PR apoia Dilma e frustra aliados de Aécio

Por Painel

PR com Dilma O comitê de Aécio Neves foi avisado ontem pelo PR de que o partido vai mesmo apoiar a campanha de Dilma Rousseff. O recado frustrou aliados do senador mineiro, que sonhavam com mais uma baixa no palanque presidencial. Segundo o relato dos tucanos, o PR informou que o Planalto aceitou trocar o apoio pela cabeça do ministro dos Transportes, César Borges. Ao lugar dele, voltaria Paulo Sérgio Passos. A sigla tem como dote cerca de 1min10s em cada bloco de propaganda na TV.

Liquidação Com as idas do PR para o palanque de Dilma e do PTB para o de Aécio, agora restam dois partidos na prateleira das alianças nacionais: PSD e PP. Os dois terão uma semana para se definir.

Café indigesto Às 8h de sábado, petistas ainda tomavam conhecimento da migração do PTB para o ninho tucano. A perda repentina do aliado era o assunto de parlamentares que embarcavam em Congonhas para o lançamento da candidatura Dilma.

‌Tem certeza? O líder Vicentinho (PT-SP) transmitiu a notícia a um incrédulo Candido Vaccarezza (PT-SP). “Mas isso é aqui em São Paulo?”, ouviu. “Não, é nacional”, respondeu o metalúrgico.

Não gostei Vicentinho estava chateado com a surpresa, noticiada a poucas horas do início da convenção do PT. “Por que não avisaram antes?”, perguntou à coluna. “É muito ruim isso.”

Para inglês ver Dirigentes da campanha de Dilma ironizaram a marca Plano de Transformação Nacional, que ela anunciou no sábado. Dizem que até o nome do pacote pode ser abandonado.

Água na canoa Antes da convenção, Michel Temer avisou a Lula que mais diretórios do PMDB estão se aproximando de Aécio. Relatou problemas em Piauí e Goiás. Não parecia saber que o governador do Rio, Luiz Fernando Pezão (PMDB), iria à casa do tucano no dia seguinte.

Dia de fúria Quem falou com o prefeito do Rio, Eduardo Paes (PMDB), diz que ele viveu um domingo de ira por causa da aliança do seu partido com o ex-prefeito Cesar Maia (DEM), que concorrerá ao Senado. À noite, mandou soltar nota chamando a união de “bacanal eleitoral”.

Porta da rua Para conhecedores da trajetória de Paes, que tem 44 anos e já passou por cinco partidos, o episódio deve antecipar o seu desembarque do PMDB.

Retardatário O ex-governador do Rio Sérgio Cabral notou uma evolução com a posse do sucessor. “O governo melhorou muito. Eu sou o rei de chegar atrasado, o Pezão não atrasa nunca…”

Café frio Em ato político no sábado, Cabral observou que Pezão olhava para o relógio enquanto ele discursava. “Ele nunca olhava o relógio quando eu falava. Você dá o poder e o cara já se sente…”

Dois contra um O candidato do PT ao governo de Minas Gerais, Fernando Pimentel, tem dito a aliados que o PSB de Eduardo Campos será “linha auxiliar” de Pimenta da Veiga (PSDB), o candidato de Aécio no Estado.

Efeito colateral O petista reconhece que o lançamento de Júlio Delgado (PSB) pode ajudar a levar a eleição para o segundo turno. No entanto, as desistências do PSB em São Paulo e Rio lançaram novas dúvidas sobre a candidato própria em Minas.

Linha albanesa O ex-ministro Orlando Silva (PC do B) foi a Brasília para a festa de Dilma, mas não estava bem-humorado quanto às negociações com o partido em SP. Os petistas ainda não entregaram a suplência na chapa ao Senado. “Estão abusando da nossa paciência!”, disse.


TIROTEIO

Na capital, Campos vai tentar aparecer com Marina e esconder Alckmin. No interior, o contrário. É a política mais velha que existe.

DE PEDRO TOBIAS (PSDB-SP), deputado estadual, sobre a aliança entre Eduardo Campos (PSB) e o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB).


CONTRAPONTO

Promessa de campanha

A atração entre o senador Romero Jucá (PMDB-RR) e o Palácio do Planalto independe dos partidos que o ocupem. Ex-líder dos governos FHC, Lula e Dilma, ele parece bem cotado para voltar ao cargo caso a oposição vença a eleição. No último dia 3, Jucá pediu aos colegas que não deixassem o plenário para votar um projeto. Os tucanos foram tão obedientes que Aníbal Diniz (PT-AC) fez piada:

—A bancada do PSDB está bem disciplinada!

O presidenciável Aécio Neves (PSDB-MG) se animou:

—Quero registrar que eu voto com o líder de hoje e de amanhã, Romero Jucá!