Rompimento em MG abre crise entre PSB e PSDB

Por Vera Magalhães
Júlio Delgado, pré-candidato do PSB ao governo de Minas, ao lado do presidenciável do partido, Eduardo Campos (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
Júlio Delgado, pré-candidato do PSB ao governo de Minas, ao lado do presidenciável do partido, Eduardo Campos (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

O presidente do PSB de Minas Gerais e agora pré-candidato do partido ao governo do Estado, deputado Júlio Delgado, reagiu nesta terça-feira (20) à crítica feita pelo presidente do PSDB local, Marcus Pestana, ao rompimento do acordo prévio entre as siglas na sucessão estadual.

“Do PSB cuidamos nós. O PSDB deveria cuidar de apaziguar as insatisfações internas, que partem, inclusive, de pessoas da cúpula do partido, com a candidatura Pimenta da Veiga, que não empolgou ninguém”, disse Delgado à coluna.

Delgado reagiu a uma entrevista de Pestana ao blog do jornalista Josias de Souza, em que o tucano evoca a memória do deputado Sérgio Guerra (PE), que morreu este ano, para dizer que o partido traiu um acordo selado com o PSDB.

Procurado pela coluna, Pestana reafirmou as críticas: “Em política, a palavra dada é tudo”. Afirmou que a aliança entre as siglas em Minas começou em 2002 e que o rompimento é um “contrasenso”. Ele negou que haja resistência interna à candidatura do ex-ministro Pimenta da Veiga. “Fizemos um evento na segunda-feira que reuniu 5.000 pessoas”, afirmou.