PT vai manter estratégia ofensiva de propaganda contra adversários

Por Painel

Vem pro ringue A inflexão feita pelo PT na propaganda, ao associar uma eventual vitória da oposição ao risco de retrocesso nas políticas sociais e de renda, veio para ficar. O partido pretende usar a hegemonia de tempo de TV na campanha para “chamar a oposição para o debate”, nas palavras de um conselheiro de Dilma Rousseff. A avaliação é que Aécio Neves (PSDB) e Eduardo Campos (PSB) pisaram no freio depois que o PT e o governo passaram a responder diretamente às críticas contra a presidente.

Resta um Ao definir o campo (políticas sociais) e o adversário (o PSDB), a propaganda petista deixou deliberadamente de fora a dupla Campos e Marina Silva. A ordem é ignorar o pessebista enquanto ele não mostrar que tem musculatura para crescer nas pesquisas.

Veste Prada A aposta no QG dilmista é que a vice na chapa de Aécio será a ex-ministra do STF Ellen Gracie.

RSVP O PP marcou para o dia 27, em Brasília, um almoço em que anunciará o apoio formal à reeleição de Dilma.

Às falas Gilberto Kassab (PSD), que já declarou apoio a Dilma, mas pode ser vice de Geraldo Alckmin em São Paulo, pediu audiência com a presidente. O encontro deve ser na segunda-feira (19).

Faltou avisar Guilherme Afif, que acumula a vice de Alckmin e um ministério de Dilma, se opõe à reaproximação do PSD com os tucanos.

Partiu Carlos Siqueira, coordenador-geral da campanha de Campos, trata como “consolidada” a decisão de o PSB lançar candidatura própria ao governo de Minas Gerais e romper com o PSDB.

APODE1505PAINEL

Zoo Paulo Skaf, que mostrou uma zebra em sua campanha na TV, em 2010, agora usa um pato no spot de rádio em que critica o governo Alckmin pela crise hídrica em São Paulo. O marqueteiro é o mesmo: Duda Mendonça.

Melhor não Os governistas que prepararam o plano de trabalho da CPI da Petrobras no Senado chegaram a discutir a convocação do ex-diretor Paulo Roberto Costa, para passar a imagem de que a investigação não seria chapa-branca. Desistiram e deixaram seu nome de fora.

Multitarefa Pelos cálculos dos aliados de Dilma, mais um fator pode contribuir para o esvaziamento ou a lentidão das CPIs: o Congresso não teria estrutura e pessoal suficientes para suportar três comissões.

Foro O petista Carlos Zarattini (SP) tentou convocar o conselheiro do TCE-SP Robson Marinho para depor na Câmara sobre denúncias de que teria recebido propina da Alstom. O pedido foi barrado pelo presidente da Comissão de Relações Exteriores, Eduardo Barbosa (PSDB-MG).

Vaivém Aliados do governo que acompanharam a elaboração do Marco Civil da Internet acreditam que as alterações propostas por Aloysio Nunes (PSDB-SP) podem abrir brechas para a quebra da neutralidade, favorecendo empresas telefônicas

Pressa O relator da CPI dos Pedágios na Assembleia paulista, Davi Zaia (PPS), sugeriu manter os trabalhos do grupo no recesso de julho. Petistas acusaram manobra para que a comissão se encerre em setembro, e não se aproxime ainda mais da eleição.

Vem cá O governo paulista fará novo evento para oferecer pacote de bondades a prefeitos e, ao mesmo tempo, afagar a Assembleia. Vai liberar, por enquanto, R$ 300 milhões em emendas de deputados para convênios, em bloco, na próxima terça-feira. No último evento semelhante, reuniu 556 prefeitos.

 

TIROTEIO

“Depois de criticar a ação da polícia e dar dinheiro sem exigir tratamento, a prefeitura agora monta um camarote para os usuários.”

DO VEREADOR ANDREA MATARAZZO (PSDB-SP), sobre o cercadinho armado pela gestão Fernando Haddad (PT) para concentrar viciados em crack em SP.

 

CONTRAPONTO

Do outro mundo

Na tribuna da Câmara, durante o debate sobre ampliação do Supersimples, o deputado Anthony Garotinho (PR-RJ), elogiava o conhecimento do colega Marcus Pestana (PSDB-MG) em questões tributárias.

— A exemplo de outro grande entendido na matéria aqui desta Casa, seu colega de partido, o deputado Mussa Demes —afirmou.

Ao final, Garotinho foi alertado de que Demes (DEM-PI) morreu em 2008. Admitiu, então, que queria ter citado o tucano paulista Mendes Thame.

— Fica como homenagem póstuma…