Para obter apoio nos Estados, Campos busca aumentar dissidência no PMDB

Por Painel

Pelas beiradas O presidenciável Eduardo Campos (PSB) age para aumentar a dissidência no PMDB e angariar apoio da sigla em Estados em que o partido resiste em apoiar a reeleição da presidente Dilma Rousseff. Um dos principais alvos dos pessebistas passou a ser Eunício Oliveira (CE), líder peemedebista no Senado, que aparece à frente nas pesquisas sobre a sucessão de Cid Gomes (Pros). O arranjo daria a vice do ex-ministro de Lula ao PSB e poderia incluir o tucano Tasso Jereissati para o Senado.

APODE1305PAIINEL

‌‌Com quem será? Geraldo Alckmin (PSDB), Paulo Skaf (PMDB) e Alexandre Padilha (PT) disputam as quatro “noivas” da sucessão paulista. O PSD está propenso a fechar com o tucano; o PP, com o petista, e o PDT está dividido entre Padilha e Skaf.

Canelada Já a crise do PR com Dilma atrapalha a aliança em São Paulo. O mal estar será levado ao programa de TV da sigla, cujo slogan é: “Em time que está ganhando se mexe”. O ministro dos Transportes, Cesar Borges, não foi escalado para gravar.

DR Num sinal de que o namoro com Gilberto Kassab (PSD) empacou, dirigentes do PMDB começam a fazer ressalvas à possível indicação de Alda Marco Antônio para a vice de Skaf. Ela trocou o PMDB pelo PSD em condições pouco amistosas.

Eu, não Ministros de Dilma se preocupam com a possibilidade de Kassab, aliado do PT na sucessão nacional, ser vice de Alckmin. Procurado por emissários da presidente, o ex-prefeito negou que esteja prestes a firmar aliança com o tucano.

De cátedra O Palácio dos Bandeirantes ampliou a estratégia usar funcionários de perfil técnico para rebater declarações de Padilha. Dilma Pena, da Sabesp, e Casemiro Carvalho, da Secretaria de Logística e Transporte, foram escalados. A ideia é distanciar o tucano das críticas e do embate eleitoral antecipado.

Treino O governo federal monitora com preocupação a chamada “Superquinta”, prevista para depois de amanhã. A avaliação é que a extensão dos protestos será o melhor indicativo até agora da proporção que os atos podem atingir durante a Copa.

Dupla face Uma preocupação extra dos encarregados de informar o Palácio do Planalto sobre o potencial de estrago de greves é que muitos dos recentes movimentos foram convocados por grupos de oposição das entidades, e não pelas diretorias.

Em frente As vaias dirigidas a Dilma ontem em Minas, comandadas pela Juventude do PSDB, eram esperadas pelo Planalto. Assessores palacianos afirmam que o risco de as claques contrárias à presidente em eventos se tornarem frequentes não deve mudar sua agenda.

Tamo junto Líder do MST, João Paulo Rodrigues se reúne hoje, em Londres, com o ativista Julian Assange, do Wikileaks. O coordenador nacional do movimento dirá que a entidade, que já defendeu asilo para o sueco no Equador, apoia possível vinda dele para o Brasil.

Visitas à Folha Marco Aurélio Mello, presidente do Tribunal Superior Eleitoral e ministro do Supremo Tribunal Federal, visitou ontem a Folha, a convite do jornal, onde foi recebido em almoço. Estava acompanhado de Edevaldo Alves da Silva, fundador das Faculdades Metropolitanas Unidas, e de Kátia Cubel, assessora de imprensa.

Mônica S. e Sousa, diretora comercial da Maurício de Sousa Produções, visitou ontem a Folha. Estava com Larissa Purvinni, gerente de estratégia digital, e Maristela Mafei, diretora-geral da Máquina Public Relations.

TIROTEIO

A máscara caiu. De que adianta o governo Alckmin se vangloriar do aumento do valor da indenização se nenhum centavo é pago?

DO DEPUTADO MAJOR OLÍMPIO (PDT-SP), sobre o governo não ter indenizado famílias de policiais assassinados em razão da profissão, mesmo de folga.

 

CONTRAPONTO

Só não vai quem já morreu

Convidada para cantar na posse de Carlos Ayres Britto na presidência do STF em 2012, a cantora Daniela Mercury conta que ficou surpresa quando os ministros pediram que ela furasse a fila dos cumprimentos às autoridades.

—Não sabia que os ministros eram meus fãs —disse.

—Já vi que vocês todos são foliões! –brincou a presidente Dilma Rousseff.

—Já pulamos muito embaixo dela no Carnaval –emendou Joaquim Barbosa.

—Opa! Assim eu fico numa situação delicada! –retrucou a cantora, provocando gargalhadas.