Lula convoca PT e presidente do BNDES para criticar política econômica

Por Painel

Luiz Inácio falou Três dias depois de reclamar da política econômica do governo, Lula elevou ontem o tom das críticas, em reunião com as cúpulas do PT e da campanha de Dilma Rousseff. A portas fechadas, deixou claro que está irritado com a desaceleração da economia e preocupado com seus efeitos na eleição. O ex-presidente cobra medidas de impacto para recuperar a confiança dos investidores. Além disso, culpa o “ambiente político” e os candidatos de oposição pelo mau humor do mercado.

Quem manda Lula convocou para o encontro o presidente do BNDES, Luciano Coutinho. Ele deu palestra aos petistas durante o horário de expediente do banco.

Onde manda A sede do BNDES fica no Rio. A reunião foi realizada à tarde no hotel da zona sul de São Paulo onde Lula costuma promover eventos de seu instituto.

Mãos atadas Coutinho disse aos petistas que o cenário internacional continua instável, com queda da liquidez e possível aumento dos juros nos EUA. Diante disso, o Brasil não teria margem para “grandes iniciativas”.

Copo meio cheio Depois de analisar a conjuntura, o economista afirmou que o país pode crescer menos este ano, mas vai crescer.

Quem dança No governo, as bordoadas de Lula em Arno Augustin, secretário do Tesouro, foram interpretadas como um recado ao mercado: se Dilma se reeleger, a equipe econômica vai mudar.

Bem me quer O vice Michel Temer vê três cenários para a votação que deve confirmar o apoio do PMDB a Dilma. No otimista, com 80% de votos a favor, ele ganharia força na campanha e na formação de um novo governo.

Mal me quer No cenário mais realista, a aliança terá dois terços dos votos e tudo ficará como está. No pessimista, de vitória apertada do “sim”, o partido perderia peso nas negociações com o PT.

Acredita em mim Apesar da adesão de aliados a Aécio Neves (PSDB), o governador do Rio, Luiz Fernando Pezão (PMDB), jura fidelidade a Dilma. No entanto, reclama da oposição do PT local. “A cada dia em que eles batem na gente, o clima fica pior.”

Eu voltei Animado com o Datafolha que apontou sua liderança na corrida ao Senado em São Paulo, José Serra reapareceu ontem em evento no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo estadual.

Resta um Se embarcar na disputa com Eduardo Suplicy (PT), o tucano dará trabalho a articuladores de Geraldo Alckmin, que já se esforçam para acomodar PSB e PSD na chapa do governador.

Levanta daí Ministro e vice-governador, Guilherme Afif (PSD) tomou a cadeira de Alckmin na solenidade. De pé, o tucano sorriu amarelo atrás do desafeto.

Adolar

Sonho meu Alertado, Afif trocou de lugar. “O pior é que a legislação impede que eu seja governador e ministro ao mesmo tempo”, brincou.

Aquele abraço Gilberto Gil gravou vídeo em apoio à criação do programa Cultura Viva, da deputada Jandira Feghali (PC do B-RJ). A fala será transmitida hoje no Senado.

Ilha de Caras O convite a Gil foi ideia de Renan Calheiros, que se animou com a visita da apresentadora Xuxa Meneghel na semana passada.

Visita à Folha Maurício de Sousa, presidente da Maurício de Sousa Produções, visitou ontem a Folha. Estava acompanhado de Mônica S. e Sousa, diretora-executiva, Larissa Purvinni, gerente de estratégia digital, e Maristela Mafei, diretora-geral da Máquina Public Relations.

TIROTEIO

“Negociar pressupõe manter a palavra para ter credibilidade. O governo paulista quebrou o básico, e não me parece que agiu de boa fé.”

DE LUIZ ANTONIO MEDEIROS, superintendente do Ministério do Trabalho, que disse ter recebido promessa de readmissão dos metroviários grevistas.

CONTRAPONTO

Uma vez Flamengo…

No último ato de prestação de contas dos deputados do PSOL, promovido todas as sextas no centro do Rio, Chico Alencar citou a presença de uma filha.

—Está aqui um dos meus quatro melhores projetos, feitos em parceria, claro. Minha caçula, Nina!

Um motorista de ônibus, que ouvia o discurso diante do sinal vermelho, abriu a porta do coletivo e brincou:

—Quero me eleger seu genro, deputado.

Torcedor do Flamengo, Alencar avistou uma bandeira do Vasco no vidro atrás da poltrona do condutor:

—Acho que você não vai ter legenda, parceiro!