Líder do PSDB assina CPI do cartel do metrô e depois risca seu nome

Por Bruno Boghossian

*Atualizado às 17h30

O líder do PSDB no Senado, Aloysio Nunes Ferreira (SP), assinou o requerimento de criação da CPI mista para apurar o cartel do metrô de São Paulo, mas depois riscou seu nome da lista. O tucano havia sido pressionado por aliados de Dilma Rousseff, que acusavam o PSDB de querer evitar a comissão por temer o impacto da investigação sobre o governo de Geraldo Alckmin (PSDB).

Requerimento da CPMI do metrô

Aloysio diz que incluiu sua assinatura “por engano”, logo depois de fazer um discurso contra a comissão. “Achei que estava sendo abordado por um assessor do meu gabinete para assinar um documento. Quando vi que era do PT, retirei meu nome”, explicou o senador.

Antes de incluir seu nome no requerimento, o tucano havia afirmado que o pedido de investigação era uma “farsa”, pois não incluía suspeitas de cartel em obras de trem e metrô em cidades e Estados governadas pelo PT e por seus aliados.

O senador Ruben Figueiró (PSDB-MS), que havia assinado logo depois de Aloysio, também riscou seu nome.