Aécio empata com Dilma entre eleitores de Alckmin

Por Painel

CAFÉ SEM LEITE O paulista Geraldo Alckmin ainda não ajudou o mineiro Aécio Neves a decolar no maior colégio eleitoral do país. Entre os eleitores do governador, o presidenciável do PSDB tem apenas 25% das intenções de voto. Está tecnicamente empatado com Dilma Rousseff (PT), favorita de 24% dos alckmistas. Se o quadro não mudar, os tucanos viverão uma revanche de 2006. Naquele ano, Alckmin tentou a Presidência e sofreu com o voto “Lulécio”, que uniu Lula e Aécio em Minas Gerais.

À deriva Segundo o Datafolha, 23% dos alckmistas dizem não ter candidato a presidente. Outros 10% não sabem em quem votar. O governador tem aparecido pouco na pré-campanha de Aécio.

Doce vampiro Os serristas, quem diria, são mais generosos com o mineiro. Entre os que pretendem votar em José Serra (PSDB) para o Senado, Aécio tem 28%. Dilma aparece com 18%.

Dilmalckmin No eleitorado de Dilma, o governador tucano tem quase metade (48%) das intenções de voto. Paulo Skaf (PMDB) aparece com 20%, e o petista Alexandre Padilha, com apenas 8%.

Terceira via Alckmin só não venceria entre os apoiadores de Eduardo Campos (PSB). Quem lidera no grupo é Skaf, com 40%. O governador está colado, com 39%.

Então, tá Os tucanos tentam ver um ponto positivo no inquérito contra ex-secretários de Alckmin suspeitos de participar do cartel dos trens. O STF rejeitou pedidos de cooperação internacional, que tornariam a investigação mais longa.

Quanto pior… Aliados de Skaf comemoraram essa decisão, que pode constranger a campanha tucana. No front petista, Padilha já se esforçava para explicar citações na Operação Lava Jato da PF.

Na rebarba Skaf ainda sonha em se beneficiar com a disputa entre PSD e PSB pela vice de Alckmin. Michel Temer disse ao pessedista Gilberto Kassab que as portas do PMDB seguem abertas.

Esconde-esconde O governo vai retirar do ar propagandas que contenham marcas de programas federais. Quer evitar problemas com a Justiça Eleitoral.

Imprevisto Aécio Neves estará na convenção do PSDB de Minas, nesta terça. Vai retomar as conversas sobre seu vice. O tema seria discutido hoje, após reuniões no Recife, mas a viagem foi adiada com o nascimento prematuro de seus filhos gêmeos.

Apostas Em Minas, será debatida a opção do ex-senador Tasso Jereissati como vice. Mas os tucanos ainda sonham com Henrique Meirelles, ex-presidente do BC, caso o PSD abandone Dilma.

Quem não chora… Michel Temer prometeu a aliados do PMDB ser agressivo na cobrança de cargos caso Dilma seja reeleita. Disse que pedirá pastas poderosas, com direito a indicar os subordinados ao ministro.

… não mama O vice exigirá ainda presença de peemedebistas no núcleo da campanha. Para aprovar a aliança na convenção do partido, também quer que os ruralistas opinem na preparação do programa de governo.

‌Estranho no ninho O marqueteiro de Eduardo Campos (PSB), Diego Brandy, ganhou ingresso para Brasil x México em Fortaleza. Preocupado com a ida do argentino ao Castelão, um colega de campanha sugeriu que ele fique na torcida mexicana.

Preso caro A União pode pagar até R$ 290 mil para um escritório de advocacia italiano no processo de extradição de Henrique Pizzolato, condenado no mensalão.


TIROTEIO

“Esse decreto foi um erro e uma agressão ao parlamento. O assunto deveria ser tratado por lei. O Congresso vai acabar derrubando.”

DO DEPUTADO EDUARDO CUNHA, líder do PMDB na Câmara, sobre o decreto presidencial que obriga realização de consultas públicas em órgãos do governo..


CONTRAPONTO

Furto (nem tão) famélico

Na semana passada, a segunda turma do STF votou um pedido curioso de habeas corpus. Uma mulher foi presa em Minas Gerais por roubar cinco embalagens de lombo de bacalhau. O relator, Gilmar Mendes, defendeu que ela devia ser libertada por ter cometido o crime só para se alimentar. Foi vencido pelos colegas, que acharam o valor do roubo, R$ 360, alto demais.
—Além do bacalhau, vemos no processo que ela também levou uma lata de azeite. Estava tentando fazer uma bacalhoada? —questionou Ricardo Lewandowski, provocando risos dos colegas.