTO

A revolta do baixo clero

Deputados discutiam no plenário o ingresso do Brasil em um grupo de pesquisa científica, no início de junho. O petista Arlindo Chinaglia (SP), que presidia a sessão, passou a palavra ao colega Sibá Machado (AC), que faria um comunicado em nome da liderança do PT.

Colbert Martins (PMDB-BA) interrompeu:

—Ele acabou de falar! Vai falar de novo?

Chinaglia ignorou o protesto e deu a palavra a Machado. Indignado, Onofre Santo Agostini (PSD-SC) estourou:

—Vamos acabar com a ditadura dos líderes, que falam a qualquer hora. É um desrespeito ao baixo clero!