Estratégia de mostrar Dilma como a mais apta para mudanças falhou

Por Painel

Mudar com quem? A pesquisa Datafolha mostra que falhou a estratégia, evidenciada no pronunciamento de TV de Dilma Rousseff no Primeiro de Maio, de mostrar que ela é a mais preparada para fazer mudanças, desejo de 74% dos eleitores. A vitória de Aécio Neves (PSDB) sobre a presidente como o candidato mais apto a fazer mudanças se ancora na classe média: ele saltou de 20% para 30% nesse item entre quem tem renda de 5 a 10 salários mínimos, e de 14% para 20% na faixa de 2 a 5 mínimos.

Não colou Dilma foi a única que oscilou para baixo como mais apta a fazer mudanças: Lula cresceu de 32% para 38% e Eduardo Campos (PSB), de 7% para 10%.

Se não tem tu… O Datafolha mostrou que 64% dos eleitores que declaram voto em Dilma no primeiro turno acham que o candidato do PT a presidente deveria ser Lula.

… vai tu mesmo Só 34% dos eleitores da presidente acham que ela deveria ser a postulante do partido.

Juntos Em cenário de segundo turno, Campos continua absorvendo votos do eleitorado de Aécio: tem 55%, enquanto só 25% dos pró-tucano votariam na presidente.

Separados Já Aécio perdeu espaço entre os eleitores do pessebista. Entre quem vota em Campos no primeiro turno, o tucano consegue atrair 49%, ante 54% de abril.

Fluxo livre Entre os entrevistados que dizem que votariam em Lula se ele fosse candidato, apenas dois terços declaram voto em Dilma. Ela tem 66% entre os lulistas, Aécio obtém 8% e Campos vai a 6% nesse segmento.

Mão única Já os eleitores de Dilma que dizem votar em Lula caso ele seja o candidato chegam a 87%. Outros 4% dos dilmistas preferem Aécio e 2% escolhem Campos caso a presidente se candidate.

Urbana 1 Dilma perdeu parte de seu eleitorado em municípios pequenos, com até 50 mil habitantes, mas ganhou espaço em relação a abril nos grandes centros.

Urbana 2 Nas cidades menores, a presidente tinha 48% em abril e agora aparece com 44%. Em municípios com mais de 500 mil habitantes, subiu de 31% para 34%.

Nova direção Horas depois de se eleger vice-presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia (PT) exonerou os servidores que trabalhavam no gabinete, antes comandado pelo ex-petista André Vargas. Alguns haviam sido indicados por outros deputados, que foram pegos de surpresa.

Bala… Em conversa preparatória para encontro da frente de prefeitos que terá como bandeira a renegociação da dívida de municípios com a União, Eduardo Paes (PMDB) disse que o governo Dilma age como um “agiota”.

… na agulha “Se o poder central continuar agindo como uma espécie de agiota, cobrando juros absurdos, dificilmente as cidades conseguirão enfrentar seus problemas”, afirmou o prefeito.

APODE0905PAINEL (1)

Antenada Na saída do Itaquerão, Dilma foi abordada por moradores e operários que queriam tirar fotos com ela. Depois de posar para várias “selfies”, a presidente comentou: “Já estou sendo chamada de Dilma Rousselfie”.

Visitas à Folha Alex Ellis, embaixador britânico no Brasil, visitou ontem a Folha. Estava acompanhado de Patrícia Torres de Mello, diretora de comunicação do UK Trade & Investment.

Vinicius Lages, ministro do Turismo, visitou ontem a Folha. Estava acompanhado de Ítalo Oliveira Mendes, diretor de Gestão Estratégica, e de Robrigo Bauer do Carmo, assessor de comunicação.

 

TIROTEIO

“Marina exala arrogância. Não bastando patrulhar Eduardo, quer patrulhar Aécio e o eleitorado. Ele vai ao segundo turno e ganha.”

DO DEPUTADO MARCUS PESTANA (PSDB-MG), sobre entrevista em que Marina Silva diz que o PSDB tem cheiro de derrota se disputar o 2º turno contra Dilma.

 

CONTRAPONTO

Carta remendada

Em palestra no Congresso Brasileiro de Comunicação Corporativa, proferida no início da semana, o ministro do Supremo Tribunal Federal e presidente do Tribunal Superior Eleitoral, Marco Aurélio Mello, comentou a respeito do grande número de emendas à Constituição brasileira, que já chegam a 83. Para ilustrar a crítica, contou uma anedota.

Disse que certa vez, em uma livraria, um vendedor foi questionado se a loja vendia exemplares da Constituição.

Virou-se então para o cliente e respondeu:

—Não, não trabalhamos com periódicos.